Beijo lésbico em animação para crianças: até onde chegará a loucura do mundo?


Com ACI Prensa/ACI Digital

VICTORIA ALONSO, presidente executiva de produção da Marvel Studios, que integra a The Walt Disney Company, disse do beijo entre lésbicas na animação "Lightyear": "É uma atualização da família, e a empresa cada vez mais vai continuar mostrando".


    A argentina Alonso, em entrevista ao jornal ao jornal espanhol El País, comentava a a proibição de Lightyear em 14 países de maioria muçulmana por causa do beijo lésbico: “É importante que as pessoas possam expressar em sua cultura qual é a realidade da nossa cultura. Cada um tem o direito de viver como quiser e, portanto, não mostrar isso em seu país”, disse. “Nos Estados Unidos, esse beijo é uma atualização da família e continuaremos a mostrá-lo. Espero que o mundo aceite". Alonso, que é lésbica, é também uma das mulheres mais poderosas de Hollywood.


    LGTBQ+, para quem ainda não sabe, é a sigla usada pelos militantes da ideologia de gênero para se referir a lésbicas, gays, transexuais, bissexuais, "queer" e quaisquer outras "identidades de gênero" que se possa inventar por aí. Há alguns meses, o diretor de entretenimento da Disney, Karey Burke, anunciou que até o final de 2022, metade dos personagens dos filmes de animação da empresa serão LGBTQ+ ou de minorias étnicas.


    “Falo como mãe de duas crianças queer, uma transgênero e uma pansexual(!!), e como chefe do departamento, fiquei consternada ao saber que tínhamos apenas um punhado de personagens LGBTQ +”, acrescentou ela durante entrevista no Zoom pelo sobre a "Reimagine Tomorrow" (reimagine o amanhã) uma política da empresa para promover a dita "diversidade".


    O ator Chris Evans, que dá voz à personagem-título do filme, Buzz Lightyear, na semana passada chamou quem critica o conteúdo lésbico do filme de “idiotas”.


    Nas bilheterias, Lightyear teve uma bilheteria abaixo das expectativas.


Considerações


A loucura que vem tomando conta do mundo se agrava a níveis tais que, para os sãos, já extrapolaram o limite do suportável há um bom tempo. Eu me lembro que há alguns anos, pouco mais de uma década atrás, o lema dos movimentos pelos direitos homossexuais era: "Gostar é opção; respeitar é obrigação".


    Somos obrigados a reconhecer que essa máxima tinha uma certa coerência lógica. Havia poucos representantes dessa minoria ocupando cargos públicos ou posições socialmente influentes, e tais movimentos se restringiam a nichos isolados, de modo que reivindicavam apenas por respeito enquanto seres humanos e cidadãos contribuintes, o que de fato são, independentemente de suas preferências sexuais. Certo. A maioria aceitou essa solicitação sem grandes dificuldades ou questionamentos. E realmente não teríamos problemas se a coisa tivesse parado por aí. Os problemas começaram a partir do momento em que respeitar deixou de ser suficiente.

    Gradativamente, suave mas continuamente, o movimento cresceu e, além de respeitar, 
aos poucos fomos sendo obrigados a gostar (ou a dizer que gostamos), a aplaudir, a confessar com os nossos lábios que as relações homossexuais são lindas e maravilhosas, que são a coisa mais sublime que existe, e até mesmo que devem ser vistas como "um dom de Deus", como disse um tal suposto "bispo de Caícó"...


    Leis foram sendo criadas. Nossos filhos foram sendo amestrados. A TV e os "artistas" assumiram a causa... E assim, meio sem perceber, em nome da tolerância e da aceitação das diversidades, avançamos do mero "respeito" a um ponto em que todo aquele que se recusar a oferecer sacrifício diante desses ídolos será perseguido, cancelado, demitido, encarcerado. Nós, cristãos, que somos a maioria, estamos agora obrigados a sacrificar nossas consciências no altar das novas divindades: os deuses LGBTQ+

    É forçoso reconhecer: o êxito da revolução anticristã e antifamília é acachapante, é total. A maior prova disso está num simples fato: até há alguns poucos anos, uma animação voltada para crianças que promovesse o homossexualismo causaria no mínimo um grande escândalo; hoje, a grande maioria acha isso muito normal e aceitável. Realmente, é mais fácil que aqueles que ousarem dizer alguma coisa contra sejam criticados, até pelos supostos "cristãos" que temos hoje.

    Importa lembrar que o caso em questão não é o primeiro: o último episódio da série "Toy Story" fez o mesmo, assim como a última trilogia de "Star Wars", sem contar os super-heróis e personagens gays que não param de surgir a todo instante (vem aí o novo 'Thor', com mais cenas e personagens gays ativistas, e há um lobby fortíssimo para que o novo James Bond-007 seja, no mínimo, bissexual...).


Simples perguntas que não serão respondidas, mas... quem se importa?


    • Quem definiu e decidiu – em nosso nome – que a família pode e deve ser "atualizada", mesmo contra a opinião e contra a vontade da maioria?

    • O que pensaria a esse respeito o saudoso fundador da companhia, Walt Disney, se estivesse vivo hoje?

    • Como é possível que a Disney anuncie que, muito em breve, "a metade dos personagens dos filmes de animação da empresa serão LGBTQ+ ou de minorias étnicas"? Ora, se estamos tratando de "minorias", então porque é que a minoria deve prevalecer assim sobre a maioria?? Isto não é algo que depõe contra a democracia e, antes de tudo, contra a mais elementar noção do bom senso? 

    • Por que alguém que sugira qualquer noção que minimamente contrarie essas ideias revolucionárias deve agora ser apedrejado e pendurado no poste mais próximo, mas o Chris Evans pode tranquilamente chamar publicamente a todos nós, que pensamos diferente, de "idiotas"?? O respeito à "diversidade" só vale para os que são iguais a eles? Que espécie de "diversidade" é essa???

    • De onde vem a força (e o financiamento) para que toda essa loucura continue, mesmo que isso signifique prejuízo financeiro? Essas produções têm geralmente fracassado, e o ativismo da Netflix, por exemplo, tem gerado uma perda importante e contínua de assinantes, mas mesmo assim o processo só cresce. Como? Por quê?

    • Quem foi que colocou essa hoste demoníaca no poder, para que reinassem sobre nós dessa maneira? E por que não fazemos nada a respeito?


3 comentários:

  1. É o melhor exemplo prático da "janela de Overton" que a vida podia trazer. E incrível como a manipulação foi rápida.

    É a Disney cada vez mais assumindo seu papel de militante e perdendo público.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a pergunta ali e cmplicada mesmo, Felipe: mesmo perdendo público eles continuam fazendo cada vez mais. Como assim? Não dá pra entender isso. É tipo uma coisa satanica mesmo
      Fa Krieger

      Excluir
  2. Agenda LGBTQI através do cinema, mais uma ação promovida ou financiada por globalista com objetivo claramente eugenista. Mais um método de redução populacional.

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Subir