Corpus Christi: o Santíssimo Sacramento da Eucaristia


O CATECISMO DA IGREJA Católica, referência para a doutrina da fé cristã, proclama que a preciosa Eucaristia “é a Fonte e o Ápice de toda a vida cristã". Diz ainda que "os demais Sacramentos, assim como todos os ministérios eclesiásticos e tarefas apostólicas, se ligam à sagrada Eucaristia e a ela se ordenam. Pois a Santíssima Eucaristia contém todo o Bem espiritual da Igreja, a saber, o próprio Cristo, nossa Páscoa" (CIC §1324).

A instrução do Catecismo diz que a Eucaristia é a excelência e a perfeição dos Sacramentos; pois apesar das maravilhas que os outros Sacramentos produzem na alma, todos eles são instrumentos usados por Deus para nos dar a sua Graça. Na Sagrada Eucaristia, entretanto, não temos um instrumento que nos comunica a Graça Divina, e sim o próprio Autor da graça! - Jesus Cristo, real e verdadeiramente Presente, faz-se Alimento para a nossa salvação!

A Presença de Cristo no Santíssimo Sacramento começa no momento da Consagração e dura enquanto permanecem as Espécies Eucarísticas. Cristo está presente inteiro em cada uma das Espécies e inteiro em cada parte delas, de maneira que a fração do Pão não o divide. A Eucaristia, portanto, é o Sacramento que contém, sob as formas de pão e de vinho, verdadeiros, reais e substancialmente presentes o Corpo, o Sangue, a Alma e a Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, para Alimento de nossas almas.


“Quem come da minha Carne e bebe o meu Sangue
permanece em Mim, e Eu nele" (Jo 6, 56)

Todos os Sacramentos, todos os ministérios eclesiásticos e tarefas apostólicas se ligam à Sagrada Eucaristia, e a ela se ordenam, porque o Santíssimo Sacramento do Altar contém todo o Bem espiritual da Igreja, que é o próprio Senhor Jesus Cristo, nosso Deus!

Diz mais o Catecismo:

A Eucaristia realiza a Comunhão de Vida com Deus e a unidade do povo de Deus, pelas quais a Igreja é ela mesma. Na Eucaristia está o clímax tanto da ação pela qual, em Cristo, Deus santifica o mundo, como do culto que no Espírito Santo os homens prestam a Cristo e, por Ele, ao Pai. Pela Celebração Eucarística já nos unimos à Liturgia do Céu e antecipamos a vida eterna, quando Deus será Tudo em todos (1 Cor 15, 28). A Eucaristia é o resumo e a suma da nossa fé: “Nossa maneira de pensar concorda com a Eucaristia, e a Eucaristia, por sua vez, confirma a nossa maneira de pensar.
(Sto. Irineu – séc. II) [CIC §1324-7]

Seria desnecessário dizer mais do que isso. A Eucaristia é, simplesmente, o auge, o clímax, a santificação, a união, dos santos da Terra e os do Céu, a antecipação da vida eterna, o resumo e a suma da nossa fé! Pela Eucaristia podemos viver, em certo sentido, o Céu já aqui na Terra! Santo Tomás de Aquino diz que “todos os Sacramentos estão ordenados para a Eucaristia, como para o seu fim”: toda a riqueza dos Sacramentos se cumpre no Santíssimo Sacramento.

Falamos muito para dizer que a riqueza espiritual da Eucaristia é inesgotável, e por isso a Igreja tenta explicá-lo nos diversos nomes que lhe dá, sendo que cada um evoca algum dos seus muitos aspectos: Ceia do Senhor; Fração do Pão; Celebração Eucarística; Santa Missa; Memorial da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor: Santo Sacrifício; Divina Liturgia; Santo Mistério; Santíssimo Sacramento do Altar; Santa Comunhão (cf. CIC §1328-1332). Outros modos de chamar o Sacramento da Eucaristia, menos comuns, são: Coisas Santas; Pão dos Anjos; Pão do Céu; Remédio de Imortalidade... A Celebração da Eucaristia é chamada Santa Missa porque a Liturgia na qual se realiza o Mistério da Salvação termina com o envio dos fiéis em missão na vida cotidiana. E a palavra “Missa”, que vem do latim Missio, quer dizer exatamente envio ou missão.

Por ser tão importante, quando necessário a Eucaristia vai às casas dos doentes, com a visita de um sacerdote que cumpre a ordem do Senhor à sua Igreja, de curar e consolar os enfermos.


A Instituição da Eucaristia

Na véspera da Páscoa judaica, Jesus sabia que havia chegado a sua hora. Caía a noite sobre o mundo, sobre os velhos ritos, e os antigos sinais da Misericórdia de Deus para com a humanidade iriam realizar-se plenamente, abrindo caminho a um verdadeiro amanhecer: a nova Páscoa. A Eucaristia foi instituída durante a noite, em preparação à Manhã da Ressurreição.

“FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM” O Mandamento de Jesus para repetir seus gestos e palavras até a sua volta, não é somente para nos recordarmos do que Ele fez. É para a Celebração Litúrgica de sua Vida, Morte e Ressurreição, - e de sua Intercessão única e exclusiva pela nossa salvação.

Diz a Sagrada Escritura que especialmente no domingo, dia da Ressurreição de Jesus, os primeiros cristãos se reuniam para “partir o Pão" (At 20, 7). Assim a celebração da Eucaristia permanece até os nossos dias, com a mesma estrutura fundamental. E assim, de celebração em celebração, anunciando o Mistério Pascal de Jesus “até que Ele venha (1Cor 11, 26)”, o povo de Deus peregrina pelo mundo em direção à Pátria Celeste, quando todos os eleitos se assentarão à Mesa do Reino.

Deus pode o que nós não podemos. Jesus Cristo, perfeito Deus e perfeito homem, não nos deixou somente um "símbolo", mas ficou Ele mesmo conosco. O Senhor foi para o Pai, mas permanece com os que o amam. Não nos deixou uma "lembrança", uma imagem que se dilui com o tempo, como fotografia que amarela e não tem significado para os que não conheceram a pessoa. Sob as espécies do Pão e do Vinho, encontra-se o próprio Cristo, realmente Presente.

Da Igreja primitiva temos o testemunho detalhado de S. Justino Mártir (séc. II) sobre o desenrolar da Celebração Eucarística:

Os cristãos celebram a Eucaristia desde as origens, e sob uma forma que, em sua substância, não sofreu alteração através da grande diversidade do tempo e das liturgias, porque temos consciência de estarmos ligados ao Mandato do Senhor, dado na véspera de sua Paixão: ‘Fazei isto em memória de Mim (1Cor 11, 24-25)’. (...) Ao fazermos isto, oferecemos ao Pai o que Ele mesmo nos deu: os dons de sua Criação, pão e vinho, que pelo poder do Espírito Santo e pelas palavras de Cristo tornam-se Corpo e Sangue de Cristo, que, assim, se torna Real e misteriosamente Presente. (...) No ‘dia do Sol’ (domingo), como é chamado, reúnem-se num mesmo lugar os habitantes, quer das cidades, quer dos campos. Leem-se ora os comentários dos Apóstolos, ora os escritos dos Profetas. Depois, o que preside toma a palavra para aconselhar e exortar à imitação de tão sublimes ensinamentos. Seguem-se as preces da comunidade e, quando as orações terminam, saudamo-nos uns aos outros com o ósculo. Em seguida, leva-se àquele que preside aos irmãos o pão e o vinho. (...) Ele os toma e faz subir louvor e glória ao Pai do Universo, no Nome do Filho e do Espírito Santo, e rende graças (no grego Eucharistian) longamente, pelo fato de termos sido julgados dignos destes Dons. Terminadas as orações e ações de graças, o povo presente aclama, dizendo amém. Depois de o presidente ter feito a ação de graças e o povo ter respondido, os diáconos distribuem a Eucaristia e levam-na também aos ausentes.
- Carta de S. Justino ao imperador Antonio Pio (S. Justino, ano 155 dC, em Apologeticum 1,65)

Neste fascinante registro histórico da Igreja primitiva, vemos que a Santa Missa sempre foi celebrada da mesmíssima maneira como fazemos até hoje, até nos seus principais detalhes!


Receber a Comunhão na língua, de joelhos: um gesto de adoração e um direito de todo católico

Prefigurações e Adoração Eucarística

O Maná ou “Pão do Céu”, com o qual Deus alimentou o povo hebreu durante 40 anos no deserto, na ocasião da fuga do Egito (Ex 16, 4-36), era uma prefiguração da Eucaristia, assim como a ceia pascal judaica, celebração da libertação da escravidão (Lv 23, 4-14). Também as multiplicações dos pães pelo Senhor (Mt 14, 13-21 e 15, 29-39) foram prefiguração da Eucaristia, anúncio feito pelo próprio  Jesus (Jo 6, 35-51).

Foi na Quinta-Feira Santa que Jesus instituiu a Eucaristia, declarando: “Isto é o meu Corpo” e “Isto é o meu Sangue”. Até hoje, a cada Missa, pelo poder dado por Cristo a todo sacerdote, o pão e o vinho transubstanciam-se, isto é, tornam-se verdadeiramente Corpo e Sangue do Salvador (§CIC 1376-7/1413). Torna-se presente, mais uma vez, o Sacrifício de Cristo por nossa salvação.

A Igreja aconselha e exorta todo cristão a adorar, agradecer e louvar a Nosso Senhor Jesus Cristo na preciosa Eucaristia: na Missa, especialmente na Consagração e no momento da Comunhão; na Adoração ao Santíssimo Sacramento, a qualquer hora, em qualquer Tabernáculo do mundo; nas Horas Santas, nas Procissões do Corpo de Deus (Corpus Christi), acompanhando-o com profunda reverência. Para recebermos com adoração e dignidade a Eucaristia, devemos estar em estado de graça (sem pecado mortal), estar em paz com todos, ter fé na Presença Real de Cristo no Pão Consagrado e comungar com extremo respeito e devoção.

Nesse momento sagrado, os anjos presentes rezam por nós e oferecem nossas orações a Deus. O presente mais agradável que podemos oferecer à Santíssima Trindade é a Eucaristia. Cada Missa eleva nosso lugar no Céu, aumenta a nossa felicidade eterna. Cada vez que olhamos cheios de fé para o Pão Consagrado e o Cálice da Salvação, ganhamos uma recompensa no Céu. A Missa é a maior, mais completa e mais poderosa oração, a mais perfeita prática dada aos cristãos.

_______________
Fontes e bibliografia:
• HASTENTEUFEL, Zeno, Pe. O Catecismo ao Alcance de Todos: Uma Síntese do Catecismo da Igreja Católica. Porto Alegre: EdiPUC-RS, 2001.
• GIRAUDO, Cesare. Redescobrindo a Eucaristia, 4ª ed. São Paulo: Loyola, 2006.
• VEIGA, Alfredo, Pe. Cura pela Eucaristia. São Paulo: Loyola, 2006.
• BALAGUER, Mons. Josemaria Escrivá de. É Cristo que Passa. S. Paulo: Quadrante, 1975.
ofielcatolico.blogspot.com

23 comentários:

  1. Paz e bem!

    Bom dia. Qual sua posição e a posição da igreja sobre aquelas pessoas que tem a necessidade de tocar no ostensório, no momento de adoração? Visto que até o padre que carrega cobre suas mãos, o que significa esse ato dos fiéis?

    ResponderExcluir
  2. Sim Henrique,concordo com o questionamento da Karina R.
    se possivel esclarecer essa questão...
    Obg!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karina e Camila, perdoem-me a demora na resposta. Confesso que não me lembrava mais desta pergunta, que deixei para responder depois e, ocupado com os muitos afazeres de todos os dias, acabei por esquecer.

      Respondendo, a verdade é que por muitos séculos foi terminantemente ilícito aos leigos tocarem o Santíssimo Sacramento. A observação de Karina foi bem pertinente: nem o Sacerdote (nem o Papa) toca o Ostensório diretamente ao elevá-lo para a adoração, num sinal de profunda reverência.

      O essencial é entender, antes de qualquer outra coisa, o seguinte: a Hóstia Consagrada é, simplesmente, Deus! É o mesmo Deus que se fez homem, agora feito Pão, no meio de nós.

      Por guardar a fé neste imenso Mistério desde o início, a Igreja sempre observou um respeito total para com o Santíssimo Sacramento, e sempre será assim, até o fim do mundo. O cânone 898 do Código de Direito Canônico (CDC) prescreve:

      "Os fiéis tenham em suma honra a Santíssima Eucaristia, participando ativamente na Celebração do Augustíssimo Sacrifício, recebendo com grande devoção e com frequência este Sacramento, e prestando-lhe a máxima adoração; os pastores de almas, ao explanarem a doutrina sobre este Sacramento, instruam diligentemente os fiéis acerca desta obrigação."

      Os Padres do Concílio de Trento definiram o Santíssimo Sacramento com precisão e máximo cuidado, e Sto. Tomás de Aquino ensinou que, pelo grande respeito que este Sacramento requer, tocar n’Ele compete apenas ao Sacerdote. Por isso mesmo, nas palavras do Doutor Angélico, o Santíssimo não deve ser tocado por "nada que não seja consagrado" (Suma Teológica, III, q.82, art. 3).

      Pelo mesmo motivo, o Corporal e o Cálice são consagrados, e igualmente as mãos do sacerdote, para que possam tocar o Corpo do Senhor.

      Algumas pessoas não sabem, mas a orientação da Igreja, ainda hoje, é que a Comunhão seja recebida diretamente na língua e de joelhos, salvo casos especiais, que não são a regra, mas exceção.

      Lamentavelmente, parece que na grande maioria das paróquias em nosso país se ministra a Comunhão nas mãos, o que, além de tudo, representa um grande perigo para as almas, pois leva muitas pessoas a já não reconhecerem Jesus na Eucaristia, recebendo-o com desleixo e mesmo desprezo.

      O fato é que aqueles que não reconhecem o Senhor na Hóstia Consagrada já não pertencem mais à Igreja, Corpo Místico do Senhor neste mundo.

      Com o Concílio Vaticano II alguns usos e costumes mudaram, mas existem tremendos abusos (e até verdadeiras barbaridades) sendo cometidos em nome de uma suposta "Igreja conciliar", como se existissem "duas Igrejas", uma anterior e outra posterior ao Concílio: pura heresia.

      Para que se tenha uma ideia, outra coisa que poucas gente imagina, aqui no Brasil, é que o Ministério Extraordinário da Sagrada Comunhão não (atenção: NÃO) existe para promover a participação dos leigos. Ordinariamente, a função dos leigos NÃO é distribuir o Corpo de Deus, que nem deveriam fazê-lo.

      Veja bem: apenas nos casos em que exista uma real necessidade é que o ministro extraordinário pode distribuir a Comunhão Eucarística. E os ministros extraordinários são prioritariamente os acólitos instituídos (cân. 910). Somente no caso de não haver acólitos instituídos disponíveis para isso é que outros fiéis (religiosos ou leigos) podem atuar ministrando a Comunhão Eucarística, como aponta a Instrução Redemptionis Sacramentum (n. 155). Tais situações são, de fato, extraordinárias, como o próprio nome do ministério já o indica. - Isto é, só se pode proceder assim em situações especiais, fora do comum, anormais. - Não deve ser o comum, não é o desejado nem o recomendado.

      Por tudo isso, fica fácil perceber que devemos, sim, evitar de tocar não só o Ostensório, como também o Sacrário e a própria Hóstia Consagrada.

      Abraço fraterno e a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  3. Gostaria de saber o q significa aqueles dois simbulos que ficam do lado do santissimo sacramento. O q parece um A e o outro uma ferradura. Desde ja agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Flavia,

      Aqueles símbolos são as letras gregas correspondentes ao Alfa e o Ômega, que simbolizam o Princípio e o Fim de todas as coisas, assim como o Senhor Jesus Cristo, o Primeiro e o Último, se define no livro do Apocalipse (22,13), escrito originalmente em grego.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  4. Pq o pároco da minha cidade, ao celebrar a missa em ma capela em um asilo para velhinhos, o faz em 25, 30 minutos. A gente sente que falta algo mais, parece que ele está com pressa, reza autômato.... Em quanto tempo deve ser rezada uma missa?

    ResponderExcluir
  5. Creio que isso seja zelo do padre em relação a comunidade participante desta missa, no caso pessoas idosas, nos quais certamente existem ali alguns enfermos. Daí a preocupação do padre em realizar uma missa mais rápida. Peço que me corrija se eu estiver errado, mas desde que tenham todas as rubricas e os ritos sejam respeitados, o tempo da missa pode variar.

    ResponderExcluir
  6. Poque o santíssimo sagramento parece com o sol ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O SANTÍSSIMO SACRAMENTO se parece com pão, Patricke.

      Já o Ostensório, que é a peça litúrgica usada pela Igreja para expor solenemente a Hóstia Consagrada, normalmente apresenta, esculpidos em metal nobre, raios que partem do seu centro, onde há um compartimento circular onde é posto para exposição e adoração o Corpo Eucarístico de Nosso Senhor.

      Esses raios partindo de um centro circular (esplendor) lembram realmente uma representação do Sol, o que é natural, já que Jesus é a Luz que ilumina a humanidade e fez nascer um "novo dia", isto é, um Novo Tempo de Graça para todos nós.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  7. Paz e bem!
    Gostaria de saber se existe uma forma prescrita pela Igreja para a Adoração ao Santíssimo Sacramento fora da Santa Missa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssima Karla,
      Paz e bem!
      A Adoração ao Santíssimo Sacramento não é uma ato Litúrgico, podendo ser introduzida em um ato litúrgico.
      A Adoração ao Santíssimo Sacramento pode ser feita a qualquer hora do dia ou noite em uma visita ao Santíssimo no tabernáculo na Capela do Santíssimo. Agora, o ritual da exposição e benção do Santíssimo Sacramento é previsto no Ritual Romano, que consta de duas formas:
      - A exposição simples e a exposição solene.
      A simples é feita com o Santíssimo no cibório e a solene com o Santíssimo no ostensório, com pluvial e com incenso (facultativo na simples). O ritual para as duas forma é a mesma: exposição, adoração, benção e reposição.
      Na exposição simples pode ser feita por um Sacerdote, Diácono ou por um leigo em casos extraordinários, neste caso, não se tem a benção.
      Na exposição solene só pode ser feita por Sacerdote ou Diácono.

      Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo, no Santíssimo Sacramento!

      Excluir
  8. Oi, me chamo Gabriel, tenho 14 anos e sou católico. Porém discordo com algumas deliberações eclesiásticas.
    A primeira são estatuetas de Jesus, terminantemente proibidas em Ex 20,4-5 e em Is 40,12-19 é especial o vers. 18.
    Fico indignado quando meus parentes católicos se ajoelham e pedem socorro para esta imagem. Não só para a imagem de Jesus como para imagens de santos o que é de fato uma profunda idolatria pois não considero Santos intercessores e muito menos um pedaço de material esculpido.
    O ostensório se assemelha irrefutavelmente e inevitavelmente a um Sol, um insulto à Divindade de Deus. Jesus no seu trono irradia luz e esperança como nada no Universo, nem mesmo alpha majoris (perdoe se cometo equívoco) milhares e milhares, até milhões de vezes maior que o sol, equivale à luz de Deus, como pode o Sol em sua insignificância representar Deus? Blasfêmia contra Jesus, na minha opinião!
    Maria é santa mas como uma boa cristã e temente a Deus não ia gostar de ver imagens suas sendo veneradas
    Santos não nos intercedem a Deus na minha opinião, tanto que começaram a ser venerados no século IX se não me engano. Creio que a Dolia devia ser desvinculada à Fé Católica, que DEVERIA ser baseada única e exclusivamente à Latria presente na Santa Eucaristia.
    Nossas imagens devem ser quebradas e adorarmos a Deus, venerar a Mãe de Deus, e amar, simplesmente amar e tentar imitar os santos
    De sua opinião, obrigado
    Paz de Cristo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa, Gabriel, algum falso profeta andou trabalhando bem a sua cabeça, heim? Suas dúvidas foram claramente incutidas por algum "pastor evangélico" da vida, que lê a Bíblia por conta própria e sai por aí servindo a satanás, espalhando uma coleção de mentiras e distorções do Livro sagrado.

      Pelas coisas que diz, você é muito mais protestante do que católico. Deus diz: "O meu povo se perde por falta de conhecimento" (Os 4,6); então vou tentar ajudá-lo:

      1) Em primeiríssimo lugar, você deveria saber que a Igreja de Cristo, que é a coluna e o sustentáculo da Verdade para nós (1Tm 3,15), não deve ser interpretada a partir da Bíblia, e sim o contrário. Você precisa entender a Bíblia a partir do que a Igreja ensina. A Bíblia não é mãe da Igreja; a Bíblia é filha da Igreja, porque foi escrita, canonizada, preservada e traduzida pela Igreja. É fundamental saber isto. Gostaria que você lesse o testemunho do nosso irmão João Marcos, ex-protestante que compreendeu bem essas coisas. Leia o texto no endereço abaixo:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2005/11/deus-vult-como-o-estudo-da-fe-catolica.html

      2) As imagens não são "terminantemente proibidas", nem nunca foram. Acesse o nosso "Índice de respostas católicas para acusações protestantes e 'evangélicas'" e procure pelos estudos que tratam do assunto:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2000/01/indice-de-respostas-catolicas-para.html

      3) Os santos são, sim, nossos intercessores, a Igreja sempre ensinou isso e a Bíblia o confirma. Leia nosso estudo completo sobre o assunto:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2004/09/os-santos-podem-interceder-por-nos-ou.html

      4) O Ostensório, por se assemelhar ao Sol, "insulta" a Jesus!? De onde você tirou essa ideia? Acaso Jesus não é Deus? Deus não é Luz (1Jo 1,5)? O Sol não é símbolo da Luz que ilumina o mundo? Qual o problema em honrar o Senhor com o esplendor?

      Claro que é impossível representar a Majestade e a Glória de Deus, mas nós o fazemos imperfeitamente, para honrá-lo, louvá-lo e agradecer (imperfeitamente, porque somos limitados).

      5) Maria foi chamada por Deus mesmo, ou seja, pelo Espírito Santo, pela boca de Isabel, de "Mãe do Senhor", isto é, Mãe de Deus! E ela própria, cheia do Espírito Santo, profetizou que todas as gerações a chamariam Bem-aventurada! Ela foi a Arca da Nova e Eterna Aliança, deu carne e sangue a Deus, e você quer contestar tudo isso baseado em quê? Na "sua opinião"?!? Seja humilde, filho, e aceite a Vontade de Deus!

      6) Não, eu não vou dar a "minha opinião", porque ela não vale nada! Na maior parte das vezes, seguir minha opinião só me levou ao abismo. Eu sigo o que diz a Igreja de Cristo, Nosso Senhor, e o que mais quero é ser membro desta Igreja, porque ela é o próprio Corpo do meu Salvador! Sendo membro do Corpo de Deus, comungo com todos os santos de Deus que estão neste mundo e no Céu. Só me aprofundando naquilo que ensina a Igreja, que é a continuidade de Jesus no mundo, é que eu posso dizer algo de valor.

      Quando S. Paulo Apóstolo teve a visão do Senhor, ouviu a sua voz, que lhe dizia “Por que me persegues?”. – Mas a quem Paulo estava perseguindo? A Jesus? Sim! Mas como isso seria possível, se Jesus já havia sido crucificado e morto, se já estava no Céu, em Glória inacessível? Como Paulo podia perseguir Jesus? Acontece que Jesus, mesmo estando no Céu, estava ao mesmo tempo aqui na Terra: Paulo perseguia a Igreja, o Corpo do Senhor. Por isso, ao perseguir a Igreja, Paulo perseguia o próprio Jesus. Assim, o Senhor não disse: “Por que persegues os meus servos?”, mas sim: “Por que me persegues?”. Perseguir a Igreja é perseguir Jesus, porque a Igreja é Jesus.

      Assim, não se trata de frequentar a “igreja” batista, calvinista, universal, mundial, quadrangular... Trata-se de pertencer à única Igreja instituída por Jesus Cristo, Filho de Maria virgem, Filho de Deus e Deus, Senhor e Salvador de todos: a Igreja Católica.

      Rezamos pela sua alma

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Eu noto que muitos anti-católicos entram em sites católicos, se fazendo sonsamente de ''católicos'', para lançarem as suas acusações caluniosas.

      ☩ ☩ ☩

      Deus Sol refutado: Os profetas quiseram ver Jesus Cristo, e não viram; e quiseram ouvi-lo, e não ouviram (Lc 10,23-24). O profeta Malaquias chama Jesus Cristo de SOL DA JUSTIÇA (Ml 4,2 ACRF), portanto, o ostensório da eucaristia, que é bíblica (Ml 1,11/ Mt 26,26-29/ Mc 14,22-25/ Lc 22,17-20/ Jo 6,32-35; 48,66/ At 2,42; 20,7/ 1 Cor 10,16; 11,24-34), não tem nada a ver com o deus hórus, como alega o pseudo-documentário ateísta ''Zeitgeist'', de que Cristo é uma farsa, uma cópia de deuses pagãos, uma invenção dos romanos, o que é papagaiado inclusive por protestantes anticatólicos (sic) que dizem que a Igreja sincretizou-se, o que é um ABSURDO e destarte um tiro no próprio pé de quem defende o Cristianismo. No Evangelho de São Lucas capítulo 1 do versículo 78 ao 79 diz: ''Graças à ternura e misericórdia de nosso Deus, que nos vai trazer do alto a visita do SOL NASCENTE, QUE HÁ DE ILUMINAR OS QUE JAZEM NAS TREVAS E NA SOMBRA DA MORTE e dirigir os nossos passos no caminho da paz.'' Pare de acreditar nessas conspirações!

      Veja por exemplo, Gabriel Souza:

      ''23 Motivos Que Levam os Estudiosos a Rejeitar a Noção de que Jesus é Uma "Cópia" de Mitos Pagãos'', por James Bishop.

      ''Jesus imitou Mitra?'', Cai a Farsa.

      ''A Igreja Catolica Apostatou e Paganizou-se ?'', Lar Católico.

      ''Jesus Cristo existiu mesmo? - Por que sou católico?'', Youtube.

      ''Zeitgeist refutado'', Youtube.

      ''A Igreja Católica foi fundada por Constantino?'', O Fiel Católico.

      Excluir
    3. Nesta mesma linha, permita-me humildemente recomendar mais um link, Augusto:

      'Zeitgeist, o filme' – ou a 'piada'?

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    4. Para o ilustre Gabriel Souza, São João Batista deve ser um blasfemo imperdoável, por chamar NSJC de Cordeiro de Deus.
      "Comparar Deus a um animal? Blasfêmia!!! Isso é uma adoração pagã a um deus zoomórfico". E crime pior cometeu, sem dúvida, o próprio Senhor, por se chamar de "Pão vivo que desceu do céu". Posso até imaginar o pensamento: "Quem foi esse blasfemo que chamou Jesus de pão, um mero alimento, deve ser crucificado!"
      É muita palhaçada! A Paz de NSJC!

      Excluir
    5. Oi meu nome é Ivanete como alguém pode duvidar nossa igreja ⛪ católica apostólica Romana intercedo todos os dias a nossa senhora para que interceda junto a jesus misericórdia desta pessoas meu jesus

      Excluir
  9. Adoremus in aeternum Sanctissimum Sacramentum.
    Laudate Dominum Omnes Gentes
    Laudate Eum Omnes Populi
    Quoniam confirmata est super nos misericordia eius
    Et veritas Domini manet in aeternum.
    Gloria Patri Et Filio et Spiritui Sancto
    Sicut erat in Principio et Nunc et Semper et in saecula saeculorum. Amen.
    Adoremus in aeternum Sanctissimum Sacramentum.

    https://www.youtube.com/watch?v=N1kuLtfJxJo

    ResponderExcluir
  10. Gostaria de saber se um ministro da Eucaristia pode carregar o Ostensório?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só pode tocar no corpo de cristo e no ostensório aquilo que é consagrado - o cálice, a patena, AS MÃOS DO PADRE - leigos não podem tocar no corpo de cristo, pois que seria então uma profanação - isso inclui distribuir a eucaristia, comungar na mão, etc. Leigos só poderiam tocar no corpo de cristo em situações absolutamente extremas - por isso, são chamados de ministros EXTRAordinários da eucaristia (não ministros superordinários da eucaristia), e na comunhão deveria se por um utensilio (que eu esqueci o nome), acompanhando a hostia dês de a patena até chegar à boca do comungante, posicionando-se abaixo do queixo da pessoa que comunga - para evitar que partes do corpo de cristo, ainda que do tamanho de farelos, caiam no chão, pios, se caírem, poderão ser pisadas, o que seria uma grave profanação. A participação que muitas paróquias dão aos eigos é, nas palavras do Cardeal Otaviani, "Falsa", e iguala protestantísticamente, o sacerdote ORDENADO (Padre, Bispo) ao sacerdote leigo.

      Excluir
  11. Gostei do post. Peçamos ao nosso bom Deus que nos purifique e nos santifique.

    ResponderExcluir
  12. Eu faço catequese junto com o crisma. Seria possível "adiantar" minha primeira comunhão?

    ResponderExcluir
  13. Eu estava participando de um cerco de Jericó, e Jesus estava exposto no Ostensório, sobre o altar, estávamos rezando o terço, quando chegou um Diácono, interrompeu a oração e colocou um seminarista para dar testemunho de vocação sacerdotal, e Jusus continuou exposto sobre o altar. Tá certo isso?

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail