Relação entre a Páscoa de Moisés e a Paixão de Cristo Jesus



Por Lorenzo Lazzarotto
(Canal História e Fé Católica e colaborador regular da FLSP)


A PÁSCOA CONSTITUI o fundamento da Fé Católica. E sabemos que antes de Cristo os judeus já comemoravam a Páscoa, lembrando sua libertação da escravidão no Egito durante o Êxodo. Mas qual a relação profunda entre a Páscoa de Moisés e a de Jesus Cristo? 

    Os grandes eventos narrados na Sagrada Escritura são prefiguras veladas de realidades espirituais que seriam desvendadas com o advento de Cristo.

    Um dos acontecimentos históricos mais importantes do A. Testamento é  a Páscoa de Moisés, cuja narrativa completa se encontra nos primeiros 15 capítulos do Êxodo. 

    Esse livro nos conta como o povo de Israel, após emigrar pacificamente ao Egito, lá prosperou tanto ao longo de quatro séculos que um Faraó sentiu-se ameaçado, e começou a oprimi-los até o ponto de decretar que todos os filhos dos judeus deveriam ser afogados no Nilo.

    Uma criança que foi poupada pelos engenhos de sua mãe e pela piedade da filha do Faraó foi Moisés, que até os 20 anos habitou na corte egípcia. Moisés tornou-se pastor nas terras de Madiã, mas décadas depois de uma vida tranquila, Deus o chamou para a missão de ser o grande libertador do povo de Israel no Egito.

    Unido com seu irmão Arão, que também havia escapado à perseguição movida pelo Faraó, Moisés operou grandes milagres em nome de Deus para convencer o monarca egípcio de que o Senhor estava do lado dos hebreus.

    Como nada tocou o coração do Faraó, Deus mandou sucessivas pragas, transformando as águas do Nilo em sangue, enviando rãs, mosquitos, granizos, trevas, e por fim, a mort3 dos primogênitos dos egípcios. O Anjo exterminador enviado por Deus passava adiante das casas dos judeus, pois elas haviam sido marcadas com o sangue do cordeiro pascal, cujo sacrifício foi determinado por Deus através de Moisés.

    O Faraó desistiu de lutar contra o Deus dos judeus e permitiu que eles fossem embora, mas tão logo seu pranto terminou, ele se pôs a perseguir os judeus que, guiados por Moisés, viram um dos maiores milagres de todos os tempos: Deus dividiu as águas do Mar Vermelho e os filhos de Israel o atravessaram a pé enxuto.

    Qual o sentido profundo destes acontecimentos tão reais quanto milagrosos? Descubra assistindo o vídeo.
___________
Além da primeira parte do livro do Êxodo, extraí várias reflexões do 1º Vol. da magnífica "História Sagrada" do Cônego J. Roquette.


COMPARTILHE EM SUAS REDES!

Um comentário:

  1. Gostaria muito que existisse mais jonvens como esse Lorenzo. Quem é de verdade se encontra, por isso ele se associou com o Henrique do Fiel católico, que alegria!

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Subir