Corpus Christi – Corpo de Cristo: origem, natureza e importância

'A Última Ceia' por Philippe de Champaigne

Por Felipe Marques – Assoc. São Próspero

É INCRÍVEL PENSAR que, mesmo depois de tanto tempo desde a Instituição da Santa Eucaristia na Santa Missa de Lava-pés (A Santa Ceia de Cristo com seus Apóstolos logo antes da Paixão) e mesmo depois de tantos séculos que os Apóstolos, bispos e demais discípulos de Cristo têm fielmente preservado a tradição de fazer aquilo que Jesus pediu como é narrado por São Lucas “...Fazei isto em Minha memória...” (22, 19), muitos ainda desconfiem das palavras do Salvador: “... isto é o MEU CORPO... este Cálice é a Nova Aliança em MEU SANGUE, que é derramado por vós...” (São Lucas 22, 29 – 20).

Nosso Senhor se faz presente na Eucaristia em Corpo, Sangue, Alma e Divindade! Se é que somos cristãos, não podemos duvidar das palavras do próprio Jesus Cristo, que não estava "brincando" quando escandalizou diversos de seus discípulos ao dizer, de modo literal:

Eu sou o Pão vivo que desceu do Céu. Quem comer deste Pão viverá eternamente. E o Pão, que eu hei de dar, é a MINHA CARNE para a salvação do mundo. A essas palavras, os judeus começaram a discutir, dizendo: Como pode este homem dar-nos de comer a sua carne? Então Jesus lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. Assim como o Pai que me enviou vive, e eu vivo pelo Pai, assim também aquele que comer a minha carne viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu. Não como o maná que vossos pais comeram e morreram. Quem come deste pão viverá eternamente. Tal foi o ensinamento de Jesus na sinagoga de Cafarnaum. Muitos dos seus discípulos, ouvindo-o, disseram: Isto é muito duro! Quem o pode admitir? Sabendo Jesus que os discípulos murmuravam por isso, perguntou-lhes: Isso vos escandaliza? Que será, quando virdes subir o Filho do Homem para onde ele estava antes?... O espírito é que vivifica, a carne de nada serve. As palavras que vos tenho dito são espírito e vida. Mas há alguns entre vós que não crêem... Pois desde o princípio Jesus sabia quais eram os que não criam e quem o havia de trair. Ele prosseguiu: Por isso vos disse: Ninguém pode vir a mim, se por meu Pai não lho for concedido. DESDE ENTÃO, MUITOS DOS SEUS DISCÍPULOS SE RETIRARAM E JÁ NÃO ANDAVAM MAIS COM ELE.(Jo 6, 51 - 66)

Sim! A Hóstia Consagrada por um legítimo sacerdote é verdadeiro Corpo e verdadeiro Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, que deu Sua vida por nós na Cruz e ressuscitou no terceiro dia! Porém, como já foi dito acima, são muitas pessoas que pensam a Santa Missa como apenas um evento social, uma reunião festiva de irmãos e nada mais. Pensar desta forma superficial é um erro gravíssimo! Na Santa Missa temos, isto sim, a oportunidade de encontrar Nosso Senhor de forma presencial no Santíssimo Sacramento; temos contato direto com a humanidade de Cristo que, nos toca, e na intimidade da Comunhão, quando recebemos Seu Santo Corpo, podemos dizer que formamos com Cristo um só Corpo durante o tempo que a Hóstia se mantiver em nosso peito, enquanto demorar para ser digerida pelo nosso sistema biológico!

É necessário pensarmos na seriedade das palavras de Cristo, olhando também para as palavras de São Paulo Apóstolo em sua primeira Epístola aos Coríntios:

Assim, todas as vezes que comeis desse Pão e bebeis desse Cálice, lembrais a Morte do Senhor, até que venha. Portanto, todo aquele que comer o Pão ou beber o Cálice do Senhor indignamente será culpável do Corpo e do Sangue do Senhor. Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse Pão e beba desse Cálice. Aquele que o come e o bebe SEM DISTINGUIR O CORPO DO SENHOR, come e bebe a sua PRÓPRIA CONDENAÇÃO. Esta é a razão por que entre vós há muitos adoentados e fracos, e muitos mortos.
(11, 26 - 30)

Cristo quis permanecer conosco sempre, não somente em Espírito, mas também com Sua santa humanidade que toca nossa pobre humanidade e nos transforma, nos santifica, nos alimenta. Eis Suas belas palavras: “Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo.” (Mt 26, 20)!

Corpus Christi é uma festa que celebra tudo o que foi afirmado acima, ou seja, que festeja a Presença real e substancial de Nosso Senhor Jesus Cristo na Eucaristia.

É realizada na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade que, por sua vez, acontece no domingo seguinte ao de Pentecostes. É uma festa de 'preceito', isto é, aos católicos é obrigatório o comparecimento na Missa neste dia, na forma estabelecida pela Conferência Episcopal do país respectivo.

A origem da Solenidade do Corpo e Sangue do Senhor remonta ao Século XIII. A Igreja sentiu a necessidade de realçar e reafirmar solenemente a Presença do "Cristo Todo" no Pão consagrado no Altar, devido à diversas heresias gnósticas e demais pessoas que duvidavam realmente desta santíssima Presença no pão e no vinho. A festa foi então instituída pelo Papa Urbano IV, com a bula "TRANSITURUS DE MUNDO" que pode ser acessada (em latim) neste link.

O Papa Urbano IV foi o cônego Tiago Pantaleão de Troyes, arcediago do Cabido Diocesano de Liège na Bélgica, que recebeu o segredo das visões da freira agostiniana Juliana de Mont Cornillon, que exigiam uma festa da Eucaristia no Ano Litúrgico. Conta a história que um sacerdote chamado Pedro de Praga, de costumes irrepreensíveis, vivia angustiado por dúvidas sobre a Presença real de Cristo na Eucaristia. Decidiu então ir em peregrinação ao túmulo dos Apóstolos Pedro e Paulo em Roma para pedir o Dom da Fé. Ao passar por Bolsena (Itália), enquanto celebrava a Santa Missa, foi novamente acometido da dúvida. Na hora da Consagração, veio-lhe a resposta na forma de um grandioso Milagre
Eucarístico: a Hóstia branca transformou-se em Carne viva, respingando Sangue, manchando o corporal, os sanguíneos e as toalhas do Altar, sem, no entanto, manchar as mãos do sacerdote, pois, a parte da Hóstia que estava entre seus dedos conservou as características de pão ázimo(!).

Por solicitação do Papa Urbano IV, que na época governava a Igreja, os objetos milagrosos foram para Orviedo em grande procissão, sendo recebidos solenemente por sua santidade e levados para a Catedral de Santa Prisca. Esta foi a primeira procissão do Corporal Eucarístico. Aos 11 de agosto de 1264, o Papa lançou de Orviedo para o mundo católico o preceito de uma festa com extraordinária solenidade em honra do Corpo do Senhor.

A tradicional procissão pelas vias públicas, quando é feita, atende a uma recomendação do Código de Direito Canônico (cân. 944) que determina ao Bispo diocesano que a providencie, onde for possível, "para testemunhar publicamente a veneração para com a santíssima Eucaristia, principalmente na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo". É recomendado que nestas datas, a não ser por causa grave e urgente, não se ausente da diocese o Bispo (cân. 395)”.

Esta é a fé Católica, que recebemos da Igreja, e lutamos por viver conforme Seus ensinamentos. São diversos os casos de Milagres Eucarísticos que comprovam a Presença real do Cristo, Jesus Salvador, na Eucaristia. Um destes aconteceu recentemente, e o Papa Francisco conduziu investigação para comprovar sua veracidade. – Leia aqui um artigo completo sobre este fato, considerado um dos maiores Milagres Eucarísticos da História, ocorrido em Buenos Aires no ano 1996 (com a palestra do investigador Dr. Dr. Ricardo Castañón Gomez).


Conclusões

Sempre que formos comungar, JAMAIS nos aproximemos de Cristo como se fosse alguma coisa comum, um ato corriqueiro, como se estivéssemos partilhando de um pão qualquer, como o que se come em casa todos os dias. Quando estamos diante da Hóstia Consagrada, estamos diante do REI DOS REIS, Nosso Senhor Jesus Cristo. Que possamos ter a fé de São Josemaria Escrivá, que nos ensina: “Quando te aproximes do Sacrário, pensa que Ele... há vinte séculos que te espera” (Caminho, n.537). 

E que também reconheçamos, com o grande escritor J. R. R. Tolkien, que foi um católico exemplar e autor da saga "O Senhor dos Anéis":

Fora da escuridão da minha vida, tão frustrada, eu ponho diante de ti a única grande coisa a amar na face da Terra: O Santíssimo Sacramento.... Lá irás encontrar romance, glória, honra, fidelidade e o verdadeiro caminho de todos os teus amores na Terra, e mais do que isso: Morte. Pelo divino paradoxo, que termina a vida, e exige a rendição de todos, e no entanto, pelo sabor que por si só pode fazer com que aquilo que procuras nas tuas relações terrenas (amor, fidelidade, felicidade) se mantenha, ou tirar a compleição da realidade, da permanência eterna, que todos os corações dos homens desejam.
(Carta 43, acerca do casamento e das relações entre os dois sexos)

_____
** A seção 'História e origem' contém trechos do artigo 'Corpus Christi – definição e história', website Catolicismo Romano, disp. em:
http://www.catolicismoromano.com.br/content/view/1249/48/
Acesso 10/4/016
www.ofielcatolico.com.br

19 comentários:

  1. Olá fiel Católico, tenho um irmão mais velho que é protestante, ele até acredita na possibilidade dos santos, mas agora ele levantou uma questão na qual não consigo responder.
    A afirmação dele é a seguinte:

    "O tema da santidade é dos mais fascinantes da teologia, creio. Ser santo desde a eternidade, é sem dúvida um dos atributos da divindade. Já, "se tornar santo", é uma possibilidade para o ser humano que usa o seu livre arbítrio para receber a graça da salvação. Se tornar santo, está vinculado com uma tomada de atitude diante de Deus. Penso, que a Virgem Maria se posicionou de uma tal maneira diante do Criador, que se tornou agraciada e bendita entre as mulheres. Por outro lado, se aceitarmos que a Virgem era cheia de graça antes mesmo de sua concepção, significa dizer que ela não precisou exercer o seu livre arbítrio para se tornar cheia de graça. A implicação disto e que ela se torna santa desde a eternidade. Se assim é, então ela se tornaria, naturalmente, digna não apenas de ser venerada, como também de ser adorada, por partilhar de um atributo exclusivamente divino. Isto está claramente contra o ensino da Igreja Católica, que teria que rever seus ensinamentos marianos."

    Gostaria de saber se podem me ajudar...

    Um abraço, a paz de Cristo.

    Ass: Católico Convicto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Santo Agostinho, Bispo de Hipona, no ano de 415, aproximadamente.
      A Encarnação, magnífica manifestação da gratuidade da Graça
      Na encarnação, a graça de Deus resplandece de maneira tão notável quanto evidente. (...)
      De onde pode vir à natureza humana tão grande gloria - sem dúvida gratuita, pois nenhum mérito a precedeu -, senão porque resplandece aí a inestimável e única graça de Deus? (...)
      Os homens poderiam vir a compreender, por aí, que são justificados de seus pecados por aquela mesma graça que fez com que Cristo-homem não tivesse pecado algum.
      Por esse motivo, o anjo, ao anunciar o próximo nascimento, saudou à Mãe, com estas palavras: “Ave, cheia de graça”. E pouco depois: “Encontrastes graça diante de Deus” (Lc 1, 28. 30).
      Na verdade, é ela chamada “cheia de graça” e de “haver encontrado graça diante de Deus”, porque devia ser a mãe de seu Senhor; ou melhor dito: do Senhor de todos nós.

      Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

      Excluir
    2. E tais palavras do Doutor da Graça (Sto. Agostinho) são tão próprias dele, pois segundo São Jerônimo, o bispo não conhecia o grego. Pois Gabriel sauda no original grego à Nossa Senhora como "kecharitomene", isto é, "agraciada", mas de uma forna que no grego recua esse agracia à Maria desde a sua origem, em outras palavras, desde sua concepção no seio da Senhora Sant'Ana, mãe da Sempre Virgem. Ora, outros discípulos de Cristo foram chamados de agraciados, mas sempre no original grego "charitoo", NUNCA "kecharitomene" como é o caso da Theotokos Virgem Maria. Ou seja, alguém como o Protomártir (Sto. Estevão) estava cheio de graça ao enfrentar os malditos judeus que o mataram, mas antes em algum período de sua vida, antes de Cristo, o diácono era como qualquer um de nós, por conseguinte, um condenado, destituído da glória de Deus.

      Excluir
    3. Se uma criatura for criada por DEUS santa, isto não quer dizer que ela seja divina, se for assim, então os Anjos que são criados todos santos, são seres divinos assim como foram Adão e Eva antes da queda do pecado original. Maria como bem explicou o João Emiliano, foi santifica em virtude dos méritos de CRISTO serem aplicado nela, de maneira antecipada, devido a ela vir a ser a mãe do Salvador, Verdadeiro DEUS e Verdadeiro Homem, porém, assim como os Anjos e Adão e Eva, ela tinha sim o livre arbítrio, pois assim como uma grande parte dos Anjos por livre e espontânea vontade disseram não a DEUS, e por isto foram precipitados no inferno se tronando demônios, assim como também aconteceu com Adão e Eva que cm seu pecado original, foram expulsos do Paraíso e atraiu a condenação a toda raça humana, Maria também poderia rejeitar ser a mãe do Messias, sabendo que segundo as profecias, o qual o Messias iria sofrer, ela saberia que ela como a mãe dele, iria sofrer também, pois qual a mãe que gosta de ver algum filho sofrendo?. Mas Maria sabendo disto tudo, sabendo tudo o que iria acontecer, mesmo assim usado de seu livre arbítrio deu seu sim a DEUS se dizendo humilde serva do SENHOR. Por isto tal questão feita por protestantes, de que se Maria fora santa desde sua origem, ela poderia ser considerada divina, cai por terra, pois se for assim, os Anjos e Adão e Eva antes da queda do pecado, também deveriam ser considerado divinos. Somente DEUS que não é somente Santos, mas: SANTO, SANTO, SANTO, três vezes SANTO, SANTÍSSIMO, é que é, foi e sempre será SANTO e portanto o DEUS único e Verdadeiro, e nenhuma criatura, quer que já tenham sido criadas Santas como foram os Anjos e Adão e Eva, e como seremos nós se alcançarmos os céus, podermos ser algum ser divino, haja vista que se alguém é um ser divino ele dever existir desde sempre e para sempre, e não que surgiu ou que se tornou deus, em uma determinada época em um determinado tempo e espaço.

      Sidnei.

      Excluir
    4. Olá, Católico Convicto,

      Estive fora o dia inteiro e confesso que estou bastante cansado, agora. Assim que tiver um tempinho vou olhar com mais atenção o seu comentário para ver se tenho algo a acrescentar àquilo que meus irmãos já responderam.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    5. Ola, irmãos do Apostolado fiel Católico! Agradeço a imensa ajuda que vocês me deram. Pude elaborar um bom argumento em resposta a essa acusação... Mas ele emendou um outro argumento parecido com o primeiro:

      "Dentro das inúmeras possibilidades existentes, é o livre arbítrio que permite ao ser humano viver na realidade que Deus criou para ele. É perfeitamente possível que Deus possa privar alguém de exercer o seu livre arbítrio e ter planejado, desde antes da criação do Universo, todo o percurso que esse indivíduo irá trilhar. A salvação de incontáveis almas justificaria tal ato. Mas, neste caso, essa pessoa seria alguém tão especial, que teria que ser considerada uma "quarta pessoa" da trindade, tão pura, digna de adoração e louvor quanto Pai, o Filho e o Espírito Santo. Isso gera problemas teológicos gigantescos"

      Acho que ele deve estar lendo muito Willian Lane Craig ou sei lá.

      Acredito que isso ira se tornar um debate sem fim. Mas também acredito e tenho fé de que ele ira retornar a Igreja Católica.
      Afinal, hoje em dia ele reconhece que Maria não teve outros filhos, reconhece que nós Católicos não adoramos imagens, etc... Melhorou muito em vista do que era! Hoje ele se parece muito com um protestante das "antigas"

      Peço a vocês que orem pela conversão dele.
      Mais uma vez, muito obrigado a todos pela atencao e principalmente ao dono da página pelas ótimas postagens, das quais eu estudo com muito carinho para continuar Convicto na minha fé Católica.

      Deus abençoe...

      Ass: Católico Convicto

      Excluir
  2. Anônimo,

    Nossa Senhora tornou-se santa desde a concepção pelos méritos de Cristo. Anteprevisa merita, como se diz em latim. Ou seja, pelos méritos previstos da obra redentora que Cristo faria pelos homens aqui na terra. Os méritos, portanto, são todos de Cristo, já que, como diz o Apóstolo (São Paulo) os homens comuns foram prdestinados para a justiça, glória e salvação, desde antes da fundação do mundo, quanto mais a Virgem Maria.

    ResponderExcluir
  3. Caros irmãos, peço que leiam um post que escrevi em meu blog, hoje, mostrando que a Eucaristia, o corpo e o sangue de Cristo é a verdadeira cura para o vício e o pecado da gula. Eis aqui o link http://joaoemilianoneto.blogspot.com.br/2016/04/o-maior-inimigo-da-gula.html?m=1

    ResponderExcluir
  4. Desculpe a todos irmãos Católicos... Só corrigindo,desconsiderem minha última postagem publiquei a resposta errada.
    A resposta dele foi:

    “Se uma criatura for criada por DEUS santa, isto não quer dizer de forma alguma que ela seja divina, se for assim, então os Anjos que são criados todos santos, são seres divinos assim como foram Adão e Eva antes da queda do pecado original.”

