Pela Santa Missa podemos obter todas as Graças de que necessitamos (Excelências da Santa Missa – IX)


Leia o primeiro capítulo

Por S. Leonardo de Porto-Maurício, da Ordem dos Frades Menores

S. Leonardo de
Porto-Maurício
NÃO TERMINA, porém, aí a soberana utilidade da Santa Missa, pois ela nos permite ainda cumprir a quarta obrigação que temos para com DEUS: Orar e pedir-lhe (necessários) novos favores.

Já sabeis quão grande são vossas misérias, tanto de corpo como de alma, e. pro consequência, a Necessidade que tendes de recorrer a DEUS, a fim de que a todo momento Ele vos assista e vos socorra, pois só Ele é o Autor e o Princípio de todos os nossos bens temporais e eternos. Mas, doutra parte, ousaríeis pedir-Lhe novos benefícios, vendo a suprema ingratidão com que tendes correspondido às suas graças anteriores?

Não vos servistes, talvez, mesmo dessas graças para ofendê-Lo? Todavia, tende confiança! Pois, se não mereceis essas graças, JESUS mereceu-as por vós, e para este fim. Ele quis ser, na Santa Missa, uma Hóstia pacífica, isto é, um Sacrifício impetratório para obter-nos de Seu PAI tudo aquilo de que temos necessidade. Sim, sim, na Santa Missa, nosso adorável JESUS, o primeiro e Sumo Pontífice, recomenda a Seu PAI a nossa causa e intercede por nós, constituindo-se nosso amoroso e incomparável Advogado.

E se soubéssemos que a augusta Virgem unia suas preces às nossas, para nos alcançar a graça que desejamos; que confiança não teríamos, de ser atendidos? Que confiança, portanto, que segurança não devemos ter, sabendo que na Santa Missa o próprio JESUS pede por nós e se faz nosso Advogado?

Ó bem aventurada Missa, que nos proporciona todos os bens! É preciso, porém cavar bem fundo nesta mina para descobrir os grandes tesouros que ela contém.

Oh! Que riquezas de graças, bênçãos, virtudes e de socorros nos obtém a Santa Missa! Em primeiro lugar, ela nos alcança todas as graças espirituais e os bens que se relacionam com a alma, como a contrição por nossos pecados, a vitória sobre as tentações, sejam vindas de fora, das más companhias e do demônio, sejam produzidas no nosso interior pelas revoltas da carne.

Obtém os socorros de Graça, tão necessários para nos levantarmos depois de uma queda, para permanecermos de pé e avançarmos nos caminhos de DEUS. Por ela nos vêem muitas inspirações boas e santas e movimentos interiores que nos dispõem a sacudir a tibieza e nos excitam a agir com mais fervor, com uma vontade mais generosa e uma intenção mais pura e reta; e por isso mesmo, proporcionamos um tesouro inestimável, pois todos esses meios são eficacíssimos para alcançar de DEUS a graça da perseverança e penitência final, de que depende a nossa salvação eterna, e nos dão a certeza moral tanto quanto é possível tê-la aqui na Terra, de chegar à Bem-aventurança eterna.

Além disso, a Santa Missa nos obtém todos os bens temporais, contanto que concorram à salvação da alma, por exemplo, a saúde, a abundância, a paz; e nos preserva dos males que se lhe opõem, como seja: epidemias, terremotos, guerras, fomes, perseguições, processos, inimizades, miséria, calúnias, injustiças, etc.

Em suma, ela nos proporciona todos os bens. E para dizer tudo em só frase: a Santa Missa é a Chave de ouro do Paraíso.

E já que, DEUS infinitamente Santo nos deu esta Chave, qual de todos os seus bens irá nos recusar?!

"Aquele que não poupou Seu próprio Filho, mas O entregou por nós, como por meio d´Ele não nos dará tudo de bom?" (Rom 8,32)

Vede, portanto, se não tinha toda a razão aquele bom sacerdote que costumava dizer que, ao pedir algumas grandes graças para si, ou para outrem, ao celebrar o santo Sacrifício, parecia-lhe pouco pedir, quando comparava aquilo que de DEUS solicitava com a Oferenda que Lhe fazia.

Assim argumentava ele: “Todas as graças que peço a DEUS na Santa Missa são bens criados e finitos, enquanto que os Dons que Lhe ofereço são dons incriados e infinitos. Feitas, portanto, as contas, sou eu o credor e Ele o devedor.”(!) E com este argumento, pedia e recebia grandes graças. E vós, por que não despertais, por que não pedis graças importantes? Se quiserdes confirmação, pedi a DEUS em cada Santa Missa que faça de vós um grande santo. Achareis, talvez, que é pedir demais! Não, de modo algum. Não é o nosso boníssimo Mestre JESUS quem promete no Santo Evangelho que, até por um copo d´água dada em Seu nome, terá a sua recompensa?

Quando oferecemos a DEUS PAI, portanto, o Sangue de Seu Divino Filho, ainda que tivesse uma centena de paraísos, não no-los daria todos? Como podeis duvidar de que Ele esteja disposto a conceder-vos todas as virtudes, todas as perfeições necessárias para fazer de vós um grande santo no Céu? Ó bem-aventurada Missa! Abri vosso coração e pedi grandes graças, pensando que as pedis a um DEUS que não se empobrece, ao qual quanto mais pedirdes mais vos será dado.

** Ler o capítulo seguinte

___
Fonte:
MAURÍCIO, Leonardo de Porto. As Excelências da Santa Missa, conforme a ed. romana de 1737 dedicada a S.S. o Papa Clemente XII
www.ofielcatolico.com.br

3 comentários:

  1. Realmente muito especial esse capítulo. Fui na missa hoje com outra cabeça

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o artigo. Sempre nos instruindo como buscar cada vez mais a Deus.

    ResponderExcluir
  3. por que aqui no Brasil não se usa mais o véu?

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail