Corona vírus: Dom Antonio Carlos Rossi Keller se pronuncia


O EXMO. E REVMO. SR. BISPO da Diocese de Frederico Westphalen (SC) emitiu nota pública a respeito da pandemia que se aproxima do nosso país e que, segundo estimativas de especialistas, tem o potencial de provocar grandes estragos por aqui. Por se tratar de um digno Pastor da Igreja de Cristo, fiel e exemplar em suas posições, consideramos por bem reproduzir também aqui os seus dizeres:


DOM ANTONIO CARLOS ROSSI KELLER


PELA GRAÇA DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA

BISPO DE FREDERICO WESTPHALEN (RS)

Nota Pastoral frente à questão do chamado 'Corona vírus' (Covid-19).


Amados filhos da Diocese de Frederico Westphalen,

Frente à situação criada com o surgimento e a propagação do chamado “corona vírus” (Covid-19), determino, para toda a nossa amada Diocese as seguintes medidas:

1. A Igreja Diocesana se faz próxima e servidora de cada pessoa, compartilhando a preocupação de todos em relação à emergência sanitária que afeta o mundo inteiro.

2. Determino aos Reverendíssimos senhores párocos, reitores e responsáveis pelas realidades pastorais da Diocese que cuidem de aplicar responsavelmente as normas determinadas pelas competentes autoridades sanitárias, para que colaboremos de forma cabal em evitar, na medida do possível, a maior extensão da epidemia.

3. A Diocese de Frederico Westphalen se dispõe a levar a efeito tudo o que as competentes autoridades determinarem, no que se refere à organização, à realização e, se necessário, à suspensão de eventos e encontros.

4. Finalmente, é preciso que encaremos esta preocupante situação com um olhar sobrenatural, fundamentados na fé. Não percamos de vista que estes momentos de crise devem servir-nos para um crescimento espiritual, especialmente no que diz respeito à confiança que devemos ter na Providência divina.

5. Portanto, para o bem físico e espiritual de nossos fiéis, determino que:

a. Todos os sacerdotes mantenham-se em seus postos, mesmo que, eventualmente, possa ocorrer uma maior gravidade de situação em alguns Municípios da Diocese. Como bons pastores, estejamos junto com o povo que o Senhor nos confiou, mesmo nos momentos difíceis, sacrificando a nossa vida pelo bem de nossos irmãos;

b. O bispo diocesano estará sempre à disposição para qualquer solicitação proveniente das Paróquias da Diocese, em qualquer situação ou necessidade;

c. Nossas Igrejas permaneçam abertas, segundo os costumes desta Diocese, mantendo sempre que possível as atividades normais. Só mudaremos este quadro de normalidade se, onde e quando for necessário, por razões de risco real de contaminação, sob a orientação das autoridades sanitárias;

d. Sejam retirados os recipientes de água benta existentes nas entradas das Igrejas;

e. Não se realize durante a Celebração da Sagrada Eucaristia, o Rito da saudação da Paz;

f. Todos os nossos fiéis, nesta momento difícil tem o direito de receber as atenções pastorais da Igreja. Portanto, não sejam suprimidas as confissões individuais nem a visita aos enfermos, para a administração do Sacramento da Unção dos Enfermos e da Sagrada Eucaristia. Cuidem de que sejam usados os meios profiláticos indicados (máscaras para os enfermos, álcool gel etc.).

g. Nas Igrejas, sejam disponibilizados para o povo os recipientes com álcool gel. Nas Santas Missas, imediatamente antes da distribuição da Sagrada Comunhão, o sacerdote, os diáconos e os MECES higienizem as mãos com o álcool gel. Cuidem de distribuir a Sagrada Eucaristia, como prevê o direito litúrgico, segundo o desejo dos fiéis (na mão ou na boca), sem tocar em quem recebe a Sagrada Comunhão;

h. Durante este período, os sacerdotes, sempre que liturgicamente possível, celebrem a Santa Missa usando o Formulário do Missal Romano “Em tempo de guerra ou calamidade”, elevando ao Senhor preces e súplicas para que Ele abrevie estes tempos difíceis pelos quais estamos passando;

i. Também durante este período, sejam realizadas as Procissões penitenciais, previstas para estes momentos, seguindo o Rito em anexo a esta Nota Pastoral. Tais procissões devem nos ajudar a entender a necessidade de penitenciarmo-nos por nossos pecados e pelos de toda a humanidade, muitas vezes sendo eles os causadores das desgraças que se abatem sobre o mundo. Tais procissões podem ser precedidas do Rito da imposição das cinzas e usando-se cantos penitenciais intercalados com os salmos;

j. Em caso de risco por questões de aglomerações de fiéis, não se suprimam as Santas Missas, mas ao contrário, que elas sejam multiplicadas, para que não falte, nestes momentos difíceis, o alento da Palavra de Deus e o alimento dos fracos e dos enfermos, que é a Santíssima Eucaristia.

k. Procure-se transmitir, também através das redes sociais, as Santas Missas Dominicais e mesmo as Missas diárias, para que, os enfermos que não possam movimentar-se para participar delas nas Igrejas, possam ter o consolo de assisti-las pelas redes sociais;

l. Nas Celebrações Litúrgicas que se elevem preces e súplicas pela saúde de todos, e especialmente pelos afetados por esta epidemia.

A partir de novas indicações das autoridades sanitárias, outras medidas poderão ser tomadas. Penso que, no momento, estas medidas são suficientes.

Finalmente, quero alentar a todos para que não deixemos de elevar ao Senhor da vida, preces e súplicas pela saúde pública, pela recuperação dos contaminados e pelo descanso eterno dos que morreram.

13 de março de 2020

†Antonio Carlos Rossi Keller
Bispo de Frederico Westphalen


4 comentários:

  1. Quanta tristeza.
    Em minha paróquia suprimiram as confissões e a missa só vai ser de manhã e para 50 pessoas, e mesmo assim, elas não poderão comungar na boca. Sinto-me como ovelha sem pastor.
    Moro na zona rural, Ando 30 km de moto em estrada de terra pra ir na missa. Por isso, será quase impossível chegar a tempo de fazer parte do número dos 50 (fecharão a igreja após atingir esse número).
    A "Igreja em saída" (expressão tão amada pelos hereges modernistas que tomaram posse da Igreja) fechou-se para si mesma.
    Fiéis no lamentável estado de pecado mortal não podem se confessar. Moribundos morrem sem a extrema unção. Católicos zelosos não podem mais receber a Santíssima Eucaristia de modo respeitoso.
    Quisera que existissem mais bispos como Dom Antônio Rossi Keller.
    Deixo aqui meu desabafo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não seja tolo. Se medidas corretas não forem tomadas, muitas pessoas irão morrer. Não você, claro, "ovelha sem pastor", mas as ovelhinhas mais velhas, de saúde frágil. Meu irmão, pare da pagar de santo e seja caridoso de fato: passando por essa tribulação pacientemente, intercedendo e tomando os devidos cuidados pelos seus irma~so e irmãs!

      Excluir
    2. Caro amigo! não se desanime diante de tal situação. Sinto-me como você. Cuidado com aqueles que dizem que sacramento à distância é tudo igual. Hereges serão sempre hereges.

      Excluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Paginação numerada



Subir