    Você está corretíssimo. Não é porque uma criatura foi criada santa, é que ela pode ser considerada divina. Anjos não são divinos, o primeiro casal do Éden não foi divino. Suas santidades estavam estritamente ligadas a sua atitude frente ao seu Criador. Uma atitude consciente. Lúcifer e um terço dos anjos perderam a sua condição original bem como o primeiro casal, que neste último caso, legou à humanidade o pecado original. Tudo isto, obviamente, um ato consciente, de tomada de decisão. Vejamos:

    “ Maria foi santificada em virtude dos méritos de CRISTO serem aplicado nela, de maneira antecipada, devido a ela vir a ser a mãe do Salvador, Verdadeiro DEUS e Verdadeiro Homem”

    Completamente de acordo. A Virgem Maria foi santa pelos mérito de Cristo. O Filho de Deus não poderia jamais ser concebido no corpo de uma pecadora. Parece que discordamos somente, sobre em qual momento ela se tornou santa.

    “porém, assim como os Anjos e Adão e Eva, ela tinha sim o livre arbítrio, pois assim como uma grande parte dos Anjos por livre e espontânea vontade disseram não a DEUS, e por isto foram precipitados no inferno se tornando demônios, assim como também aconteceu com Adão e Eva que com seu pecado original, foram expulsos do Paraíso e atraiu a condenação a toda raça humana, Maria também poderia rejeitar ser a mãe do Messias,”

    Um ponto complicado aqui: todo o ser humano era caído. Deus restaurou a santidade humana, criando Maria, mas mesmo assim, ela poderia negar ser a mãe do Messias e perder a santidade que Deus já havia restaurado nela? Isso sim, não faz nenhum sentido!

    “Mas Maria sabendo disto tudo, sabendo tudo o que iria acontecer, mesmo assim usado de seu livre arbítrio deu seu sim a DEUS se dizendo humilde serva do SENHOR. Por isto tal questão feita de que se Maria fora santa desde sua origem, ela poderia ser considerada divina, não faz sentido, pois se for assim, os Anjos e Adão e Eva antes da queda do pecado, também deveriam ser considerado divinos.”

    A diferença é que tanto os anjos caídos como o primeiro casal, perderam a sua condição inicial em um ato CONSCIENTE. Maria, pelo o que eu entendi do seu ponto, foi santificada por um ato de Deus, sem necessidade de uma tomada de decisão dela. Desde a eternidade, Deus já havia decidido criar uma pessoa chamada Maria, que seria santa e porque foi santa não poderia deixar de ser mãe de Jesus. Nesta visão, a santidade de Maria é uma verdade mesmo antes de o Universo ser criado! Ela seria SANTA, SANTA, SANTA, desde a eternidade. Um atributo divino. Ela deveria, então, ser adorada e louvada em pé de igualdade com o próprio Deus. Eu sei que não é isso o que a Igreja Católica ensina. Ou a Igreja está errada diminuindo a santidade de Maria e cometendo um pecado, ou esta errada sobre a natureza desta santidade. Um problemão teológico que eu, sinceramente, não saberia resolver. Perceba que os seres humanos estão “predestinados a salvação, desde antes da criação do mundo”, mas desde que tomem a decisão consciente de entregar a sua vida a Cristo, caso contrário, é evidente que o caminho será outro, um outro caminho que também está preparado desde antes da fundação do mundo.

    É por isso que eu concluo: A Virgem Maria foi uma serva fiel de Deus Todo Poderoso. Foi bendita entre as mulheres, justificada pela fé, em um ato CONSCIENTE de aceitar ser a mãe do Salvador.

    — Ele parece ou não parece o William Lane...rsrsrss

    Católico Convicto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “ Maria foi santificada em virtude dos méritos de CRISTO serem aplicado nela, de maneira antecipada, devido a ela vir a ser a mãe do Salvador, Verdadeiro DEUS e Verdadeiro Homem”

      Completamente de acordo. A Virgem Maria foi santa pelos mérito de Cristo. O Filho de Deus não poderia jamais ser concebido no corpo de uma pecadora. Parece que discordamos somente, sobre em qual momento ela se tornou santa.

      Resposta: Seguindo em uma linha lógica, desde sua concepção.

      “porém, assim como os Anjos e Adão e Eva, ela tinha sim o livre arbítrio, pois assim como uma grande parte dos Anjos por livre e espontânea vontade disseram não a DEUS, e por isto foram precipitados no inferno se tornando demônios, assim como também aconteceu com Adão e Eva que com seu pecado original, foram expulsos do Paraíso e atraiu a condenação a toda raça humana, Maria também poderia rejeitar ser a mãe do Messias,”

      Um ponto complicado aqui: todo o ser humano era caído. Deus restaurou a santidade humana, criando Maria, mas mesmo assim, ela poderia negar ser a mãe do Messias e perder a santidade que Deus já havia restaurado nela? Isso sim, não faz nenhum sentido!

      Resposta: Faz sentido, levando em conta o seu livre arbítrio. JESUS também, como homem, poderia ter fugido de sua paixão e morte, tanto que quando orava no jardim das oliveiras, antes de ser preso, orou até suar sangue, e pediu ao PAI que livrasse daquele cálice, porém, disse que fizesse sobre tudo a vontade do PAI. De forma semelhante Maria fez a mesma coisa quando na ocasião da concepção, embora não tenha dito que se afastasse dela sua missão de vir a ser a mãe do messias, e vir a sofrer vendo seu filho morrer em um cruz, mas no entanto, sabendo que isto tudo iria acontecer com seu filho e que iria passar por esta prova, ela também se curva diante de DEUS e diz para se seja feita a vontade do SENHOR. Tanto Maria quando JESUS homem, foram preparados desde a eternidade para suas missões, porém, ambos não foram tolhidos seu livre arbítrio, e ambos, mesmo sendo criados santos, poderiam dizer sim ou não ao plano divino da salvação.

      Contianuando

      Excluir
    2. Continuação:

      “Mas Maria sabendo disto tudo, sabendo tudo o que iria acontecer, mesmo assim usado de seu livre arbítrio deu seu sim a DEUS se dizendo humilde serva do SENHOR. Por isto tal questão feita de que se Maria fora santa desde sua origem, ela poderia ser considerada divina, não faz sentido, pois se for assim, os Anjos e Adão e Eva antes da queda do pecado, também deveriam ser considerado divinos.”

      A diferença é que tanto os anjos caídos como o primeiro casal, perderam a sua condição inicial em um ato CONSCIENTE. Maria, pelo o que eu entendi do seu ponto, foi santificada por um ato de Deus, sem necessidade de uma tomada de decisão dela. Desde a eternidade, Deus já havia decidido criar uma pessoa chamada Maria, que seria santa e porque foi santa não poderia deixar de ser mãe de Jesus. Nesta visão, a santidade de Maria é uma verdade mesmo antes de o Universo ser criado! Ela seria SANTA, SANTA, SANTA, desde a eternidade. Um atributo divino. Ela deveria, então, ser adorada e louvada em pé de igualdade com o próprio Deus. Eu sei que não é isso o que a Igreja Católica ensina. Ou a Igreja está errada diminuindo a santidade de Maria e cometendo um pecado, ou esta errada sobre a natureza desta santidade. Um problemão teológico que eu, sinceramente, não saberia resolver. Perceba que os seres humanos estão “predestinados a salvação, desde antes da criação do mundo”, mas desde que tomem a decisão consciente de entregar a sua vida a Cristo, caso contrário, é evidente que o caminho será outro, um outro caminho que também está preparado desde antes da fundação do mundo

      Resposta: Se tanto os anjos caídos quando Adão e Eva caíram por um ato consciente, no entanto, eles também foram criados santos por decisão divina, sem uma tomada de decisão consciente por parte deles, e assim também aconteceu com Maria e com JESUS como homem. A diferença, é que mesmo que todos foram criados santos, alguns disseram não e outros disseram, os que disseram não: os anjos caídos, Adão e Eva, os que disseram sim: os Santos Anjos, JESUS homem e Maria. Não vejo maiores problemas em se entender isto, só quem procura chifre em cabeça de cavalo e pelo em casca de ovo.

      É por isso que eu concluo: A Virgem Maria foi uma serva fiel de Deus Todo Poderoso. Foi bendita entre as mulheres, justificada pela fé, em um ato CONSCIENTE de aceitar ser a mãe do Salvador.

      Resposta. Este ato consciente de Maria como de JESUS homem e dos Santos Anjos em aceitar a DEUS em dizer sim ao seus planos divinos, não desfaz a verdade que todos eles foram criados Santos.

      Sidnei

      Excluir
    3. Olá Sidnei, muito obrigado pela ajuda... Reconheço que esse debate com meu irmão está sendo bem difícil pra mim, pois são argumentos diferentes do que estou acostumado a debater com outros protestantes. Nunca debati com ele antes, mas nos últimos dias ele fez a primeira argumentação que postei aqui, e eu não pude deixar de defender nossa Mãe.
      Procurei este Apostolado pois confio muito em vocês. É com vocês que eu aprendi muita coisa e principalmente em ser a cada dia um Católico melhor. Espero um dia ser um excelente estudioso da nossa fé Católica como vocês...

      A princípio irmão Sidnei, eu usei seus argumentos e eis que ele respondeu assim:

      “Resposta: Ora, seguindo em uma linha lógica, desde sua concepção.”

      E isso é exatamente o ponto problemático, que desafia a lógica, veremos:

      ”Resposta: Faz sentido sim, levando em conta o seu livre arbítrio. JESUS também, como homem, poderia ter fugido de sua paixão e morte, tanto que quando orava no jardim das oliveiras, antes de ser preso, orou até suar sangue, e pediu ao PAI que livrasse daquele cálice, porém, quando que fizesse sobre tudo a vontade do PAI.”

      Não. A Bíblia afirma que Jesus foi crucificado “desde a fundação do mundo”. Mesmo antes de o universo existir, Jesus já havia decidido morrer pela humanidade que nem existia ainda! Como homem, ele sofreu toda a pressão de sua missão, orou ao Pai para que o livra-se, se Este fosse o Seu desejo. Foi uma situação totalmente diversa do de Maria, porque Jesus foi DEUS encarnado.

      “Tanto Maria quando JESUS homem, foram preparados desde a eternidade para suas missões, porém, ambos não foram tolhidos seu livre arbítrio, e ambos, mesmo sendo criados santos, poderiam dizer sim ou não ao plano divino da salvação.”

      ERRADÌSSIMO! Jesus, JAMAIS, poderia ter dito não para a sua missão, pois a morte e a ressurreição do Verbo encarnado já fazia parte do plano de criação. Jesus não foi ‘preparado”. Ele era Deus e andava com Deus e foi crucificado “desde a fundação do mundo”.

      . “Se tanto os anjos caídos quando Adão e Eva caíram por um ato consciente, no entanto, eles também foram criados santos por decisão divina, sem uma tomada de decisão consciente por parte deles, e assim também aconteceu com Maria e com JESUS como homem”

      Foram criados santos, mas sua permanência na santidade dependia de um ato consciente. No caso dos anjos caídos, a decisão de participar não participar da rebelião promovida por Lúcifer. No caso do casal do Éden o de comer ou não comer do fruto. O que você está propondo para Maria é algo muito, muito diferente disso. No seu ponto de vista, Maria foi criada isenta de natureza pecaminosa. Era uma pessoa restaurada por Cristo, ANTES de Cristo restaurar todas as coisas. Se Maria é assim, restaurada, então ela não pode “escolher” mais nada, pois tudo já estava determinado por Deus. Até o “cumpra-se em mim, a tua vontade”, já era algo determinado antes de o mundo ser criado. Se Cristo restaura alguém, esse alguém não pode nunca voltar atrás. Ela sempre, e sempre e eternamente vai dizer sim a Cristo. É um sim UNIVERSAL. Agora, se Maria se tornou santa, no momento em que ela disse “cumpra-se em mim a tua vontade”, ai sim, você está falando de um exercício de livre arbítrio.

      Não dá pra escolher livremente o que já foi determinado desde sempre. Não há como fazer alguém escolher livremente algo que já está decidido. Deus pode fazer tudo, mas coisas contraditórias como essas, não faz parte da lista de “tudo” o que Deus pode fazer. Eis o grande desafio de lógica, que você terá que lidar.

      — Não sei, mas acho que meu irmão é uma nova modalidade de protestante.
      Ele crê nos Santos e reconhece a veneração, isso é novo pra mim.

      Um abraço, Deus abençoe!

      Excluir
    4. “Não. A Bíblia afirma que Jesus foi crucificado “desde a fundação do mundo”. Mesmo antes de o universo existir, Jesus já havia decidido morrer pela humanidade que nem existia ainda! Como homem, ele sofreu toda a pressão de sua missão, orou ao Pai para que o livra-se, se Este fosse o Seu desejo. Foi uma situação totalmente diversa do de Maria, porque Jesus foi DEUS encarnado.”

      Resposta: Aqui entramos na pré ciência de DEUS, o qual DEUS tudo sabe o que irá acontecer no futuro, quem irá se salvar ou não, que JESUS como homem iria aceitar morrer na cruz ou não. Mesmo que JESUS foi DEUS encarnado, ELE não deixou de ser um ser humano como nós, tudo igual a nós menos no pecado. Assim ELE não deixou de ter medo da morte como nós, e até pediu ao PAI que afastasse disto. Isto é uma Verdade fundamentada nas Sagradas Escrituras, ou JESUS se encarnou como nós em tudo, menos no pecado, ou sua encarnação foi uma mera capa de ser humano que encobria sua divindade, quando sabemos, que JESUS, é inteiramente DEUS e homem.

      “ERRADÌSSIMO! Jesus, JAMAIS, poderia ter dito não para a sua missão, pois a morte e a ressurreição do Verbo encarnado já fazia parte do plano de criação. Jesus não foi ‘preparado”. Ele era Deus e andava com Deus e foi crucificado “desde a fundação do mundo”.

      Resposta: ERRADÍSSIMO!, JESUS foi preparado como homem sim, vide resposta anterior, ou ELE se encarnou de fato, participando até de nossos sofrimentos e ignorância, e até, de nosso livre arbítrio aponto de querer fugir de sua missão, ou eu volto a repetir, sua encarnação foi uma mera capa de ser humano que encobria sua divindade, quando sabemos, que JESUS, é inteiramente DEUS e homem.


      Sidnei

      Excluir
    5. “Foram criados santos, mas sua permanência na santidade dependia de um ato consciente. No caso dos anjos caídos, a decisão de participar não participar da rebelião promovida por Lúcifer. No caso do casal do Éden o de comer ou não comer do fruto. O que você está propondo para Maria é algo muito, muito diferente disso. No seu ponto de vista, Maria foi criada isenta de natureza pecaminosa. Era uma pessoa restaurada por Cristo, ANTES de Cristo restaurar todas as coisas. Se Maria é assim, restaurada, então ela não pode “escolher” mais nada, pois tudo já estava determinado por Deus. Até o “cumpra-se em mim, a tua vontade”, já era algo determinado antes de o mundo ser criado. Se Cristo restaura alguém, esse alguém não pode nunca voltar atrás. Ela sempre, e sempre e eternamente vai dizer sim a Cristo. É um sim UNIVERSAL. Agora, se Maria se tornou santa, no momento em que ela disse “cumpra-se em mim a tua vontade”, ai sim, você está falando de um exercício de livre arbítrio.”
      Resposta: DEUS na sua pré ciência sabe quem vai dizer sim ou não a ELE, assim quando criou Adão e Eva e os Anjos ELE sabia quem iria dizer sim ou não, assim com Maria também. DEUS aplicou os méritos da paixão de CRISTO antecipadamente em Maria, ELE sabia que ela iria dizer sim a sua missão, engrandecendo ainda mais a graça recebida desde sua concepção,veja, DEUS sabia, não que ELE determinou que isto acontecesse, aí caímos na crença da predestinação, em que DEUS predestinou Maria a ser santa desde sempre, que DEUS a fez Santa antes desde sua concepção assim como criou santos os Anjos e Adão e Eva, é diferente em dizer que ELE determinou que Maria fosse santa para sempre, pois DEUS não a tolheu em seu livre arbítrio, embora soubesse que ela iria dizer sim. Se o próprio sim de Maria já foi determinado por DEUS como se ela fosse um robô, uma marionete manipulada por DEUS para fazer o que ele quer, então Adão e Eva, os anjos caídos como a todos os pecadores que vão para o inferno são isentos de culpa, já que o que eles fizeram foi tudo pré-determinado por DEUS, então o culpado desta história toda, de todos o pecados que todos cometem, é o próprio DEUS, o que é ridículo alguém pensar e crer desta maneira.

      Sidnei

      Excluir
    6. “Não dá pra escolher livremente o que já foi determinado desde sempre. Não há como fazer alguém escolher livremente algo que já está decidido. Deus pode fazer tudo, mas coisas contraditórias como essas, não faz parte da lista de “tudo” o que Deus pode fazer. Eis o grande desafio de lógica, que você terá que lidar.”

      Resposta: DEUS determinou a criação dos Anjos e de Adão e Eva, santos, mesmo sabendo que eles iriam cair em pecado, pois lhes deu livre arbítrio. DEUS determinou então, enviar seu único filho, se fazendo homem como nós, menos no pecado, sem tolher seu livre arbítrio, e por DEUS enviar seu filho ao mundo, determinou que ELE nasceria de uma mulher, preparada por ELE, sendo que esta mulher também nasceria sem o pecado original, e também com livre arbítrio. A chave para entender isto é o “LIVRE ARBITRIU”, que DEUS não tolhe a ninguém, nem mesmo de seu filho encarnado como homem, pois JESUS sendo pessoa divina tendo duas naturezas a humana e a divina, sendo que sua natureza humana seria sempre submetida a sua natureza divina, ou seja, não que seu livre arbítrio estava tolhido, mas que por ser obediente ao pai e não estar sujeito ao pecado, como conseguência toda sua vontade, seu agir e pensar estava submetida a vontade do PAI, e de sua própria Natureza Divina. DEUS determinou em seu plano de salvação a tudo isto, não que alguns iriam dizer sim outro não, como se DEUS olhasse para um e diria, este vou salvar e para outro diz este não vou salvar. DEUS quer que todos se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade, e não somente alguns que ELE já predeterminou que iriam chegar a esta Verdade. E também os restaurados em CRISTO não podem perder a salvação, esta é outra doutrina protestante que diz que uma vez salvos, salvos para sempre, coisa que a Igreja Católica não crê, haja vista, que há diversas passagens das Escrituras que não corroboram com este pensamento. E por final uma ultima consideração, Maria não foi restaurada em CRISTO, ela nasceu restaurada, ela foi concebida de forma já restaurada, dizer que Maria foi restaurada em CRISTO, parece soar que ela em um determinado tempo tinha sido atingida pelo pecado, quando nós não cremos, nisto, cremos que em nenhum momento o pecado atingiu Maria, devido ao fato já exposto, é como evitar uma pessoa de se afogar, o qual há duas maneiras, ou se joga uma corda para ela sair da rio, ou evita-se que ela caia na água, e assim DEUS fez com Maria, que evitou que o pecado original a tingisse, e assim, não que ela tenha sido restaurada, mas que ela já foi criada de forma restaurada, em uma natureza tal como foram criados os Anjos e Adão e Eva. E mesmo assim, ela tendo sido criada desta forma, ela não foi tolhida o Livre Arbitrio, pois isto sempre o acompanhou, coo demonstra o seu sim na anunciação.

      Excluir
  5. Oi Sidnei, espero não estar amolando você e o Henrique com esse leva e traz!
    Pedi para que ele entrasse aqui para poder debater diretamente mas ele não quis...
    E mais uma vez, o argumento dele foi esse:

    “Resposta: Aqui entramos na pré ciência de DEUS, o qual DEUS tudo sabe o que irá acontecer no futuro, quem irá se salvar ou não, que JESUS como homem iria aceitar morrer na cruz ou não. Mesmo que JESUS foi DEUS encarnado, ELE não deixou de ser um ser humano como nós, tudo igual a nós menos no pecado. Assim ELE não deixou de ter medo da morte como nós, e até pediu ao PAI que afastasse disto. Isto é uma Verdade fundamentada nas Sagradas Escrituras, não é uma opinião minha, ou JESUS se encarnou como nós em tudo, menos no pecado, ou sua encarnação foi uma mera capa de ser humano que encobria sua divindade, quando sabemos, que JESUS, é inteiramente DEUS e homem.”

    Paulo diz que Jesus era Deus, mas “esvaziou-se” de seus atributos divinos, tornando-se semelhante ao homem. Mas repare que, esvaziando-se dos atributos divinos, ele não deixa de ser Deus, como registra o credo niceno e de Atanásio.

    “Resposta: ERRADÍSSIMO!, JESUS foi preparado como homem sim, vide resposta anterior, ou ELE se encarnou de fato, participando até de nossos sofrimentos e ignorância, e até, de nosso livre arbítrio aponto de querer fugir de sua missão, ou eu volto a repetir, sua encarnação foi uma mera capa de ser humano que encobria sua divindade, quando sabemos, que JESUS, é inteiramente DEUS e homem.”

    De acordo com Santo Agostinho, no seu livro De Libero Arbitrio (O Livre Arbítrio), liberdade e livre arbítrio são coisas diferentes, pois enquanto o livre arbítrio é a capacidade de escolher o Bem e o Mal, a liberdade se refere ao modo como usamos este livre arbítrio. Assim, você confunde a liberdade de Cristo, com o livre arbítrio: Jesus, como homem, tinha liberdade de ação, mas como Deus (lembre-se que Jesus é Deus) só pode fazer o que é bom. Uma coisa é dizer que Jesus, como homem, sentiu medo e que orou ao Pai para que o livra-se daquela hora, outra coisa é você dizer que Jesus poderia simplesmente usar o seu livre arbítrio para fugir de sua missão. Definitivamente, isto está totalmente na contramão da teologia cristã.

    “DEUS na sua pré ciência sabe quem vai dizer sim ou não a ELE”

    “DEUS aplicou os méritos da paixão de CRISTO antecipadamente em Maria.

    Deus Sabia que dentre as DUAS opções que a Virgem Maria poderia ter escolhido, ela escolheria dizer sim. Isso fez dela santa e justificada diante de Deus, agora se a Virgem Maria, estava, desde a sua concepção, salva por Cristo e restaurada por Ele, então não poderia dizer outra coisa, senão “sim” a Deus. O que você está dizendo é que Deus eliminou, antecipadamente, qualquer chance de ela dizer não. Neste caso, Maria seria predestinada a dizer sim.

    Para sustentar seu ponto de vista, você teria que provar que um ser humano, já salvo e restaurado por Cristo, poderia dizer não para Ele.

    “Maria não foi restaurada em CRISTO, ela nasceu restaurada, ela foi concebida de forma já restaurada, dizer que Maria foi restaurada em CRISTO, parece soar que ela em um determinado tempo tinha sido atingida pelo pecado, quando nós não cremos, nisto, cremos que em nenhum momento o pecado atingiu Maria.

    Ao mesmo tempo em que Deus aplica antecipadamente os efeitos da paixão de Cristo em Maria, ela não foi restaurada em Cristo. Ao mesmo tempo em que Maria não precisou ser restaurada, ela já nasceu restaurada. Se a teologia protestante esta errada com seu ensino sobre o “uma vez salvo, salvo para sempre”, a teologia católica sobre Maria é confusa e ilógica.

    — Espero que me desculpem por persistir, mas para esse nível de debate eu confesso, como já tinha dito que nunca tinha chegado nesse nivel.
    Mas pelos seus comentários Sidnei, e dos outros irmãos, já tenho aprendido muito.

    Deus abençoe!

    Ass: Católico Convicto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Paulo diz que Jesus era Deus, mas “esvaziou-se” de seus atributos divinos, tornando-se semelhante ao homem. Mas repare que, esvaziando-se dos atributos divinos, ele não deixa de ser Deus, como registra o credo niceno e de Atanásio.
      Resposta: Que JESUS era e é DEUS desde sempre e para sempre, isto ninguém nega, a não ser os arianos e seitas como os testemunhas de Jeová. A questão é JESUS homem sempre existiu?. É claro que não, JESUS como homem só foi existir no tempo e no espaço no seio de Maria, e como homem, ele foi tudo igual a nós, menos no pecado, participando até de nossa ignorância e de nosso livre arbítrio. E como homem, ele foi preparado para vir ao mundo, para morrer na cruz pelos nossos pecados, embora, nunca se tenha separado de sua divindade.
      De acordo com Santo Agostinho, no seu livro De Libero Arbitrio (O Livre Arbítrio), liberdade e livre arbítrio são coisas diferentes, pois enquanto o livre arbítrio é a capacidade de escolher o Bem e o Mal, a liberdade se refere ao modo como usamos este livre arbítrio. Assim, você confunde a liberdade de Cristo, com o livre arbítrio: Jesus, como homem, tinha liberdade de ação, mas como Deus (lembre-se que Jesus é Deus) só pode fazer o que é bom. Uma coisa é dizer que Jesus, como homem, sentiu medo e que orou ao Pai para que o livra-se daquela hora, outra coisa é você dizer que Jesus poderia simplesmente usar o seu livre arbítrio para fugir de sua missão. Definitivamente, isto está totalmente na contramão da teologia cristã.
      Resposta: Então com tudo sito, se tolhe a o livre arbítrio de CRISTO, quanto homem. ELE como homem, não poderia ter escolha alguma, haja vista, que já que era DEUS e homem, ELE não poderia ter escolha alguma, a não ser apenas o que o PAI determinou que fizesse. Me desculpe, não concordo plenamente, com isto, pois se JESUS como homem se encarnou de fato, ELE se encarnou com todos os predicados humanos, e isto inclui o livre arbítrio. Como havia informado em uma resposta anterior, JESUS é pessoa divina, tendo duas naturezas: humana e divina, sendo a natureza humana submetida a sua natureza divina, isto não quer dizer que sua natureza humana estava anulada, sua liberdade tolhida, mas que tendo duas naturezas sendo que a humana estava submetida a divina, ELE não faria outra coisa a não ser estar submetido a vontade do PAI.

      Sidnei

      Excluir
    2. Para sustentar seu ponto de vista, você teria que provar que um ser humano, já salvo e restaurado por Cristo, poderia dizer não para Ele.

      Resposta: aqui entra o que havia comentado anteriormente, que entre os protestantes há aqueles que creem que uma vez salvo, salvo para sempre, esta seria uma outra discussão que não vou prolongar aqui, mas segundo o que nós católicos cremos, enquanto vivemos neste mundo, qualquer um que foi salvo por CRISTO, pode voltar atrás e dizer não, somente no céu é que quem estiver lá nunca mais poderá voltar atrás haja vista que estarão tão inundados da presença divina, que será impossível alguém dizer não a DEUS, mas enquanto todos que estiverem neste mundo, todos estarão sujeitos a estarem em pé ou tropeçarem e caírem.

      Ao mesmo tempo em que Deus aplica antecipadamente os efeitos da paixão de Cristo em Maria, ela não foi restaurada em Cristo. Ao mesmo tempo em que Maria não precisou ser restaurada, ela já nasceu restaurada. Se a teologia protestante esta errada com seu ensino sobre o “uma vez salvo, salvo para sempre”, a teologia católica sobre Maria é confusa e ilógica.

      Resposta: a teologia católica sobre Maria não é confusa e nem ilógica, não se lembra do exemplo que passei que para evitar que alguém morra afogado em um rio há duas maneiras de salvar esta pessoa, ou jogando uma corda quando a pessoa já caiu no rio, ou, evitando que ela caia no rio. Um exemplo simples, para dizer, que antes que o pecado tocasse Maria, pelos méritos da paixão do SENHOR, aplicados antecipadamente nela, deste antes de sua concepção, o pecado não atingisse ela. Um exemplo tão simples assim, não tem como dizer que a teologia católica sobre Maria é confusa e ilógica, somente aqueles que não tem um pouco de atenção ou não querem se esforçar para entender e que ficam dando murro em ponta de faca.

      — Espero que me desculpem por persistir, mas para esse nível de debate eu confesso, como já tinha dito que nunca tinha chegado nesse nivel.
      Mas pelos seus comentários Sidnei, e dos outros irmãos, já tenho aprendido muito.

      Resposta: Católico convicto, não adiante levar e trazer estes debates para teu irmão, ele não vai querer convencer nunca, então deixa isto para lá. Continue a se instruir na fé católica, se tiver alguma dúvida nós iremos atrás da resposta para te dar, mas ficar vindo aqui, trazendo estes debates de pessoas que não querem se convencer a respeito da fé católica é perda de tempo, deixa teu irmão em paz na fé dele, e nós seguiremos com a nossa.

      Sidnei

      Excluir
  6. Obrigado Sidnei, realmente você tem razao... Como a própria Biblia nos mostra, que não devemos discutir com os insensatos...
    Gostaria de fazer um pedido ao Henrique ao Henrique, se por acaso poderia produzir um artigo detalhado sobre esses assuntos.
    Agradeço imensamente a atenção de todos, que Deus e Nossa Senhora abençoe este Apostolado e a cada um de vocês.

    Ass: Católico Convicto.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail