Sobre a ordenação sacerdotal de mulheres

Por Carlos Martins Nabeto

Santo Epifânio de Salamina

JÁ QUE ESTÁ "na ordem do dia", eis uma pequena contribuição ao vindouro Sínodo da Amazônia: sobre a impossibilidade da ordenação sacerdotal de mulheres, um Santo Bispo católico do século IV (famoso por combater duramente as heresias que tentavam ingressar pela porta dos fundos na Igreja) *ensina ortodoxamente* aos Bispos e Presbíteros de hoje que adotam indevidamente as "posições inovadoras" e sempre infundadas da [maldita e satânica] Teologia da Libertação:

– Para começar, para quem isto não for imediatamente óbvio, se investigar todo o escopo do passado (...) nunca, em momento nenhum, uma mulher ofereceu sacrifícios a Deus: Eva, embora tivesse caído em transgressão, não se atreveu a empreender tal impiedade, assim como nenhuma de suas filhas o fizeram. (...) E em nenhum lugar [do Antigo Testamento] uma mulher jamais ofereceu sacrifícios. Também no Novo Testamento, se [de fato] fosse ordenado por Deus que as mulheres oferecessem sacrifícios ou viessem a ter qualquer função canônica na Igreja, a própria [Virgem] Maria deveria ter atuado como sacerdotisa, eis que ela foi considerada digna de carregar em seu ventre o Rei de todos, o Deus celeste, o Filho de Deus; seu ventre tornou-se um Templo e, pela bondade de Deus, um incrível mistério foi preparado para ser a morada da natureza humana do Senhor. Porém, não foi da vontade de Deus que ela fosse uma sacerdotisa. Ela sequer foi incumbida da administração do batismo, para que Cristo fosse batizado por ela e não por João [Batista]. (...) Sucessores do episcopado e do presbiterato na Casa de Deus foram nomeados (...) e em nenhum lugar uma mulher foi designada. As Escrituras dizem: 'Filipe, o evangelista, teve quatro filhas que profetizaram', mas com certeza elas não foram sacerdotisas. E 'Ana, filha de Fanuel, era uma profetisa', porém o sacerdócio não lhe foi confiado. (...) É verdade que há uma ordem de diaconisas na Igreja, mas esta [ordem] não permite a prática do sacerdócio ou qualquer função litúrgica. Existe por uma questão de modéstia feminina, para o momento do batismo ou o exame de alguma condição ou problema, quando o corpo de uma mulher pode ser desnudado, de modo que não venha a ser vista pelos padres, mas pela mulher assistente designada pelo sacerdote para essa ocasião, para cuidar temporariamente dela no momento em que o seu corpo é descoberto.
(Santo Epifânio de Salamina [*310/+403], Panarion 79,2,3-79,3,6)

+   +   +

– Embora a doutrina sobre a ordenação sacerdotal que deve reservar-se somente aos homens, se mantenha na Tradição constante e universal da Igreja e seja firmemente ensinada pelo Magistério nos documentos mais recentes, todavia atualmente em diversos lugares continua-se a retê-la como discutível, ou atribui-se um valor meramente disciplinar à decisão da Igreja de não admitir as mulheres à ordenação sacerdotal.Portanto, para que seja excluída qualquer dúvida em assunto da máxima importância, que pertence à própria constituição divina da Igreja, em virtude do meu ministério de confirmar os irmãos (cf. Lc 22,32), declaro que a Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja.Invocando sobre vós, veneráveis Irmãos, e sobre todo o povo cristão, a constante ajuda divina, concedo a todos a Bênção Apostólica.Vaticano, 22 de Maio, Solenidade de Pentecostes, do ano de 1994, décimo-sexto de Pontificado. 
(S. Ioannes Paulus II, Carta apostólica Ordinatio Sacerdotalis, do Sumo Pontífice sobre a ordenação sacerdotal reservada aos homens)

4 comentários:

  1. A sociedade atual por influência do feminismo tenta de todas as formas "empoderar" a mulher. Porém esquece que a mulher mais empoderada dos os tempos foi Virgem Maria. Ela não foi uma ministra ordenada, mas nem por isso deixou de ser relevante na salvação da humanidade.

    Viva a Santa Igreja Católica!

    ResponderExcluir
  2. Espero que a igreja não cometa o erro de ordenar mulher. Que o bom Deus nos ilumine.

    ResponderExcluir
  3. Essa questão é realmente irrevogável. Acrescentaria ainda as instruções de São Paulo em 1 Timóteo, 2, 11-12: "A mulher ouça a instrução em silêncio, com espírito de submissão. Não permito à mulher que ensine nem que se arrogue autoridade sobre o homem, mas permaneça em silêncio." E 1 Coríntios, 14, 34: "Como em todas as igrejas dos santos, as mulheres estejam caladas nas assembleias: não lhes é permitido falar, mas devem estar submissas, como também ordena a lei"

    A paz de Cristo!



    ResponderExcluir
  4. “declaro que a Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja”.

    Creio que o santo padre São João Paulo II, jamais imaginou que um dia um dos seus sucessores intencionassem conferir ordenação sacerdotal às mulheres.

    A. Katholicus

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Paginação numerada



Subir