A Missa à distância e a Comunhão espiritual: para quando não for possível comungar sacramentalmente

Crédito da imagem: PASCOM da Paróquia de São Sebastião de Conselheiro Lafaiete - MG

Missa à distância

Temos hoje uma multidão de fiéis católicos que desejam assistir à santa Missa, como sempre fizeram, mas agora não podem. Muitos se escandalizam pela interrupção das celebrações, alguns não se conformam, consideram uma falta de fé da parte do clero. Pode-se discutir quanto a essas questões, mas a verdade é que objetivamente não há o que se fazer quanto a essa situação. Há uma multidão de católicos privados da santa Missa. Ponto.

Esta é uma situação inédita para todos nós, que faz lembrar as palavras do Profeta: "Buscai ao SENHOR enquanto se pode encontrar, invocai-o enquanto está perto" (Is 55,6). Quantos há que não o buscaram enquanto podiam, agora querem e já não podem mais encontrar o Senhor Sacramentado.

Este artigo, todavia, procura orientar e esclarecer de que modos podemos permanecer em comunhão íntima com Deus, mesmo nestes nossos tempos de crise nunca vista e de igrejas trancafiadas.

Sim. Na situação atual, assistir à Missa pela TV ou pela internet é uma opção válida. Claro e evidente que isso não é a mesma coisa do que estar presente à Celebração e comungar sacramentalmente, mas não deixa de ser uma prática piedosa que se pode adotar em situações extraordinários como esta que atravessamos agora. A propósito, para tanto sugerimos o canal do revmo. Padre Leonardo Wagner[1] no Youtube: este zeloso sacerdote passou a celebrar a Missa ao vivo diariamente, no rito extraordinário, sempre às 19 horas (acesse aqui).

* Os que se interessarem em assistir à Missa celebrada pelo Padre Leonardo, mas porventura não estiverem habituados ao latim, podem baixar o Missal latim-português neste link.


'São Boaventura recebe a Comunhão das mãos do Anjo', Francisco Herrera  (1576-1656)

Comunhão espiritual

Quando não for possível, como agora, comungar sacramentalmente o Corpo de Cristo, seja por qualquer motivo, podemos ainda receber o Senhor em nossas almas, espiritualmente. E para tanto, basta ter este sincero e ardente desejo.

Mais comumente, a Comunhão espiritual foi praticada pelas pessoas que não se encontravam em estado de graça durante a santa Missa, ou por aquelas que não tinham observado o jejum eucarístico, ou ainda por aquelas que, por qualquer outro motivo, não pudessem comungar sacramentalmente naquele momento. Comungavam então espiritualmente, na hora própria da Comunhão durante a Missa. Evidentemente, pode-se comungar espiritualmente ao se assistir à Missa pela TV ou internet, durante o momento da Comunhão.

Mas essa prática não precisa ser realizada somente na hora da Missa. A Comunhão espiritual pode ser feita a qualquer momento, em qualquer lugar, e quantas vezes a pessoa desejar. Tristemente, poucos católicos sabem disso, e menos ainda são os que a praticam. Muitos sequer imaginam que essa preciosíssima devoção é tão proveitosa quanto é fácil de fazer. Muitos santos comungavam espiritualmente com frequência, até várias vezes todos os dias.

Para comungar espiritualmente, basta seguir o seguinte passo a passo:

1) Parar por algum tempo (5 ou 10 minutos já bastam) todas as suas atividades cotidianas, colocando-se, na medida do possível, em algum lugar calmo e silencioso (pode ser o 'secreto do teu quarto' citado por Nosso Senhor no Evangelho segundo S. Mateus, cap. 6, vs. 6);

2) Acalmar os pensamentos e focar a atenção em Cristo, evocando e aumentando suavemente, dentro de si, o desejo profundo de receber Jesus Salvador em sua alma; 

3) O fiel deve recolher-se no seu íntimo, tomando uma atitude de humildade e recolhimento interior, formulando, logo em seguida, um ato de sincera contrição, batendo humildemente no peito em sinal de reconhecimento da própria indignidade de receber tão grande graça [pode ser o Confiteor recitado na Missa, ligeiramente adaptado para esse momento: 'Confesso à Deus Todo-poderoso e a a vós, meus irmãos do Céu (pois não há outras pessoas presentes), que pequei muitas vezes, etc.'].

Recomenda-se ao fiel que professe ainda um ato de Fé na Eucaristia ('creio firmemente, Jesus, que estais presente na Eucaristia'); um ato de amor ('amo-vos de todo coração sobre todas as coisas'), um ato de desejo ('desejo profundamente vos receber em minha alma') e o pedido a Jesus para que venha espiritualmente ao seu coração, que ali permaneça e nunca o abandone;

4) Falar a Cristo, ainda que por um breve instante, do seu amor, da sua devoção e da sua entrega incondicional a Ele. Pode-se agradecer pela própria vida e pelo Sacrifício que o Senhor ofereceu na Cruz pela nossa salvação. Aprecie este momento sublime tão intensamente quanto lhe for possível, ainda que seja curto;

5) Por fim, conscientizar-se profundamente de que a Comunhão espiritual poderá cumular o devoto de preciosíssimas graças e dons espirituais, e mesmo temporais, desde que realmente necessários.

Dessa prática, diz São Leonardo de Porto-Maurício:

Ora, sabei que esta santa e bendita Comunhão espiritual, tão pouco praticada pelos cristãos de nossos dias, é um tesouro que cumula a alma de bens incalculáveis; e, no sentir de muitos autores, é de tal modo eficaz que pode produzir as mesmas graças que a comunhão sacramental. Com efeito, se vê que a Comunhão sacramental, na qual se recebe a santa Hóstia, seja por sua natureza de maior proveito, porque como Sacramento age ex operare operato, é possível, no entanto, que uma alma faça a Comunhão espiritual com tanta humildade, amor e fervor, que obtenha mais graças que não obteria outra, comungando sacramentalmente, mas com disposição menos perfeita.

Nosso Senhor, outrossim, ama tanto este modo de fazer a Comunhão espiritual, que muitas vezes se dignou atender com milagres visíveis os piedosos desejos de seus servos, dando-lhes a Comunhão ou por sua própria Mão, como fez à bem-aventurada Clara de Montefalco, a Santa Catarina de Sena, e a Santa Lidvina; ou pela mão dos santos anjos, como aconteceu a São Boaventura e aos santos bispos Honorato e Firmino; ou ainda, mais frequentemente, por meio da augusta Mãe de DEUS, que se dignou dar a Comunhão ao bem aventurado Silvestre.

Não vos admireis desta condescendência tão terna, pois a Comunhão espiritual abrasa a alma no Amor a DEUS, une-a Ele, e dispõe-na a receber as graças mais insignes.[2]

* * *

Santo Afonso Maria de Ligório, o bispo e doutor da Igreja que fundou a Congregação dos Padres Redentoristas, explica o que é a comunhão espiritual de maneira simplérrima: “Consiste no desejo de receber a Jesus Sacramentado e em dar-lhe um amoroso abraço, como se já O tivéssemos recebido”. E sugere a seguinte oração:

“Oh meu Senhor Jesus, creio que estais presente no Santíssimo Sacramento; amo-vos sobre todas as coisas e desejo vos receber em minha alma. Já que agora não posso fazê-lo sacramentalmente (dizer o justo motivo), vinde ao menos espiritualmente a meu coração. 

†††

Como se já tivesse recebido, abraço-vos e me uno todo a Vós; não permitais, Senhor, que volte jamais a vos abandonar. Amém!”



___
1. Paróquia Pessoal Nossa Senhora do Rosário de Fátima e Santo Antônio de Pádua no Rio de Janeiro - RJ.

2. MAURÍCIO, Leonardo de Porto. As Excelências da Santa Missa, conforme a ed. romana de 1737 dedicada a S.S. o Papa Clemente XII, pp. 51-54.

7 comentários:

  1. Excelente, só gostaria de fazer um acréscimo: Se a pessoa estiver em pecado mortal, deve fazer um ato de contrição antes da comunhão espiritual. Caso contrário, isso seria um desrespeito a Nosso Senhor.

    ResponderExcluir
  2. Bem observado, "o Católico". A maioria dos manuais e páginas mais recentes que trazem a Comunhão espiritual não mencionam o Ato de contrição, mas a obra clássica de S. Leonardo de Porto-Maurício o menciona.

    Não necessariamente seria um grave desrespeito pedir a Presença de Nosso Senhor, mesmo não se estando em estado de graça (uma das principais razões para se adotar a Comunhão espiritual é justamente o não poder comungar na Missa por causa de um pecado mortal cometido e não confessado), e o próprio reconhecer que não se pode comungar deveria, nesse caso, subentender esse fato. Espera-se, aliás, que o fiel reconheça o motivo de não poder comungar, se por ter pecado mortalmente ou por outro impedimento. Mas a sua observação foi precisa e útil. Obrigado, Deus lhe pague!

    A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo
    Apostolado Fiel Católico

    ResponderExcluir
  3. Boa Tarde, paz e graça!
    Indico também, a celebração da Santa Missa (Rito Ordinária)ao vivo, todos os dias as 20:00horas, com o Padre Wagner Lopes Ruivo, da Cidade de Sorocaba,SP. https://www.youtube.com/channel/UClhw32UjRALXgjGXlJibUzA

    Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!
    André

    ResponderExcluir
  4. Santa Missa na Forma Extraordinária diariamente às 20:00 com início do terço às 19:30. https://www.youtube.com/channel/UCBsjZK5B14gDwMXZOxhWRnQ

    Aos domingos é as 11:00 e às 17:00hs.

    Ordinário Latim/português para acompanhar

    http://www.montfort.org.br/bra/documentos/decretos/ordinario_santa_missa/?fbclid=IwAR0ExcgL4qosVIqQMeUaQPAF9JVnS5lHCApXk7xJaSoQxvnoomTW9FThtK8

    ResponderExcluir
  5. Ana Maria Vieira Ferreira31 de março de 2020 13:03

    Postagem excelente! Só peço que coloquem os créditos da foto. Essa foto é da PASCOM da Paróquia de São Sebastião de Conselheiro Lafaiete. Muito obrigada! Salve Maria!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço muitíssimo pela informação. Muitas vezes, na pesquisa por imagens, feita por algum colaborador nosso, não se detecta a fonte, mas procuramos sempre dar os devidos créditos a quem são de direito.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo
      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  6. Excelente texto, porém com uma ressalva, aprendidas com o Concílio de Trento (aliás seria um momento oportuno para que Roma legislasse sobre o assunto, mas não o fez ). Se o motivo do pecado mortal , for de forma continuada, ou seja, fazer do pecado um projeto de vida, então essa alma não deve sequer pedir a comunhão espiritual . Não tem esse direito.

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Paginação numerada



Subir