As eleições e o (eterno) critério do mal menor


Pelo revmo. Pe. Marcelo Tenório

A QUESTÃO DO MAL menor é algo delicado e que precisa ser visto com cautela. Acontece no momento em que todas as opções parecem ser imorais. Aqui entra esse princípio conhecido como “o mal menor”. Quando alguém precisa tomar uma decisão, mas as escolhas todas parecem más, é um dever escolher o que provocará um mal menor.

Todavia a regra para esse princípio só pode ser assumida se há extrema necessidade de ação. Se não há urgência, nem dever, deve-se aguardar os acontecimentos e esperar. Ensina Santo Afonso Maria de Ligório:

Consciência perplexa é a de quem, diante de dois preceitos estabelecidos, acredita que pecará se escolher um ou outro, caso possa suspender a ação, é obrigado a adiá-la enquanto consulta pessoas competentes. Se não puder suspendê-la, é obrigado a escolher o mal menor, evitando transgredir o direito natural mais do que o direito humano. Se não é capaz de discernir qual seja o mal menor, faça o que fizer, não peca, porque nesse caso falta a liberdade necessária para que exista pecado formal.[1]

Ora, encontramo-nos hoje em uma encruzilhada: ou votamos no Bolsonaro ou ajudaremos a eleger candidatos socialistas declaradamente contra a Igreja, a família e todos os valores da sociedade cristã.

Muitos argumentam que outros, com menores chances, têm planos melhores, ou que Bolsonaro também é ruim porque seria liberal, relativista, maçom, católico de fachada, separado da primeira esposa e outras coisas mais....

Ora, esse pensamento carece de uma reta hierarquia de danos. Uma coisa é assassinar um feto, outra é ser a favor, por exemplo, da esterilização química: com ambos não concordo, mas aqui há uma hierarquia de danos a ser assumida.

Bolsonaro declarou-se e tem se declarado contra o aborto. É o único candidato que disse claramente que, se eleito, vetará qualquer lei sobre o tema, e isso para nós já deveria ser motivo de reflexão e de escolha. Mas há também outros posicionamentos muito bons em relação à família, o favorecimento ao projeto Escola Sem Partido, a posição claramente assumida contra o Foro de S, Paulo, etc.

Mesmo que haja lacunas em seu discurso, e há; mesmo que haja algumas posições suas discordantes à luz da Fé e da moral, como no caso da esterilização química [e aqui assumo as colocações do Pe. Lodi (vídeo mais abaixo)], é claro para todos que pior do que isso é a agenda vermelha que já avança naturalmente, quanto mais aparelhada pelo estado Comunista.

Vimos, poucos dias atrás, Igrejas sendo invadidas na Nicarágua, altares sendo jogados ao meio das ruas, padres, bispos e até o núncio apostólico agredidos por uma população enfurecida contra os cristãos. Isso veio do nada? Aconteceu do nada? Não! É o resultado de anos de uma doutrinação esquerdista contra a Fé, segundo a qual Deus deve ser arrancado da sociedade.

Só podemos fazer uso da regra do mal menor quando se torna extremamente necessária uma ação de nossa parte. “Se não puder suspender a ação, é obrigado a escolher o mal menor” [Santo Afonso Maria de Liguori, no seu tratado de Teologia Moral (1755)].

Ora, quem dentre nós é capaz de negar, em sã consciência, a extrema urgência de nosso voto contra os mais perigosos inimigos de Deus? Alguém precisa dizê-lo, hoje o que temos é isto: Ou Bolsonaro ou a derrocada de tudo o que temos por sagrado.

Tanto existe urgência quanto dever; logo, devemos fazer uso do critério do mal menor, como ensina a moral católica:

Se não puder suspender a ação, é obrigado a escolher o mal menor

Há teólogos – impávidos em suas mesas, como se não estivessem inclusos nisso tudo, como se habitassem em igrejas espaciais, protegidos em seus castelos – que, diante da realidade, ainda defendem a mera abstenção ou a simples anulação do voto, acreditando que não há urgência, que se pode esperar, que há tempo.

E ,“Enquanto Roma pega fogo, Nero toca harpa.”

Omitir-se, agora, pela abstenção ou anulação do voto, constitui, sim, um grave pecado de omissão. Uma ação confortável, digna de Pilatos com sua bacia de prata e todo o resto.


Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz,
um dos maiores defensores da vida no Brasil




** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!

____
1. Cit. pelo Conselho Pontifício para a Família, Lexicon, Verbete Princípio e Argumento do mal menor. Roma, 2002, p.783

www.ofielcatolico.com.br

12 comentários:

  1. 100% verdade e não tem como negar. Principalmente a causa do aborto é uma das coisas mais importantes nessa eleição. não tem como católico votar em candidato que ´e a favor de aborto e só tem um único que se posiciona contra.

    ResponderExcluir
  2. Você acha conveniente esse texto, agora , Henrique?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não acho. Ao contrário, é um artigo altamente inconveniente. Porém, totalmente necessário.

      Agora, altamente irritantes são certos comentários (que evidentemente não são publicados) de paraquedistas que aparecem com aqueles "argumentos" hiper-surrados e falsos, do tipo: "Ah, mas ele é homofóbico..."; "Ah, mas ele é machista..."; "Ah, mas ele é racista..."... e aí concluem: "Não gosto mais deste site" e mimimimi...

      Haja paciência para tanta tolice. Apenas estudem, averiguem os FATOS antes de formar opinião, como eu faço. É um pouco mais trabalhoso do que acreditar na primeira bobagem que nos dizem, mas vale à pena. A verdade liberta, já disse Nosso Senhor.

      Se ao menos lessem o artigo e tivessem um mínimo de boa vontade para tentar compreender o que diz (que na realidade é coisa muito simples, tanto quanto 1 + 1 = 2) já seria suficiente para compreender o óbvio: não há outra opção possível.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  3. Realmente o Padre Lodi é um sacerdote exemplar, incansável na luta pela vida e pela família. Tive o prazer de conhecê-lo e fiquei impressionado. Um exemplo para todos nós. Sua opinião já deveria valer muito se os "católicos" brasileiros fossem católicos de verdade.

    ResponderExcluir
  4. Tenho a mesma opinião do Pe Marcelo Tenório ....eu e minha família apoia quem apoia a família e o progresso do país. .Paz e bem

    ResponderExcluir
  5. Hoje Bolsonaro foi covardemente esfaqueado por Adélio Bispo de Oliveira, um comunista filiafo ao PSOL. Essa facada doeu em cada um de nós patriotas que defendemos a Família contra as hordas do diabólico comunismo. Oremos a Deus por Bolsonaro, para que Ele restabeleça a sua saúde. Oremos pelo Brasil! Nossa Senhora pisa a cabeça da serpente.

    Meu voto é Bolsonaro 17!

    Viva Cisto Rei! Abaixo o Comunismo!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada por compartilhar conosco. Salve Maria.

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente o bolsonaro é tratado até como Hitler,é triste ver que as pessoas acham que conhecem o bolsonaro verdadeiro, porém elas conhecem o fictício criado pela mídia.

    ResponderExcluir
  8. Bolsonaro é a favor da pena de morte que é ação direta do estado contra um dos mais sagrados mandamentos. Bolsonaro prega também a intolerância e o ódio quando diferencia um ser humano do outro, quando desclassifica o sexo feminino, o negro e o homossexual. A própria ideia de que existem nós melhores e outros piores é contrária ao evangelho. Um homem capaz de plantar uma bomba em um shopping para matar ou causar danos a outros. Como um líder religioso pode endossar tal atitude? a nossa religião é a religião do amor, do perdão e da união e não deve se aliar a nenhum discurso truculento de ódio e discriminação. Qual padre já pregou os benefícios do porte de armas, da pena de morte, da tortura e da execução? O senhor Bolsonaro está se apropriando de valores cristãos bem específicos para angariar votos para sua eleição. Pena que estes valores estejam sendo valorizados em detrimento de outros muito mais importantes para a legitimação da nossa fé. O cristão que apoia a morte, o armamento, o abuso feminino, e a tortura com seu voto está desvirtuando o cerne ético e a honra da igreja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O seu comentário representa, à perfeição, o conjunto (já bem manjado) de calúnias memorizadas pelos militantes da esquerda para atacar Bolsonaro – que, claro, não é o candidato perfeito.

      Entre os defeitos de Bolsonaro, entretanto, não estão nenhum desses que você listou. A pena de morte não tem nada a ver com nenhum Mandamento de Deus, e a Igreja continua reconhecendo o direito de legítima defesa, que é o que o candidato defende. Além disso, presidente nenhum teria o poder, por ele mesmo, para implantar a pena de morte no Brasil: factualmente, no cenário político do Brasil de hoje, essa possibilidade está totalmente excluída.

      Fora isso, ele não é a favor de abuso feminino nem de tortura, já explicou e provou isso várias e várias vezes, com muita propriedade. Para falar a verdade, se estivéssemos em um país sério, pessoas que insistem em dizer isso deveriam ser processadas, porque são calúnias realmente gravíssimas.

      No resto, todo o comentário não passa de uma coleção de lorotas. Não há nada, absolutamente nada que relacione Bolsonaro com "racismo", "homofobia" ou qualquer coisa parecida.

      Moralmente falando, sim, existem pessoas melhores que outras, e isso é uma verdade objetiva. Um assassino é pior (se você quer colocar assim) do que um digno cidadão que é trabalhador honesto e pai de família zeloso.

      Respondo à sua pergunta com outra: como poderia um líder religioso não se manifestar em um cenário eleitoral em que apenas um – um único – candidato posicionou-se claramente contrário à despenalização do aborto e se comprometeu a vetar tal projeto, se for presidente?

      O único candidato que é contrário à ideologia de gênero? O único contrário à doutrinação marxista nas escolas? O único que tem chances reais de vencer as eleições e que assume, ao menos, boa parte dos valores morais cristãos fundamentais, como a preservação das famílias, a proteção da infância, o direito à vida desde a concepção, etc.?

      Em quem poderia votar o cristão no Brasil de hoje? Ciro Gomes, Marina Silva? Fernando Haddad?

      Ódio e discriminação? Poupe nossas inteligências, anônimo, e poupe seu tempo também: esse seu discurso surrado não vai colar por aqui.

      A Luz de Nosso Senhor o ilumine para enxergar o que é real e não ser mais dominado por ideologias.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Anônimo, o fiel católico que vota em comunistas ou é muito ignorante ou é um tremendo hipócrita, para não dizer lobo em pele de cordeiro. Votar em comunistas é votar nos inimigos e algozes da Igreja. Católico comunista é um oximoro e já está automaticamente excomungado (cf. Decretum Contra Comunismum).

      Bolsonaro pode ter seus defeitos e pecadilhos, e todos temos!, mas em vista dos demais candidatos (todos esquerdistas e Ciro Gomes declaradamente anti-católico) mal intencionados, cujo conluio os condena, Bolsonaro é um santo --- usando essa força de expressão. Ele é o ÚNICO canditado patriota e defensor da família e da moral cristã. Por defender tudo isso ele foi esfaqueado! É Jair ou já era! Se não for Jair, a venezuelização se avizinha. Eu realmente temo pelo Brasil.

      Eis uma lista de boas razões para um católico votar em Bolsonaro:
      http://fabiosalgado.blogspot.com/2018/09/por-que-votarei-no-bolsonaro.html

      E os padres comunistas passaram vergonha: https://www.youtube.com/watch?v=p28aWEQLJ_A

      VIVA CRISTO REI! ABAIXO O COMUNISMO!

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail