O pecado do orgulho ou soberba


“A soberba precede à ruína, e o orgulho, à queda.” (Pv 16, 18)
“Quando vem o orgulho, chega a desgraça; mas a sabedoria está com os humildes.” (Pv 11, 2)
“Deus resiste aos soberbos, mas concede Graça aos humildes.” (Tg 4, 6)

JÁ REFLETIMOS SOBRE o significado do pecado capital; vimos que são sete, e relembramos quais são e o que significam, superficialmente (veja aqui). A partir desta, estudaremos cada um dos sete pecados capitais separadamente, com um pouco mais de detalhes, e buscaremos conhecer também qual a melhor maneira de evitá-los ou vencê-los a cada dia.

O orgulho é um pecado capital universal dos seres humanos, também por ser natural para todos nós, que somos herdeiros do pecado, e que cresce em nossos corações como a erva daninha que insiste em crescer num jardim, por mais bem cuidado que seja.

Na imaginação popular, os gatos têm 7 ou 9 vidas. Mas o pecado do orgulho tem milhões de vidas! Parece impossível matá-lo, exterminá-lo, acabar de uma vez com ele. Mesmo quando tentamos muito vencê-lo, sermos humildes e cultivar a modéstia em nossas vidas, ele volta a brotar, às vezes até mesmo daquilo que deveria destruí-lo... A grande contradição é esta: muitos sentem orgulho ou se ensoberbecem pela própria simplicidade! Gloriam-se por não ter vaidade ou por viver de um jeito simples, mas acusam àqueles que possuem valores diferentes dos seus de serem orgulhosos. Gostar de se vestir bem, ao menos adequadamente, ter um bom automóvel ou ter certa atenção na decoração da casa, por exemplo, não são necessariamente sinais de orgulho, como alguns pensam.

O orgulho é um pecado inconsciente. Assim é que, muitas vezes, os mais orgulhosos são aqueles que pensam que não têm orgulho nenhum. gloriar-se da própria humildade é tomar um banho de orgulho... Este pecado é muito perigoso, pois chega sem ser notado.

Insistentemente, Nosso Senhor nos adverte nos Evangelhos: não devemos julgar ninguém; esta sim, é uma demonstração da verdadeira humildade. A simplicidade leva as pessoas a se respeitarem umas às outras, pois quem é realmente simples e humilde não julga seu próximo, não procura controlá-lo nem presta atenção demasiada aos detalhes que não dizem respeito à sua própria vida.

Segundo teólogos, o orgulho (soberba) foi o primeiro pecado cometido pelos seres humanos. Teve sua origem na antiga Serpente, representação do mal e da mentira, que o transmitiu à Eva, mãe da raça humana pecadora.

“Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o Reino dos Céus.(...) Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. (...) Portanto, quem se tornar humilde como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus.” (Mt 5, 5.11.18)

São tantas as passagens nas Escrituras e nos Evangelhos que enfatizam a importância e santidade da humildade e da simplicidade, que fica evidente a gravidade do pecado do orgulho. Mas também há abundantes indicações de como evitá-lo, como veremos a seguir.



Vencer o orgulho

A maneira de vencer o orgulho, evidentemente, é cultivar a humildade. Humildade é a qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre o outro. É saber que, para que um seja feliz, o outro não precisa sucumbir, ao contrário; – e viver segundo esta convicção. – A plenitude nunca será possível enquanto houver um irmão sofrendo, seja logo ao lado ou num país distante.

O vocábulo "humildade" vem do Latim “humus” que significa “solo; chão”. A humildade é a virtude que nos dá a consciência exata de nossa pequenez, fraqueza e modéstia diante de Deus Todo-Bom e Todo-Poderoso. Concede-nos um sentimento de reverência e imenso respeito, e isso necessariamente se estende ao mundo que nos cerca, à natureza e principalmente ao nosso próximo, pois também é obra do mesmo Deus.

Ser humilde é ser mais humano, pois é ser consciente da própria condição humana, por um lado privilegiada e especialíssima, por outro frágil e pequenina, se comparada à enormidade da Criação e o Infinito da Glória Divina.

Ser humilde é ser parecido com Jesus, que além de Deus e Salvador nosso, foi o maior Mestre que pisou a face da Terra. Mesmo assim, sua vida no mundo refletiu humildade infinita em cada atitude sua. O Rei dos reis viveu uma vida simplérrima, lavou os pés aos discípulos e se entregou à morte de cruz, o mais humilhante castigo daquele tempo (na sociedade romana, mesmo falar na cruz era proibido).

Você consegue imaginar o Rei da Glória, o Filho de Deus, submetendo-se aos soldados romanos, levando cusparadas, apanhando, recebendo chutes, socos e chicotadas, sem reclamar? Sendo escarnecido, blasfemado, coroado com espinhos... E suportando a tudo mudo como um cordeiro? Esta é a maior das maiores provas de humildade que já existiu, e só poderia ter partido de Jesus, o maior de todos os exemplos que temos para entender que o orgulho, além de pecado grave, é enorme estupidez. Lembre-se, porém: a prática da humildade, que vence o pecado capital do orgulho, se dá de si para si mesmo, na observância da própria insignificância e reconhecimento das próprias incapacidades e imperfeições. Não é você que deve julgar o orgulho ou a humildade do seu próximo, e sim somente Deus. Conscientizar-se disso já é um começo.
www.ofielcatolico.com.br

3 comentários:

  1. Orgulho normalmente é como mau hálito... dificilmente quem tem percebe e é muito facilmente identificado pelos outros...

    Graça e Paz

    Andre Luis

    ResponderExcluir
  2. O orgulho é um pecado triste, é como diz a palavra de Deus, ele apodrece o homem por dentro, por isso peçamos a Jesus, que nos ajude a sermos simples e humildes

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo texto. Adorei principalmente por você deixar bem claro ao decorrer do texto que o pecado do orgulho é pertencente a todo o gênero humano, mas que, há como lutar para vencer o mesmo através do cultivo da humildade.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail