Médico é proibido de praticar a medicina após dizer a paciente: 'Um feto é um ser humano'


30 de agosto de 2019 (Society for the Protection of Unborn Children) – Um médico sul-africano está sendo acusado de "conduta não profissional" depois de simplesmente contar a uma mulher sobre fatos 100% científicos sobre os nascituros.

Segundo a Sowetan Live, Jacques de Vos disse a uma paciente que "um feto é humano", e afirmou que abortar é matar um ser humano. Por essa razão, ele foi demitido e proibido de praticar medicina.

De Vos agora enfrenta quatro acusações de conduta não profissional da parte do Health Professions Council of South Africa (Conselho de Profissões da Saúde da África do Sul) em uma investigação que começou nesta semana. Segundo o relatório, o médico  supostamente teria "violado" a "autonomia do paciente com suas declarações anti-aborto"(!).


A base para todo o processo fundamenta-se exclusivamente em ideologia, e vai contra simples fatos científicos


O diretor do fundo de educação e pesquisa de Londres (SPUC Education and Research), Dr. Anthony McCarthy, descreveu as acusações como "baseadas em ideologia, não em fatos científicos". Disse: 

Do ponto de vista científico, a questão de quando uma nova vida humana começa é relativamente incontroversa. A vida humana começa na fertilização, como uma única célula. A concepção marca uma mudança das células produzidas pelo pai e pela mãe para uma célula com um genoma humano completo que constitui um novo ser humano.

McCarthy continua: 

A vida não-nascida no útero é indubitavelmente humana, e as evidências para isso são esmagadoras. Assim como os pais são humanos – pertencentes à espécie Homo sapiens – o embrião é geneticamente orientado como eles; são novos seres humanos vivos. Claro, a nova vida é obviamente muito jovem e se trata de um ser muito pequeno, mas não é menos humano do que nós somos agora.

E conclui "Do ponto de vista científico e médico, os fatos declarados por Jacques de Vos são indubitavelmente verdadeiros."


*  *  *

Com o início da investigação contra De Vos, houve especulações de que as acusações feitas contra ele integrem um conjunto de crescentes tentativas de difamar as pessoas pró-vida em toda a sociedade. Ao longo do ano, a SPUC tem relatado sobre a escalada da mídia e ataques legais contra indivíduos pró-vida, na tentativa de eliminar qualquer presença visível de agentes pró-vida na sociedade, e incluem ataques legais, como o que houve recentemente no centro de gravidez pró-vida inaugurado  há pouco no Texas (saiba mais).

** Inscreva-se para o Curso de Teologia FLSP **

______

2 comentários:

  1. Meu comentário não se refere ao tema aborto. Aproveito o espaço, mesmo sendo inoportuno, para solicitar que, caso esteja na linha de seus editoriais e textos, poste uma análise deste acreditado e conceituado apostolado leigo sobre o Documento de Trabalho do Sínodo da Amazônia, considerado herético por não poucos leigos, clérigo, bispos e purpurados de nossa Igreja Católica Apostólica Romana. Seria uma nova apresentação da Teologia da Libertação (Leonardo Boff - Laudato Si), oportunizada pelo momento "amazônico"???

    ResponderExcluir
  2. A paz de Jesus Cristo. Infelizmente, essa sociedade ateia, relativista, pro ideologia do gênero, está atacando em várias frentes. Dói ver as pessoas achando normal a parada gay, namoro gay, etc. Sim, a uma trama para neutralizar quem é pro vida, quem segue as Leis de Deus. No Canadá, onde o primeiro-ministro, Justin Trudeau ( lembrando que ele é do Partido Liberal do Canadá, que segue o liberalismo ateu, que permite casamento entre pessoas do mesmo sexo, etc. São bem diferentes dos conservadores cristãos, liberais na economia, conservadores nos costumes), implementou uma série de reformas onde a "igualdade de gênero" é defendida a exaustão. Lá, não se pode usar "ele, ela", quando se dirige a um homem ou mulher. Tem que usar um pronome impessoal "eles", por exemplo, para se dirigir a uma pessoa. Um professor de uma Universidade do Canadá foi punido por usar pronome feminino a uma mulher e esta, o contestou por isso publicamente, causando uma grande polêmica. É esse o mundo em que caminhamos no momento. Cabe a nós, cristãos católicos, manter a luta em defesa da fé, da vida e da raça humana, tal qual o Pai a gerou.

    Link sobre o professor canadense:

    https://br.noticias.yahoo.com/professor-universit%C3%A1rio-perseguido-por-n%C3%A3o-usar-160251678.html

    Salve Maria! Paz e Bem.

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Paginação numerada



Subir