Idealização, o mal do Rei de Chipre e a ausência de frutos


Por Igor Andrade – Fraternidade São Próspero

A PARTIR DA MODERNIDADE, os católicos padecem de um certo mal psicológico (provavelmente efeito de outro mal chamado Cultura Francesa): o idealismo. 

Idealizam o mundo perfeito, a santidade reservada a poucos (a heróica ou extraordinária), idealizam os Sacramentos, idealizam a moral; em suma, idealizam tudo que não deve ser idealizado.

Uma coisa é idealizar uma tradição, um povo ou uma cultura (um 'quê' universal) na qual o sujeito está inserido – isso e até necessário para se fazer guerra contra os opressores de uma nação – mas outra, completamente diferente, é idealizar algo subjetivo, isto é, algo relativo às contingências do indivíduo que age.

No Brasil, provavelmente por causa dos Filhos da Serpente “Libertadora”, a Igreja sofre muito com essa postura, sobretudo vinda de certos grupos ditos “tradicionais”.

Este mal de idealização é mais visível nas relações entre pessoas – principalmente quando o assunto é o sacramento do matrimônio. Diz-se que “a mulher deve agir assim e assado”, “deve usar tais e quais roupas”, “não pode trabalhar fora de casa” e outras coisas. Diz-se que o homem católico “deve fazer isso e aquilo”, “deve pensar em tais e quais coisas”, “não pode ter tais e tais pensamentos e/ou desejos”, e assim por diante.

Essa postura é compreensível em nossa geração. Ideologia de gênero, feminismo, viadagem, mau exemplo de clérigos e religiosos, etc.

Porém, não se deve responder a um extremo com outro. Aristóteles bem disse que “a virtude está no meio” – o homem inculto conhece tal verdade por outras palavras: “Nem tanto ao mar, nem tanto à terra”.

A postura citada é idealizadora porque as roupas e certas condutas são relativas ao homem, ao meio e ao momento. Uma vez ouvi falar de integrantes de um grupo ensinando que os rapazes não podem entrar na piscina sem camisa nem trocar de roupa na frente de outros rapazes, porque tal seria “imodesto”; também já ouvi moças falando que uma “donzela” católica não deve banhar-se nua porque também seria imodesto. Dezenas de vezes vi afirmações de que as mulheres não podem trabalhar fora de casa. Essas afirmações são absurdas e geram, paradoxalmente, o extremo oposto: a licenciosidade.

Responde-se tais desproporções com outra desproporção: “Mas Santa Zélia trabalhava fora de casa e São Luis a apoiava”. Sim, e por isso, uma empregada batia numa das filhas, fazendo com que a menina desenvolvesse sérios problemas de falta de educação. Não sou eu quem o afirma, são os biógrafos da família Martin.

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra, não precisamos dessas idealizações, apenas precisamos da Fé, da Graça e de ser boas pessoas – o máximo que der.

* * *

Um dos principais problemas que tal idealização gera é o mal do Rei de Chipre, Pigmalião.

Reza a lenda que Pigmalião era rei de Chipre e um talentoso escultor, mas padecia de um problema: idealizava muito as mulheres e não enxergava nelas nada além de falsidade e sensualidade. Então fez para si uma estátua da mulher ideal, a perfeita mulher que não existe. Voltou as costas para as mulheres reais e se apaixonou pela estátua. Dava-lhe presentes e dormia com ela.

Isto ocorre ainda hoje com os idealizadores. Não com estátuas, mas com bebedeiras, prostitutas, bonecas, pornografia e outras aberrações criadas pelo homem em conluio com o Diabo. A idealização gera a decepção e a decepção gera o vício. O vício gera o mal exemplo do católico fariseu, que dedica sua vida a criticar os outros ao invés de fazer o bem.

A postura farisaica implica necessariamente na ausência de frutos. O problema é que Nosso Senhor disse que “o ramo que não der frutos será cortado e lançado ao fogo”. – Além do problema espiritual está o problema social, porque ninguém quer perto de si um chato que nada faz além de cagar regra para os outros.

É evidente que se deve buscar uma vida virtuosa – tanto os homens quanto as mulheres –, mas não devemos ditar aos outros outras regras que não as da Igreja e as do bom-senso.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

5 comentários:

  1. Mir de bão, piazinho!

    Pax DOMINI!

    (Cristiano Maria)

    ResponderExcluir
  2. Henrique,
    O problema é que o segundo post do site, tem um video de um Católico que desrespeita profundamente a Igreja na pessoa dos seus Bispos. É puro orgulho. Aliás, o orgulho, está acabando com as discussões católicas no Facebook e YouTube. É tudo agressão, o Amor, tá muito longe. Só há teoria, sem pratica de caridade. Tenho rezado para que isso diminua e que todos nos voltemos nossos olhares para Jesus e Maria. A salvação não é coletiva, é individual!!! Precisamos diminuir a agressividade, parar de apontar o dedo e manter a fé, dar exemplo de vida. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito disso acontece hoje. Parabéns...

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail