O vinho que Jesus e os apóstolos bebiam era alcoólico? É pecado consumir bebida alcoólica?


RECEBEMOS DO LEITOR Acácio a mensagem que reproduzimos abaixo, porque se refere a uma afirmação comum em certos meios neopentecostais e que é tomada como verdade por pessoas ingênuas.

A finalidade de tal mentira é, como de costume, atacar a Igreja Católica. Neste caso, pretendem demonstrar o que consideram um erro: a liberalidade com relação ao consumo – ainda que moderado – de bebidas alcoólicas.

Diz a lorota (não há outra expressão mais adequada) que o vinho consumido por Cristo e os Apóstolos, referido nos livros da Bíblia, era na verdade um inocente suquinho de uvas, já que consumir bebida alcoólica é proibido por diversas dessas "novas igrejas". Segue a pergunta do nosso consulente anônimo:

...Sou católico e a alguns dias conversando com um colega de trabalho protestante lhe disse sobre esses textos que vi aqui, [e] ele me disse que na tradução "certa" não é vinho mais suco de uva. O que posso dizer pra ele?

Caríssimo Acácio, o vinho era vinho mesmo, bem igual ao que consumimos hoje, feito da fermentação da uva – o que o tornava alcoólico, sim senhor.

Não há nenhuma sombra de dúvida sobre isso. O suco de uva dura pouco; após alguns dias envasado, começa a fermentar e se torna alcoólico; foi assim que a humanidade descobriu o vinho, e logo passou a apreciá-lo.

Também é preciso notar que justamente a fermentação, que torna a bebida alcoólica, era o único sistema de conservação que havia naquela época.

O que dizer a um protestante que nega o fato – Há inúmeras provas históricas e até arqueológicas que comprovam o que dissemos até aqui (veja), mas como para o protestante simplesmente não existe ou não tem nenhum valor qualquer coisa que se localize fora do que ficou registrado por escrito na Bíblia, você pode mostrar para ele o que a própria Bíblia diz a respeito:

No Antigo Testamento, vemos como Noé ficou embriagado tomando vinho, em Gênesis 9,18-27 e 19,31;34. 

Outro exemplo – este do tempo em que Cristo caminhou sobre a Terra – é o Pentecostes: diante da manifestação do Espírito Santo, diziam os incréus escarnecedores que os Apóstolos agitavam-se e falavam em línguas que desconheciam porque estavam "embriagados de vinho" (Atos 2,13).

Ora, ninguém fica embriagado tomando suco, não é mesmo?

Tanto isso é verdade que diversos textos da mesma Bíblia advertem quanto ao consumo imoderado do vinho, como vemos por exemplo em Provérbios 20,1 e Levítico 10,8, quando Deus ordena aos sacerdotes que não tomem vinho ou outra bebida forte quando fossem adentrar ao Tabernáculo. Se o vinho não fosse alcoólico, essas advertências, claro, não teriam nenhum sentido.

Encontrei até um site protestante que reconhece esse fato tão simples. Se quiser conferir, aí está:


Resumindo tudo, não deixaremos de dizer o óbvio, porque o óbvio quase sempre precisa ser dito. O mal e o pecado, neste caso como em tantos outros, não estão no consumo da coisa em si, mas sim na imoderação e nos efeitos dessa imoderação. Beber vinho ou outra bebida alcoólica não é pecado. Embriagar-se e perder o controle dos próprios atos, sim. 

Por isso mesmo, que os "fracos" – os alcoólatras ou aqueles que possuem tendência para a adicção – não o consumam, porque mesmo um pequeno gole seria, para estes, ocasião de pecado. Os que não possuem tal dificuldade, bebam moderadamente, e evitem fazê-lo diante dos que não podem beber, para não expô-los á tentação.

Por fim, é interessante lembrar também àqueles que por opção particular não bebem –, por achar que é melhor assim e/ou para evitar qualquer tipo de ocasião de pecado –, que estão fazendo algo digno e justo, mas... Não julguem os que não fizeram a mesma opção.

Toda abstenção e penitência é válida e pode ser muito útil, se não for transformada em mais um meio de vaidade, algo que servirá para aquele que o pratica considerar-se moral ou espiritualmente superior aos demais. Os abstêmios sigam em paz com suas consciências e ofereçam continuamente o seu sacrifício a Deus –, que saberá recompensar a cada um segundo sua honestidade e pureza de intenções –, sem querer impor aos outros aquilo que escolheram para si mesmos.

Esperamos ter ajudado a esclarecer a questão, por misericórdia divina.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!

______
• Para saber mais sobre a origem e história do vinho
www.ofielcatolico.com.br

10 comentários:

  1. Pra mim a parte que fecha esse estudo com chave de ouro é o final. Tem muita gente qeu tem problema com o alcool e por isso não deve mesmo beber nada, nem uma gota. Só que muitas vezes essasa pessoas ficam julgando quem não tem esse mesmo problema e querem impor o problema deles pra todos os outros. Muito chato isso. Se você não sabe beber tem que respeitar quem sabe. é o que eu penso.
    Dalto

    ResponderExcluir
  2. Mas quantas latinhas ou copos já é embriaguez para um bafometro? Já não seria um apreciador moderado pego em flagrante por apreciar um vinho ou uma cerveja. Um copo de cerveja para um bafômetro já é crime, pois um copo de 200ml de álcool para a lei já se torna um cidadão alterado para dirigir, e um apreciador será que só toma um copo quando vai apreciar? Ai que mora o problema, para a lei um copo de cerveja já é crime, você não estará 100% lúcido.E o que a palavra condena a falta de lucidez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espere um pouco, Fernando. Não estamos discutindo o medidor do bafômetro, aqui.

      O que diz a atual legislação brasileira é uma coisa; o que diz a simples verdade objetiva (lei natural) é outra coisa, e esta última está sempre em plena consonância com a Sã Doutrina da Igreja de Nosso Senhor.

      Na nova lei (por sinal totalmente injusta e insensata) que você está citando, até um bombom de licor, por provocar alteração no bafômetro, já incapacita a dirigir. Aliás, houve problemas com padres que, por celebrar a santa Missa e tomar aquele gole de vinho, foram multados!

      Isso não tem absolutamente nada a ver com aquilo que ensina a santa Igreja a respeito do consumo do álcool.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Sugiro a leitura do artigo de Igor Andrade sobre a "idolatria das leis":

      https://www.ofielcatolico.com.br/2008/08/sobre-o-ativismo-judicial-do-stf-e.html

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  3. Meu nome é Acácio, fui eu quem mandou pergunta, não consegui me identificar no principio, obrigado pela resposta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Acácio, por vir compartilhar a sua dúvida conosco, e por se apresentar a esta comunidade! Já não o chamo mais de "anônimo".

      Nosso Senhor o abençoe

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  4. Caríssimos leitores,

    Nesta postagem sinto que devo reafirmar o que está dito logo abaixo desta caixa de texto, em nosso "Aviso aos comentaristas":

    "Este não é um espaço de 'debates' e nem para disputas (...) que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender", etc.

    A moderação de comentários existe, entre outras coisas, justamente para evitar disputas sem sentido. É um direito que cabe aos administradores deste apostolado e nada tem a ver com "covardia".

    Eu, Henrique, não sou o único moderador de comentários, mas as mensagens com questões que já foram respondidas – seja na própria postagem ou nos comentários mesmo – via de regra não são publicadas. Essa é uma regra que adotamos para que este espaço não vire uma arena de discussões infrutíferas, como tantas que vemos por aí.

    Nosso objetivo essencial por aqui é esclarecer a fé, não discutir opiniões particulares. O artigo em questão apresenta a posição da Igreja e a resposta às dúvidas do consulente Acácio. Afora isso, consideramos que não é conveniente divulgar opiniões que divergem da orientação doutrinal e pastoral da santa Igreja, justamente para não gerar confusão às almas (o que vai frontalmente contra o nosso intuito de esclarecimento).

    Agradeço humildemente a todos, na Paz de Nosso Senhor.

    Apostolado Fiel Católico

    ResponderExcluir
  5. SÓ UMA CORREÇÃO ABIBLIA.ORG E ADMINISTRADOS POR CATÓLICOS E NÃO PROTESTANTES TODOS ELES ESTUDARAM NO INSTITUTO FRANCISCANO DE JERUSALÉM !

    ResponderExcluir
  6. DESCULPE pela palavra " covarde" sai um pouco da razão, pesso perdão, tenho visto dentro da igreja pessoas renomadas que tem tratado a cerveja eo vinho como coisa Santa e sagrada e muitos se perdem por isso, defendem a unha e dente a bebida alcoólica e quanto a SANTA EUCARISTIA fazem pouco causo, dizendo ao ponto que deveria voltar a bênção da cerveja que existia antigamente, mas você já disse tudo, que só responde aquilo que a igreja ensina, tá certo, é que tem pessoas que usa disso para se beneficiar, enfim pesso mais uma vez perdão,quando agimos pela emoção perdemos totalmente a razão. PAZ SALVE MARIA IMACULADA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há motivo para se desculpar, Fernando. Você é um dileto irmão em Cristo que tem todo o direito de comentar. Apenas esclareci que a Fraternidade S. Próspero se reserva igualmente ao direito de filtrar os comentários.

      Deus o guarde

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail