'Missa de sempre' – Faz sentido essa expressão?


Por Igor Andrade e Henrique Sebastião

“HÁ MALES QUE VEM PARA O BEM”, diz o ditado. O motu próprio “Traditionis Custodes”, publicado no dia 21 de julho (2021), e a carta que o acompanha, geraram um rebuliço enorme em torno do tema “Missa tridentina”, e aqui aproveitamos a ocasião deste momento de grandes disputas para explicar certas coisas que sempre ficam subentendidas e incomodam os mal entendedores (para os quais meia palavra não basta).


Uma dessas coisas é a expressão “Missa de sempre”, que a muitos incomoda pelo fato de ser, geralmente, mal usada e/ou mal compreendida. Qualquer um que conheça minimamente a diversidade de tradições litúrgicas da Igreja sabe bem que há inúmeros ritos católicos – alguns que caíram em desuso e outros que permanecem há mais de mil anos. Muitos destes são anteriores ao rito romano dito tridentino.


Nas igrejas da Índia, por exemplo, há os ritos siro-malabar e siro-malankar; nas igrejas da África há os ritos copta (ao norte do continente), etíope (na região ao sul do Saara) e zairense (surgido na última reforma litúrgica); no Oriente Próximo há os ritos bizantino, maronita e siríaco; no Ocidente temos os ritos ambrosiano, cartuxo, moçárabe (que caiu em desuso na Península Ibérica), e muitos outros – além, é claro, do rito romano.


A partir dessa visão panorâmica, pode soar estranho falar em “Missa de sempre”, porque, de todos esses listados acima, o romano não é o mais antigo – há, por exemplo, a Divina Liturgia de São Tiago, a qual, muito provavelmente, é a mais antiga, escrita mesmo por São Tiago, o "Irmão do Senhor", e que é até hoje celebrada pela Igreja Greco-Católica Melquita (a qual prevê a celebração versus populum, diga-se de passagem).


Ora se o Rito Romano não é o mais antigo, o que significa dizer “Missa de sempre”? Nosso Patrono, o grande São Próspero de Aquitânia (IV/V século), pode lançar luz à questão:


O Apóstolo ordena, ou antes o Senhor ordena pelo Apóstolo, 'que se façam súplicas, orações, petições, ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridade'. Todos os sacerdotes e todos os fiéis têm concórdia nesta norma de súplica em suas devoções. Não há parte do mundo em que o povo cristão não celebre deste modo as orações.[1]


Fica claro que a expressão “Missa de sempre” não deve significar – essencial e literalmente – um rito ou uma tradição litúrgica específica, encerrada em um tempo ou em uma cultura, mas sim deve ser usada ao ponto comum da lex orandi de toda a Igreja. 


A essência da Missa, da Missa de sempre (independentemente do rito em que é celebrada, desde que esse rito seja válido) está no sacrifício e na súplica. O sacrifício é o principal, e sobre este assunto é necessária uma explicação mais detalhada.


A essência do sacrifício, resumidamente falando, é “reconhecer o absoluto domínio de Deus e aplacar sua ira, se O ofendemos”[2]. Há, com a Nova Aliança, um único Sacrifício, que satisfaz essas duas necessidades do homem em relação a Deus.


O Sacrifício de Cristo no Calvário acontece realmente no Altar durante a celebração da Missa de sempre (o que ocorre sem dúvida em mais de um rito). Na Igreja Melquita, por exemplo, os templos são dotados de três Altares: o Altar da Preparação, onde o sacerdote prepara e oferece as espécies que serão consagradas (diante deste Altar está o ícone do Natal do Senhor); o Altar dos Serviços, onde o sacerdote coloca as vestes litúrgicas e se oferece para celebrar a Divina Liturgia (diante deste, há um ícone do Senhor sendo despojado de suas vestes); e no centro do santuário há o Altar do Sacrifício, onde o sacerdote consagra o pão e o vinho, que então se tornam Corpo e Sangue de Nosso Senhor, e onde oferece o próprio Cristo como “Sacrifício de agradável odor”.


A Missa de sempre pressupõe e de fato realiza efetivamente esse Sacrifício junto de incessantes preces – o Sacrifício é oferecido em ação de graças porque “é digno e justo” (e não porque 'é nosso dever e nossa salvação') e as preces são feitas pelo nosso bem (nós, cristãos) e também pelo bem dos inimigos de Cristo, conforme observa também São Próspero:


A Igreja, então, suplica diante de Deus, em todos os lugares, não apenas pelos santos já regenerados em Cristo, mas também por todos os infiéis e inimigos da Cruz de Cristo, por todos os adoradores de ídolos, por todos os que perseguem Nosso Senhor em seus membros; pelos judeus, cuja cegueira não lhes permite ver o fulgor da luz do Evangelho, pelos hereges e cismáticos, que são alheios à unidade de fé e caridade.[3]


Na chamada “Missa nova”, porém, esses elementos estão, se não ausentes, no mínimo escondidos – tão escondidos que é necessária certa formação para descobri-los. Isso é um problema grave.

Por exemplo, hoje, no chamado “rito romano” (de Paulo VI), não se reza mais pela conversão dos judeus, dos infiéis e/ou dos pagãos, afinal “siamo fratelli tutti”. Já não se vê a Missa como o Sacrifício de Cristo, mas como “ceia” (muitas vezes, uma ceia festiva, assim como uma mera reunião de irmãos para louvar a Deus e confraternizar-se alegremente, algo muito semelhante aos cultos protestantes – não raramente, com danças e cantos profanos). O sacerdote já não oferece o Sacrifício a Deus e em nome do povo, mas oferece para o povo a "ceia" – e assim, a partir dessa heterodoxa intenção, os latinos retomaram o uso do Altar em forma de mesa e a celebração chamada versus populum (voltada para o povo) abandonando o versus Deum (voltada para Deus), que tinha por finalidade, justamente, preservar (assim deveria se manter, perpetuamente) o sentido do que é a Missa, juntamente com a sua sacralidade.


Esses últimos detalhes merecem nota.


O Altar em forma de mesa ainda é usado pelos católicos orientais, e a celebração versus populum é prevista, como já visto, na Divina Liturgia de São Tiago. São práticas antiquíssimas, sim. São também, porém, práticas que já foram há muito tempo abandonadas pelo Ocidente, no desenvolvimento próprio e santo de sua liturgia autêntica. Há um "arqueologismo" (adotado pelos adeptos de um radical modernismo, instalados no seio da Igreja) que simplesmente não tem razão de ser, uma vez que tal prática não foi, no Ocidente, aprovada pelo tempo; consequentemente, não é parte da legítima tradição ocidental. Entende isto o leitor? É muito importante entender, porque aí está a chave para a solução dessa disputa inútil entre a irracionalidade dos que querem usar o termo "Missa de sempre" literalmente, e a má vontade dos que o renegam como se fosse uma tolice inventada por "rad trads" ou cismáticos malucos.

O mesmo se dá com a figura das diaconisas ou dos sacerdotes casados (os tão falados viri probati): tudo isso não passa de mera instrumentalização de práticas antigas que por boas razões há muito caíram em desuso deste lado do Bósforo, perdendo completamente o seu sentido e sua razão de ser. Imagine só se, partindo do mesmo princípio, Suas Eminências Reverendíssimas decidissem, por exemplo, pelo abandono da Confissão auricular, uma vez que, nos tempos antigos, as Confissões eram públicas!

É uma pena que tantos dos nossos prelados optem por retornar a práticas que há séculos foram abandonadas, mas não têm o mesmo ânimo de retomar o hábito ainda mais antigo (na verdade, de todos o mais antigo, porque é fruto de uma ordem direta e explícita de Nosso Senhor) de catequizar e zelar pela salvação das almas, até o sacrifício das próprias vidas, se necessário fosse... E fazê-lo enfrentando grandes ameaças naturais e pestes, encarando os piores perigos de frente, com Fé e coragem inabaláveis, com oração contínua e penitência, fazendo por vezes calar tempestades e cessar as piores calamidades, clamando a Deus com o Crucifixo ao alto e um ícone de Nossa Senhora ou de São Miguel ao peito. Registre-se que jamais, em sua longa história, a Igreja fechou suas portas ou negou os Sacramentos aos fiéis por temer alguma praga, peste ou surto epidêmico de qualquer espécie!


*   *   *


A Missa de sempre, então, não está restrita a um rito, e sim é como um fio que perpassa todos os ritos autenticamente católicos, os quais unem os cristãos do mundo inteiro em “um só coração e em uma só alma” (Cf. At. 4, 32), em um só Corpo Místico (de Cristo). A Missa de sempre é esse núcleo duro que mantém as tradições unidas à Tradição, unidas ao legítimo Pontífice, que é o Cristo, o “único Mediador entre Deus e os Homens” (Cf. 1Tm. 2, 5)[4]. Este cerne da vida cristã não pode ser mudado pelos homens (nem leigos, nem clérigos), porque “todo dom perfeito e toda dádiva excelente vem do Alto, procedente do Pai das Luzes, no qual não há mudança, nem mesmo aparência de instabilidade” (Tg 1,17).



Algumas considerações finais


Resumindo o exposto até aqui, importa saber que:

• O termo "Missa de sempre", aplicado à Missa tridentina, não deve ser usado com sentido literal. Pode ser usado, sim, desde que se saiba e que se esclareça, sempre que necessário, que essa expressão tem um sentido mais profundo do que  a muitos pode parecer. Não quer dizer que exatamente aquele rito, com todas aquelas mesmas normas, em todos os seus detalhes, gestos e palavras, foi celebrado desde sempre, mas sim que ele contém todos os elementos da Missa como sempre foi, e o mesmo espírito de adoração que sempre teve, desde o início, e também todas as suas partes essenciais, conforme estão descritas em documentos antiquíssimos como a Apologia de São Justino, Mártir (saiba mais).


• Não se pode negar que houve um desenvolvimento da liturgia no correr dos séculos, mas nunca uma ruptura ou a criação de um rito simplesmente novo, criado por este ou aquele Papa. A esse respeito, Ratzinger esclarece com maestria em sua obra La mia vitta, ao tratar sobre a origem da Missa tridentina (negritos nossos):

Pio V se limitara a fazer uma reelaboração no missal romano anterior, que (naquele tempo) já estava em uso, assim como sempre se fez na História, ao longo dos séculos. De fato, muitos dos seus sucessores, do mesmo modo que ele, haviam feito uma reelaboração desse mesmo missal, sem jamais contrapor um missal a outro. Tratava-se sempre dum processo contínuo, a continuidade nunca fora rompida. Pio teria criado um novo missal? Isso não existe. Há somente nova elaboração ordenada por ele, como etapa de um longo processo de crescimento histórico. (...) a irrupção da reforma protestante se fez, sobretudo, sob a modalidade de ‘reformas’ litúrgicas. (...) Esta foi tão bem concebida que os limites entre o que era ainda católico e o que deixara de ser tornavam-se frequentemente difíceis de definir. Nesta situação de confusão, que se fizera possível pela ausência de normas litúrgicas e pelo pluralismo litúrgico herdado da Idade Média, o Papa decidiu que o Missale Romanum – texto litúrgico da cidade de Roma – enquanto seguramente católico, devia ser introduzido em toda a parte onde não se pudesse atestar a presença de uma liturgia que estivesse em uso há pelo menos dois séculos. Essa antiguidade, uma vez comprovada, justificava a preservação da liturgia antiga, dado que, em tais condições, não haveria como ser posto em dúvida o caráter católico da mesma.[5]


No rito tridentino está, portanto e sem nenhuma dúvida, a Missa de sempre, dizendo-o em sentido largo e salvaguardadas as observações que já fizemos acima. Em contrapartida, a chamada "missa nova" pode ser considerada um desvio completo e radical desse mesmo desenvolvimento orgânico presente em toda a história da Igreja.


• É muito importante entender que, quando se discute quanto à validade da expressão "Missa de sempre" e sua correta aplicação, via de regra se trata exclusivamente do rito romano, sendo a (riquíssima) tradição oriental, já aqui mencionada, quase sempre desconsiderada. Sobre a (especialmente polêmica) questão da orientação versus populum, há muito debate inconcluso entre os mais prestigiados liturgistas, incluindo, mais uma vez, o gigante teólogo Ratzinger, que defende que ao menos a Consagração teria sido feita versus Deum desde sempre e em toda parte, dado o sentido próprio da celebração da Missa[6]. De fato, há uma variedade de testemunhos antiquíssimos dando conta de que os cristãos eram acusados de adorar o sol justamente porque, no seu culto (isto é, na Missa), todos rezavam (sacerdote e fiéis juntos) voltados para o Oriente.


O argumento dos revolucionários, de que estão "resgatando" os costumes a espontaneidade da "Igreja primitiva", é, portanto, completamente falso: insinuam assim que a Igreja se corrompeu com o passar dos tempos, fazendo coro com os protestantes, o que não pode ser verdade se confiamos na promessa de Cristo de que estará sempre com a sua Igreja, até o fim do mundo (Mt 28,20), e na também prometida Assistência do Espírito Santo (Jo 14,17).


• É um fato cada vez mais inegável que, desde o Concílio Vaticano II, a Igreja como a entendemos desde sempre parece que vem se tornando menor e cada vez menor, chegando ao ponto de hoje parecer pequena, com os verdadeiros fiéis católicos – por mais absurdo que isso pareça – sendo perseguidos pelas máximas autoridades eclesiásticas, encabeçadas pelo próprio Papa(!). Por exemplo, a já mencionada mudança de se deixar de rezar pelos judeus, como se estes já estivessem salvos pela antiga Aliança de Abraão (algo dito e repetido em diversos discursos de papas 'pós-conciliares'[7]), implica necessariamente em heresia, algo que contraria toda a Doutrina anterior (novamente, a de sempre). Algo assim não poderia ter sido posto como verdade nem como regra a partir de um Concílio da Igreja, mesmo que meramente pastoral, porque a Igreja não pode jamais induzir ao erro. Estamos diante de um problema gigante.


• Diante de todas as realidades aqui apresentadas, talvez o mais conveniente seja evitar usar a expressão "Missa de sempre" em muitas ocasiões. Não raras vezes, quando é usada, desvia-se o foco dos assuntos realmente importantes para infrutíferos debates sobre conceitos secundários. 


• Uma verdade muitas vezes ignorada é esta: quando se trata de liturgia, nem tudo o que é mais antigo é necessariamente melhor – ou mais santo, ou mais fiel à Tradição da Igreja – pois a Tradição não se localiza nem se resume a um determinado período histórico, mas é constante em todos os tempos da Igreja, se cremos no Poder de Deus que a assiste. Isto é, ainda que a missa nova  pudesse ter retomado certas práticas antigas, como defendem os revolucionários, isso teria sido feito sem o necessário espírito que sempre norteou os verdadeiros cristãos católicos. De nada adianta querer retomar formas antigas, se ao mesmo tempo elas forem deformadas em sua própria essência.

Por fim, arrematando a frase com que se inicia este artigo escrito a quatro mãos, o bem que veio deste mal (a restrição radical da santa Missa tridentina) foi o grande chacoalhão que provocou em boa parte do clero e dos fiéis chamados "tradicionalistas", que viviam até aqui a "acender uma vela para Deus e outra para o diabo", para usar a expressão popular; celebrando em latim por um lado, mas aceitando e participando de toda sorte de profanações e heresias da dita "igreja conciliar" como coisa boa e santa, por outro. A partir deste ponto, os verdadeiros fiéis (sejam leigos ou sacerdotes) se verão, cada vez mais, obrigados a tomar partido. Teremos todos que escolher a quem obedecer.

E eis que enchestes Jerusalém dessa vossa doutrina (...). Porém, respondendo Pedro e os Apóstolos, disseram: 'Mais importa obedecer a Deus do que aos homens'.
(At 5,29)

______
[1] AQUITÂNIA, São Próspero de. A vocação de todos os povos (De vocatione Omnium Gentium). Livro I, Capítulo XII, n.28. Tradução e notas por Henrique Sebastião e Igor Andrade.
Obs.: Embora na liturgia do novo Rito Romano (de Paulo VI) tal prática não seja evidente (a não ser na Liturgia do Tríduo Pascal), nas liturgias mais antigas, como a Bizantina (de São Basílio e a de São João Crisóstomo) há três momentos específicos de súplicas incessantes: a Irinica (antes das Leituras), a Ectení (após as Leituras) e as súplicas após a Comunhão, ao final da Divina Liturgia. Tais práticas de súplicas foram sempre comuns a todos os ritos tradicionais católicos ao longo da história, seguindo o preceito Apostólico (N. do R.)

[2] ARBEX, Mons. Pedro. A Divina Liturgia Meditada e Explicada. Introdução. Disp. em:
ecclesia.org.br/sophia/wp-content/uploads/2020/08/Divina-liturgia-explicada-e-meditada.pdf


[3] AQUITÂNIA, São Próspero de. Ibidem.

[4] Antes que surjam acusações infundadas, aqui não negamos que Sua Santidade o Papa, sucessor legítimo de São Pedro Apóstolo, seja o Vigário de Cristo, o Pontífice (aquele que 'faz a ponte'), porque disse Nosso Senhor: 'Tudo que ligares na Terra será ligado no Céu, e tudo o que desligares na Terra será desligado no Céu'. Contudo, o Papa de Roma é Pontífice 'por participação', ou seja, faz a ponte entre o Céu e a Terra tão somente porque Cristo o quer, pois Cristo Nosso Senhor é o Pontifex Maximus, o Único Mediador por meio do qual somos salvos, é o Pontífice por natureza, enquanto Sua Santidade o é por delegação.


[5] RATZINGER, Cardeal Joseph. Minha vida. Lisboa: Porto, 2005, p. 111.

[6] Referindo-se ao rito romano: "...a celebração versus populum é contrária à Tradição. (...) Tal desorientação é um mito difundido pelos teóricos e reformadores que souberam dar uma roupagem supostamente 'restauracionista' ao que era, na realidade, uma inovação absoluta". (RATZINGER, Introdução ao Espírito da Liturgia, apud BRODBECK, Rafael V., in 'Ad Orientem - a direção do culto divino no Antigo e no Novo Testamentos', disp. em 
salvemaliturgia.com/2011/04/ad-orientem-direcao-do-culto-divino-no.html
)

[7] São muitíssimos os exemplos desta posição totalmente nova e heterodoxa trazida após o Vaticano II: limitamo-nos a disponibilizar os links para a irrecuperável Declaração Nostra Aetate (clique), para a Audiência sobre o Diálogo de João Paulo II (28 de abril de 1999)(clique) e para certas famosas declarações
de Bento XV(clique). Sobre Francisco, que diz que a Igreja deve se arrepender e pedir perdão pelos seus erros do passado, enquanto exorta os fiéis católicos a estudarem a Torá segundo a tradição judaica (clique), além de sua verdadeira obsessão pela 'religião da fraternidade universal', em que todas as tradições religiosas são iguais (incluindo-se ai os ateus, que já mereceram dele mais respeito que os cristãos: 'Os verdadeiros ateus não são os que negam a Deus, mas o próximo') e só importa o amor e o respeito humano, é desnecessário falar qualquer coisa.



Divulgue-nos em suas redes!

Um comentário:

  1. URGE CELEBRAR A MISSA DE SEMPRE - A DE S PIO V - MANTÉM COESOS TODOS OS CATÓLICOS, ENQUANTO A NOVA LITURGIA NOMEADA COMO DE "PAULO VI" PODERIA CAUSAR DUBIEDADES E POSSÍVEIS SEGUNDAS INTENÇÕES E FACILITARIAM REINTERPRETAÇÕES, INDO ATÉ AO RELATIVISMO!
    Sabe quando o soldado está desesperado num renhido combate por a munição do fuzil estar acabando, enquanto isso, o violento e feroz desafeto persiste atirando ininterruptamente e ele sabe que, inapelavelmente, perecerá sob as balas adversárias, sendo o caso atual do Traditionis Custodes, ao qual jamais o papa Francisco imaginaria uma repulsa total, à exceção dos bergoglianistóides, os quais o acompanham! Não seriam como o gado levado às pastagens, sem aversão? Possuiriam inteligências obtusas e/ou seriam uns mentecaptos?
    Será que ele nunca ouvir falar nas sanções canônicas em que incorreria por causa de supressão por decisão pessoal, monocrática, seria o presente caso de ostensivo, patente despotismo a toda prova a injusta supressão da Santa Missa Tridentina, recordando aqui o anterior mencionado por mim, logo abaixo, de S Pio V – ou ele não tem temor algum a Deus? Seria que estaria é com a NOM e pouco se lixando para as sanções em que incorreria por S Pio V e o Concílio de Trento que a ratificou, mais uma vez por todas?
    *14 – “Assim, portanto, que a ninguém absolutamente seja permitido infringir ou, por temerária audácia, se opor à presente disposição de nossa permissão, estatuto, ordenação, mandato, preceito, concessão, indulto, declaração, vontade, decreto e proibição” – BULA “QUO PRIMUM TEMPORE”.
    Acredito que, com as perseverantes preces dos assumidos católicos – preferencialmente o santo Rosário ou mesmo o terço, além doutras orações – sejam armas imbatíveis para persuadi-lo a recuar desse mau intento dessa impostura que agrada os inimigos da Igreja, para os quais "QUANTO PIOR, MELHOR"!!
    Vamos nós nessa corrente de orações nesse intento – todos estamos justa e compulsoriamente convidados por dever de justiça de denunciar, promoverem passeatas e o que se possam executar para reversão desse documento supra citado – consideramo-lo inconveniente e inoportuno!
    * Apenas o nº 14 da “Bula Quo Primum Tempore”
    MONTFORT Associação Culturalhttp://www.montfort.org.br/bra/documentos/decretos/quoprimum/

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Subir