Íntegra do pronunciamento de Dom Viganò sobre a crise na Igreja, as heresias do Vaticano II e a 'igreja paralela'

DISPONIBILIZAMOS ABAIXO o conteúdo integral da arrasadora conferência dada por Dom Antônio Carlo Maria Viganò, Arcebispo e ex-Núncio Apostólico dos EUA (em 29 de outubro de 2020), na qual ele trata de modo dramático sobre a grande crise atual na Igreja e a terrível "máfia eclesiástica" que nos assola, denunciando a proliferação das heresias promovidas pelo Vaticano II, as profanações de toda sorte cometidas pelos próprios clérigos, os erros gritantes do Papa Francisco (que segundo ele teria sido eleito por influência da maçonaria) e a apostasia generalizada (postamos aqui o vídeo desta mesma conferência). Segue abaixo a íntegra desse pronunciamento histórico, com tradução de Henrique Sebastião [baixar este conteúdo na íntegra em PDF]:




O tema desta palestra é: como o Vaticano II serve à Nova Ordem Mundial.

1. VIVEMOS EM TEMPOS EXTRAORDINÁRIOS


Cada um de nós, sem dúvida, já entendeu que nos encontramos em um momento histórico; eventos passados, ​​que antes não pareciam estar relacionados entre si, agora mostram-se inequivocamente relacionados, tanto pelos princípios que os inspiram quanto pelos objetivos aos quais aspiram. Um olhar justo e objetivo sobre a situação atual não pode deixar de demonstrar a perfeita coerência que há entre a evolução da estrutura política global e a missão que a Igreja tem assumido na implementação da Nova Ordem Mundial.


Para ser mais preciso, seria necessário falar da missão que essa aparente maioria na Igreja desempenha, mas na verdade trata-se de um grupo numericamente pequeno, porém extremamente poderoso ao qual, por uma questão de brevidade, chamarei "deep church" ('igreja oculta' ou 'subterrânea', em tradução livre).


Claro que não existem realmente "duas igrejas", o que seria impossível, blasfemo e herético. E nem a única e verdadeira Igreja de Cristo falhou em sua missão, pervertendo-se ao extremo de se tornar uma seita. A Igreja de Cristo realmente nada tem a ver com aqueles que há sessenta anos realizam um plano para assumi-la. A sobreposição entre a hierarquia católica e os membros da "deep church" não é um fato teológico, mas uma realidade histórica que escapa a qualquer classificação e que, como tal, é necessário analisar.


Sabemos que o programa da Nova Ordem Mundial consiste em implantar uma tirania por meios maçônicos. Esse plano remonta à Revolução Francesa, à Idade do Iluminismo, ao fim das monarquias católicas e à declaração de guerra à Igreja. Podemos afirmar que a Nova Ordem Mundial é a antítese da sociedade cristã.  Seria o estabelecimento da Civitas Diaboli – a cidade do Diabo – frente à Civitas Dei  – a cidade de Deus – na luta eterna entre a Luz e as trevas, o Bem e o mal, Deus e Satanás.


Nesse confronto, a Providência colocou a Igreja de Cristo, e em particular o Sumo Pontífice, como Katejón, isto é, aquele que se opõe à manifestação do mistério da iniquidade (2Ts 2,6s). A Sagrada Escritura também nos adverte que, quando o Anticristo aparecer, esse obstáculo, o katejón, deixará de existir. Parece-me bastante evidente que o fim dos tempos está próximo, bem diante dos nossos olhos, e é óbvio, porque o mistério da iniquidade se espalhou pelo mundo com o desaparecimento da corajosa oposição do katejón.

Não cometamos o grave erro de considerar o que está acontecendo na atualidade como normal, julgando a tudo com os parâmetros sociológicos ou canônicos que uma situação normal poderia pressupor. Nestes tempos extraordinários em que vivemos – e a crise pela qual a Igreja está passando é certamente extraordinária – temos acontecimentos que vão muito além do normal que nossos pais conheceram. Em tempos extraordinários, podemos ouvir como um Pontífice engana os fiéis; ver príncipes da Igreja acusados ​​de crimes os quais, em outros tempos, teriam causado horror e os levariam a sofrer severas punições; testemunhamos ritos litúrgicos realizados em nossos templos que parecem ter sido inventados pela mente perversa de um Thomas Cranmer [arcebispo inglês herege responsável por diversas deturpações litúrgicas no século XVI]; vemos como os prelados levam em procissão o imundo ídolo da Pachamama até a Basílica de San Pedro; e ouvimos o Vigário de Cristo pedir desculpas àqueles que adoravam tal ídolo, porque um católico ousou jogá-lo no rio Tibre.

Nestes tempos extraordinários, ouvimos um conspirador – Cardeal Godfried Danneels – a nos dizer que desde a morte de João Paulo II, a Máfia de St. Gallen conspirou para eleger um dos seus para a Cátedra de São Pedro, e isso se concretizou na pessoa de Jorge Mario Bergoglio. Diante de revelações tão desconcertantes, ficamos surpresos que nenhum cardeal ou bispo tenha expressado indignação ou pedido que a verdade seja trazida à luz.



2. ECLIPSE DA VERDADEIRA IGREJA


Há sessenta anos testemunhamos como a verdadeira Igreja é eclipsada por uma anti-Igreja que, pouco a pouco, usurpou o seu nome e ocupou a Cúria Romana e os SEUS dicastérios, bem como dioceses, paróquias, seminários, universidades, conventos e mosteiros. A anti-Igreja usurpou a autoridade da Igreja de Roma, e seus ministros vestiram os seus sagrados paramentos; esta usou o prestígio e o poder da Igreja para se apropriar de seus tesouros, suas contas, suas finanças.


Assim como acontece na natureza, esse eclipse não aconteceu repentinamente; o mundo vai lentamente da luz à escuridão quando um corpo celestial fica entre o sol e nós. É um processo relativamente lento, mas inexorável, no qual a lua anti-Igreja continua sua órbita até se sobrepor ao sol, criando um cone de sombra projetado na Terra. Estamos atualmente naquele cone de sombra doutrinal, moral, litúrgica e disciplinar.  Ainda não é o eclipse total, que veremos no final dos tempos durante o reinado do Anticristo. É um eclipse parcial, que nos permite ver ainda a coroa luminosa do Sol em torno do disco negro da lua.


O processo que levou ao atual eclipse da Igreja, sem dúvida, começou com o modernismo.  A anti-igreja continuou a sua órbita apesar das condenações solenes do Magistério, que naquela fase brilhou com o esplendor da Verdade. Mas, com o Concílio Vaticano II, as trevas daquela falsa entidade desceram sobre a Igreja. De início, apenas uma pequena parte foi escurecida, mas aos poucos a escuridão foi aumentando. E nessa fase inicial, se alguém apontasse para o Sol, denunciando que a treva em breve o esconderia, era acusado de ser um "profeta da desgraça", com os modos de fanatismo e intolerância que nascem da ignorância e do preconceito. Este foi o caso do Arcebispo Marcel Lefebvre e de alguns outros prelados, cuja perseguição confirma, por um lado, a visão daqueles pastores, e por outro, a reação desordenada de seus adversários, os quais, por medo de perder o poder, usaram de toda a sua autoridade para negar as provas contra si e ocultar suas verdadeiras intenções.


Continuemos com a analogia: podemos afirmar que, no firmamento da Fé, um eclipse é um fenômeno extraordinário e raro. Mas negar que durante o eclipse a escuridão se expande, só porque em circunstâncias normais tal coisa não acontece, isso não é um sinal de fé na indefectibilidade da Igreja, mas sim uma negação obstinada da evidência, se não de má fé. De acordo com as promessas de Cristo, a Santa Igreja nunca será derrotada pelas portas do Inferno; mas isso não significa que não ficará – nem que já não esteja – escondida pela falsificação infernal: por aquela "lua" que, não por acaso, vemos pisoteada pela Mulher do Apocalipse: «Um grande sinal apareceu no céu: a mulher vestida de sol e com a lua sob seus pés, e na cabeça uma coroa de doze estrelas »(Ap 12,1).


A lua está sob os pés da Mulher que está acima de toda mutabilidade, toda corrupção terrena, toda lei do destino e do reino do espírito deste mundo. Isto porque esta Mulher, que é ao mesmo tempo imagem de Maria Santíssima e da Igreja, é Amicta sole, revestida do Sol da Justiça, que é Cristo, e portanto é "livre de todo poder demoníaco, enquanto participa do Mistério da imutabilidade de Cristo" (Santo Ambrósio). Ela (Igreja) permanece ilesa, se não em seu reino militante, certamente nas dores do Purgatório e no triunfante do Paraíso.

Comentando as Escrituras, São Jerônimo nos lembra que "as portas do Inferno são pecados e vícios, e em particular os ensinamentos dos hereges". Sabemos, portanto, que mesmo a síntese de todas as heresias, que é o modernismo e sua versão atualizada pelo Concílio, jamais poderá obscurecer o esplendor da Esposa de Cristo, a não ser apenas pelo breve espaço de tempo que a Providência permitir, em sua infinita Sabedoria, par tirar dela o máximo proveito.



3. ABANDONO DA DIMENSÃO ESPIRITUAL


Nesta conferência, gostaria de falar em particular sobre a relação entre a revolução do Vaticano II e o estabelecimento da Nova Ordem Mundial. O elemento central desta análise consiste em evidenciar o abandono pela hierarquia eclesiástica, mesmo nos seus níveis mais altos, da dimensão sobrenatural da Igreja e da sua missão escatológica. Por meio do Concílio, os inovadores apagaram a origem divina da Igreja de seu horizonte teológico, para criar uma entidade de origem humana semelhante a uma organização filantrópica. A primeira consequência dessa subversão ontológica foi a negação inevitável da verdade de que a Noiva de Cristo não está e não pode estar sujeita à mudança por aqueles que exercem autoridade vicariamente em nome do Senhor. Tampouco é propriedade do Papa ou dos bispos e teólogos e, consequentemente, qualquer tentativa de aggiornamento a rebaixa ao nível de uma empresa que renova sua oferta comercial para obter lucros, vende suas sobras e segue a moda do momento. Ao contrário, a Igreja é uma realidade divina e sobrenatural; ela adapta sua maneira de pregar o Evangelho às nações, mas nunca pode alterar o conteúdo de um único iota [de sua doutrina] (Mt 5,18) ou negar seu impulso transcendente, rebaixando-se a um mero serviço social.

Por outro lado, a anti-Igreja orgulhosamente reivindica o direito de realizar uma mudança de paradigma, mudando não apenas a forma de expor a doutrina, mas também a própria doutrina.  Massimo Faggioli confirma isso em seus comentários à nova encíclica Fratelli tutti:


«O pontificado de Francisco é como uma bandeira erguida perante os fundamentalistas católicos e aqueles que igualam continuidade material e tradição; A doutrina católica não está apenas se desenvolvendo. Às vezes muda muito. Por exemplo, em relação à pena de morte e guerra.»[2]


É inútil insistir no que ensina o Magistério. A afirmação flagrante dos inovadores de que eles têm o direito de alterar a fé teimosamente se encaixa na abordagem modernista.


O primeiro erro do Conselho consiste, sobretudo, na falta de uma perspectiva transcendente – fruto de uma crise espiritual já latente – e na tentativa de criar um paraíso na Terra com um horizonte humano estéril. Alinhado a essa perspectiva, a Fratelli tutti contempla a realização na Terra de uma utopia terrena e uma redenção social na fraternidade humana, uma paz ecumênica entre as religiões e o acolhimento dos imigrantes.



4. COMPLEXO DE INFERIORIDADE E SENSAÇÃO DE INSUFICIÊNCIA


Como já escrevi em outras ocasiões, as demandas revolucionárias da Nouvelle theologie encontraram terreno fértil nos Padres do Concílio devido a um sério complexo de inferioridade perante o mundo. Houve um tempo durante a Segunda Guerra Mundial em que a revolução liderada pela Maçonaria nas esferas civil, política e cultural penetrou na elite católica e a convenceu de que ela não estava em condições de enfrentar o desafio de proporções históricas que não podia mais evitar. Em vez de questionar a si mesmos e sua fé, esta elite – bispos, teólogos e intelectuais – imprudentemente reivindicou a responsabilidade pelo fracasso iminente da Igreja em aderir à sua sólida estrutura hierárquica e ensino doutrinário e moral monolítico. Observando a ruína da civilização europeia que a Igreja ajudara a formar, a elite pensava que a falta de entendimento com o mundo se devia à intransigência dos papas e à rigidez moral dos padres que não queriam se entender no espírito do tempo e se abrir para o mundo. Essa posição ideológica parte do conceito errôneo de que se pode estabelecer uma aliança entre a Igreja e o mundo contemporâneo, uma concordância de intenções, uma amizade mútua. Nada poderia estar mais longe da verdade, pois não pode haver trégua na luta entre Deus e Satanás, entre a Luz e as trevas. «Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua linhagem e a linhagem dela: ele esmagará a tua cabeça e tu lhe esmagarás o calcanhar» (Gn 3,15).

Trata-se de uma inimizade desejada pelo próprio Deus, que coloca Maria Santíssima e a Igreja como eternos inimigos da antiga Serpente. O mundo tem o seu próprio Príncipe (Jo 12,31), que é o "inimigo" (Mt 13,28), o "assassino desde o princípio" (Jo 8,44) e o "mentiroso" (Jo 8, 44). Tentar fazer um pacto de paz com o mundo significa concordar com Satanás. Desse modo, fica transtornada e pervertida a própria essência da Igreja, cuja missão é converter o maior número possível de almas a Cristo para a maior glória de Deus, sem nem por um momento abandonar as armas empunhadas contra aqueles que desejam atraí-las para si e para condenação.


O complexo de inferioridade da Igreja e seu senso de fracasso perante o mundo criaram uma tempestade perfeita para que a Revolução se enraizasse nos Padres do Concílio e, por extensão, no povo cristão, em quem a obediência à Hierarquia talvez tivesse sido cultivada ainda mais do que a fidelidade ao Depósito da Fé. Serei claro: a obediência aos nossos sagrados pastores é certamente louvável quando nos enviam algo legítimo. Mas a obediência deixa de ser uma virtude e passa a ser servilismo quando se torna um fim em si mesma, e quando contradiz o fim para o qual foi ordenada, que é a Fé e a Moral. Devemos acrescentar que esse sentimento de inferioridade foi introduzido no Corpo da Igreja com grandes demonstrações de teatralidade, como a deposição da tiara por Paulo VI.

O golpe de misericórdia dessa atitude foi codificado na reforma litúrgica,  que manifesta sua vergonha do dogma católico silenciando-o, negando-o indiretamente. A mudança de rito engendrou uma mudança de doutrina que levou os fiéis a crer que a Missa nada mais é do que um banquete fraterno e que a Santíssima Eucaristia nada mais é do que um símbolo da Presença de Cristo entre nós.



5. «IDEM SENTIRE» DE REVOLUÇÃO E CONSELHO


O trabalho dos noviços, cujas ideias heréticas coincidiam com as do mundo, nada mais fazia do que aumentar o sentimento de incapacidade dos padres conciliares. Uma análise comparativa do pensamento moderno corrobora o idem sentire,  a identidade de opinião ou mentalidade dos conspiradores com cada um dos elementos da ideologia revolucionária:


• A aceitação do princípio democrático como legitimação da origem do poder em substituição do direito divino da Monarquia católica (Papado incluído).


• Criação e acumulação de órgãos de poder em  vez de responsabilidade pessoal e uma hierarquia institucional.


• O passado é apagado e avaliado de acordo com os parâmetros atuais que não defendem a Tradição e o legado cultural.


• A ênfase é colocada na liberdade individual e o sentido de responsabilidade e dever é enfraquecido.


• A evolução constante da moral e da ética, desprovidos de natureza imutável e de qualquer natureza transcendente.


• Suposto caráter laico do Estado em  lugar da devida submissão da ordem civil à realeza de Jesus Cristo e da superioridade ontológica da missão da Igreja sobre a esfera do temporal.


• Igualdade das religiões, e não só perante o Estado, mas também como conceito geral ao qual a Igreja deve se conformar, contra a defesa objetiva e necessária da Verdade e da condenação do erro.


• Conceito falso e blasfemo da dignidade do homem como algo que lhe é inato,  baseado na negação do Pecado original e na necessidade da Redenção como premissa para agradar a Deus, tornar-se digno de sua Graça e alcançar a bem-aventurança eterna.


• Minar o papel da mulher e desprezar o privilégio da maternidade.


• Prioridade da matéria sobre o espírito.


• Culto fideísta da ciência[3] em reação a uma crítica implacável da Religião baseada em falsas premissas científicas.


Todos esses princípios, propagados por ideólogos maçônicos e apoiadores da Nova Ordem Mundial, coincidem com as ideias revolucionárias do Concílio:


• A democratização da Igreja, iniciada com a Lumen gentium e realizada hoje na via sinodal bergogliana.


• A criação e acumulação de órgãos de poder  foi realizada pela delegação de capacidades de tomada de decisão às conferências episcopais, sínodos de bispos, comissões, conselhos pastorais, etc.


• O passado e as gloriosas tradições da Igreja são julgados de acordo com a mentalidade presente e condenados a perder o favor do mundo moderno.


• A liberdade dos filhos de Deus teorizada pelo Concílio Vaticano II  foi estabelecida independentemente dos deveres morais individuais das pessoas que, com base nos contos de fadas conciliares, são todas salvas independentemente de suas disposições interiores e do estado de sua alma.


• O obscurecimento de qualquer referência moral perene tem resultado na alteração da doutrina sobre a pena de morte; e, com Amoris laetitia, que os Sacramentos sejam administrados a adúlteros notórios, causando a destruição do edifício sacramental.


• A adoção do secularismo levou ao desaparecimento da religião oficial do Estado nos países católicos promovido pela Santa Sé e pelo Episcopado, por sua vez, levou à perda da identidade religiosa e ao reconhecimento dos direitos das seitas, bem como à aprovação de regulamentos que violam o direito natural e divino.


• A liberdade religiosa proposta na Dignitatis Humanae  tem consequências lógicas e extremas na Declaração de Abu Dhabi  e na última encíclica, Fratelli tutti, com a qual a missão salvífica da Igreja e da Encarnação deixa de fazer sentido hoje.


• As teorias da dignidade humana  na esfera católica têm confundido o trabalho dos leigos em relação ao trabalho ministerial do clero e um enfraquecimento da estrutura hierárquica da Igreja, e a ideologia feminista é abraçada, abrindo caminho para que as mulheres recebem ordens sagradas.


• A preocupação desordenada com as necessidades temporais dos pobres,  muito típica da esquerda, transformou a Igreja em uma espécie de instituição caritativa, limitando sua atividade ao meramente material, a ponto de abandonar o aspecto espiritual.


• A submissão à ciência atual e aos avanços tecnológicos  resultou na rejeição da Igreja à rainha das ciências (Fé), "desmitologizando" milagres, negando a inerrância das Sagradas Escrituras, entendendo os mistérios mais sagrados de nossa Fé como mitos  ou metáforas,  sacrilegamente implicando que a Transubstanciação e a Ressurreição são conceitos mágicos  que não devem ser tomados literalmente, mas simbolicamente, e qualificando os dogmas marianos sublimes como um absurdo.


Há um aspecto quase grotesco desse rebaixamento e deterioração da Hierarquia que parece se adequar ao pensamento geral. O desejo da Hierarquia de agradar aos seus perseguidores e servir aos seus inimigos é sempre tardio e descoordenado, dando a impressão de que os bispos estão desesperadamente desatualizados, que certamente não estão à altura dos tempos. Fazem com que aqueles que os veem jogando com tanto entusiasmo com a própria extinção acreditem que tal exibição de lisonjeira submissão ao "politicamente correto" não vem tanto de uma persuasão ideológica sincera, mas do medo de ser varrido, de perder autoridade e prestígio, apesar de lamentar que o mundo continue a dá-los. Eles não querem perceber – ou não querem reconhecê-lo – que o prestígio e a autoridade de que são guardiões vêm da autoridade e do prestígio da Igreja de Cristo, não do substituto miserável e lamentável que eles próprios inventaram.


Quando essa anti-Igreja estiver totalmente implantada no eclipse total da Igreja Católica, a autoridade da Hierarquia dependerá de seu grau de submissão à Nova Ordem Mundial, que não tolerará o menor desvio de seu próprio credo e aplicará aquele dogmatismo, fanatismo e fundamentalismo que muitos prelados e pretensos intelectuais criticam naqueles que hoje permanecem fiéis ao Magistério. Dessa forma, a "deep church" poderá continuar a carregar a marca de Igreja Católica,  mas será escrava do pensamento da Nova Ordem, o que lembra aqueles judeus que, após negarem o reinado de Cristo perante Pilatos, foram submetidos à servidão pelas autoridades civis de seu tempo: "Não temos outro rei senão César"(Jo 19,15). O atual "César" manda fechar os templos, colocar uma máscara e suspender as celebrações sob o pretexto de uma pseudo-pandemia. O regime comunista persegue os católicos chineses, e o mundo vê que Roma nada diz. Amanhã, um novo Tito saqueará o templo do Conselho, levará o saque a algum museu, e a vingança divina nas mãos dos pagãos terá se cumprido mais uma vez.



6. PAPEL INSTRUMENTAL DOS CATÓLICOS MODERADOS NA REVOLUÇÃO


Alguns dirão que os padres conciliares e os papas que presidiram aquela assembleia não perceberam as repercussões que sua aprovação do Concílio teria na Igreja. Se assim for – por exemplo, se houve algum arrependimento por aprovar apressadamente textos heréticos ou quase heréticos – é difícil compreender como é que eles não foram capazes de refrear imediatamente os abusos, corrigir os erros e esclarecer os mal-entendidos e omissões. Mas, acima de tudo, é incompreensível que as autoridades eclesiásticas pudessem ser tão implacáveis ​​com aqueles que defendiam a Verdade católica, e ao mesmo tempo contemporizar de forma tão atroz com rebeldes e hereges. Seja como for, a responsabilidade pela crise conciliar deve ser atribuída às autoridades que, mesmo diante de milhares de chamados à colegialidade e ao pastoreio dos fiéis, zelosamente guardaram suas prerrogativas de exercê-las em uma única direção, isto é, contra a o pequeno rebanho (pusilla grex), e nunca contra os inimigos de Deus e da Igreja.

Com raríssimas exceções, quando algum teólogo herético ou um revolucionário religioso é censurado pelo Santo Ofício, isso nada mais faz do que confirmar uma regra que está em vigor há décadas. Sem falar que ultimamente muitos foram reabilitados, e isso sem nenhuma abjuração dos seus erros, e até foram promovidos a ocupar cargos institucionais na Cúria Romana ou nos ateneus pontifícios.


Essa é a realidade, como fica claro em minha análise. Agora, sabemos que além da ala progressista do Concílio de um lado, e da ala tradicional católica de outro, há uma parte do episcopado, o clero e o povo, que procuram manter uma distância equivalente do que consideram esses dois extremos. Refiro-me aos chamados "conservadores",  ou seja, ao setor centrista do corpo do corpo eclesial que acaba levando água aos revolucionários, porque, embora rejeite os seus excessos, compartilha com eles dos mesmos princípios.

O erro dos conservadores não está em conferir ao tradicionalismo uma conotação negativa, e de colocá-lo ao lado do progressismo. Não consiste em colocar-se arbitrariamente entre dois vícios, mas entre a virtude e o vício. São eles que criticam os excessos da Pachamama ou as declarações mais radicais de Bergoglio, mas ao mesmo tempo não toleram que o Concílio seja questionado, muito menos a ligação intrínseca entre o câncer conciliar e a metástase atual. A correlação entre conservadorismo político e religioso  consiste em estar no centro, uma síntese entre a tese da direita e a antítese da esquerda, segundo a abordagem hegeliana tão cara aos moderados partidários do Concílio.


No campo civil, o estado profundo  dirigiu a dissidência política e social por meio de organizações e movimentos que aparentemente são sua oposição, mas na realidade servem para manter o poder. Da mesma forma, no campo eclesiástico, a igreja profunda usa conservadores moderados para fingir que oferece liberdade aos fiéis.  Por exemplo, o mesmo motu proprio "Summorum Pontificum",  embora permita a celebração do rito extraordinário, requer pelo menos implicitamente (saltem simpliciter) que o Concílio seja aceito, e que a legitimidade da reforma litúrgica reconhecida. Esse estratagema impede que aqueles que se beneficiam por si mesmos se oponham ao erro, o mínimo que seja, porque se o fizessem correriam o risco de dissolução das comunidades Ecclesia Dei. Assim, infiltra-se no povo cristão a perigosa ideia de que, para que algo bom seja legítimo na Igreja e na sociedade, deve vir acompanhado de algo mau ou menos bom.

Mas alguém teria que estar muito enganado para fingir que direitos iguais são concedidos ao bem e ao mal. Pouco importa que alguém seja pessoalmente favorável ao bem, se reconhecer a legitimidade daqueles que são a favor do mal. Nesse sentido, a liberdade de escolha do aborto, teorizada pelos políticos democratas, encontra o seu contrapeso na não menos aberrante liberdade religiosa teorizado pelo Concílio, e que hoje defende obstinadamente a anti-Igreja. Se um católico não tem permissão para apoiar um político que defende o direito ao aborto, menos é permitido aprovar um prelado que defende a liberdade pessoal de colocar em perigo sua alma imortal, ao escolher permanecer em pecado mortal. Isso não é misericórdia, mas uma grave negligência das funções espirituais diante de Deus, para ganhar o favor e a aprovação do homem.



7. SOCIEDADE ABERTA E RELIGIÃO ABERTA


A presente análise não seria muito completa se não falasse da nova língua tão popular na esfera eclesial. O vocabulário católico tradicional foi deliberadamente modificado com o objetivo de alterar o conteúdo que expressa. O mesmo aconteceu com a liturgia e a pregação, em que a clareza da expressão católica foi substituída pela ambiguidade ou pela negação implícita das verdades dogmáticas. Mil exemplos podem ser dados. Este fenômeno remonta ao Concílio, que tentou criar versões católicas de slogans mundanos. No entanto, gostaria de enfatizar que essas expressões emprestadas de vocabulários secularistas também fazem parte da novilíngua. Pensemos na insistência de Bergoglio na Igreja partidária ou na abertura ao mundo como um valor positivo. Além disso, coloquei algumas citações da Fratelli tutti:


“Um povo vivo, dinâmico e com futuro é aquele que está permanentemente aberto a novas sínteses, incorporando o diferente” (n.º 160).


«A Igreja é uma casa de portas abertas» (n. 276).


«Queremos ser uma Igreja que serve, que sai de casa, que sai dos seus templos, que sai das suas sacristias, para acompanhar a vida, sustentar a esperança, ser um sinal de unidade […] construir pontes, romper paredes, semear reconciliação » (Ibid.).


A semelhança com a "sociedade aberta" adotada pela ideologia mundial de Soros se destaca a tal ponto que quase constitui uma religião aberta como um contraponto a ela.


E essa religião aberta está totalmente em sintonia com as intenções do globalismo. Dos comícios políticos por um novo humanismo abençoado pelas autoridades da Igreja à participação da intelectualidade na propaganda verde, tudo segue o pensamento dominante em um grotesco e lamentável agrado ao mundo.

«Procuro o favor dos homens ou de Deus? Ou estou tentando agradar aos homens? Se ainda tentasse agradar aos homens, não seria servo de Cristo” (Gl 1,10).


A Igreja Católica vive sob o olhar de Deus; existe para sua Glória e para a salvação de almas. E a anti-Igreja vive sob o olhar do mundo, promovendo a blasfema apoteose do homem e a condenação das almas. Durante a última sessão do Concílio Vaticano II e na presença de todos os padres sinodais, estas palavras inusitadas de Paulo VI ressoaram na Basílica do Vaticano:


«A religião de Deus que se fez homem encontrou a religião - porque tal é - do homem que se faz Deus. Tem acontecido? Um choque, uma luta, uma condenação? Poderia ter acontecido, mas não aconteceu. A antiga história do Samaritano tem sido o fio condutor da espiritualidade do Concílio. Uma imensa simpatia permeou tudo. A descoberta das necessidades humanas - e tanto maiores quanto mais velha fica a criança da Terra - chamou a atenção de nosso sínodo. Vocês, humanistas modernos, que renunciam à transcendência das coisas supremas, atribuam-lhe até este mérito e reconhecem o nosso novo humanismo: também nós - e mais do que ninguém - somos promotores do homem ». [ 4]


Essa simpatia – no sentido etimológico de συμπάϑεια [sympatheia], isto é, de participação num sentimento alheio, é a imagem do Concílio e da nova religião – por ser religião da anti-Igreja. Uma anti-Igreja nascida da união imunda entre a Igreja e o mundo, entre a Jerusalém celestial e a infernal Babilônia. Vejamos bem: a primeira vez que um pontífice voltou a falar "humanismo" foi no encerramento do Concílio e, hoje, o encontramos como um mantra repetido por todos os que o consideram uma expressão perfeita e coerente da mentalidade revolucionária do Concílio[5 ]


Sem perder de vista essa comunhão de intenções entre a Nova Ordem Mundial e a anti-Igreja, devemos ter em mente que o Pacto Global pela Educação, programa elaborado por Bergoglio com o objetivo de "gerar uma mudança em escala planetária para que a educação crie fraternidade, paz e justiça, uma necessidade ainda mais urgente nestes tempos marcados pela pandemia"[6]. Promovido em colaboração com as Nações Unidas, este "processo de formação na relação e na cultura do encontro encontra  também espaço e valor na casa comum de todas as criaturas, desde as pessoas, visto que se formam na lógica de comunhão e solidariedade, trabalham já com vista a recuperar uma serena harmonia com a criação"[7]

Como se vê, toda referência ideológica é sempre ao Concílio, porque justamente a partir desse momento a anti-Igreja colocou o homem no lugar de Deus, a criatura no lugar do Criador.


É evidente que o novo humanismo tem uma estrutura ambientalista e ecológica na qual se enxertam tanto a encíclica Laudato sii quanto a teologia verde, a Igreja com uma face amazônica do Sínodo dos Bispos de 2019, com sua adoração idólatra da Pachamama (Mãe-Terra ) na presença do "sinédrio romano". A atitude da Igreja durante a cobiçada pandemia de covid-19 mostrou, por um lado, a submissão da Hierarquia aos ditames do Estado, violando assim a libertas Ecclesiae. que o Papa deveria ter defendido fortemente. Também revelou a negação de qualquer significado sobrenatural da pandemia, substituindo a justa cólera de Deus, ofendido pelos inúmeros pecados da humanidade e das nações, pela fúria mais perturbadora e destrutiva da Natureza, ofendida pela falta de respeito pelos meio Ambiente...

Gostaria de enfatizar que atribuir uma identidade pessoal à natureza, praticamente dotando-a de intelecto e vontade, é o prelúdio da sua divinização. Já vimos um prelúdio sacrílego a isso sob a própria cúpula da Basílica de São Pedro.


O ponto principal é este: conforme a anti-Igreja se acomoda à ideologia dominante do mundo hoje, ela se envolve em cooperação genuína com representantes poderosos do estado profundo,  começando com aqueles que preparam uma economia sustentável, como Jorge Mario Bergoglio, Bill Gates, Jeffrey Sachs, John Elkann e Gunter Pauli[8].


É importante lembrar que a economia sustentável tem repercussões na agricultura e no mundo do trabalho em geral. O deep state deve obter mão-de-obra de baixo custo por meio da imigração, o que contribui ao mesmo tempo para o desaparecimento da identidade religiosa, cultural e linguística dos países afetados. Por sua vez, a deep church  fornece uma base ideológica e pseudo-teológica para este plano de invasão, e ao mesmo tempo garante uma parte na lucrativa recepção. Podemos compreender a insistência de Bergoglio na questão dos imigrantes, reiterada também em Fratelli tutti: “Assim se espalha uma mentalidade xenófoba, de pessoas fechadas e fechadas sobre si mesmas” (nº 39) (...) “As migrações constituirão um elemento determinante do futuro do mundo” (nº 40).

Bergoglio usa a expressão "elemento determinante", indicando que não é possível hipotetizar um futuro sem migração.


Deixe-me falar um pouco sobre a situação nos Estados Unidos às vésperas das suas eleições presidenciais. A Fratelli tutti dá a impressão de constituir um endosso do Vaticano ao candidato democrata, em clara oposição a Donald Trump, e aparece precisamente alguns dias depois de Francisco se recusar a conceder uma audiência em Roma ao secretário de Estado Mike Pompeo. Isso confirma de que lado estão os filhos da luz e quem são os filhos das trevas.



8. FUNDAMENTO IDEOLÓGICO DE "FRATERNIDADE"


A questão da fraternidade, que é uma obsessão para Bergoglio, encontra sua primeira formulação em Nostra aetate e em Dignitatis humanae. A última encíclica, Fratelli tutti, é o manifesto dessa perspectiva maçônica em que o trilema liberdade, igualdade e fraternidade substitui o Evangelho em prol de uma unidade entre os homens que exclui Deus. Observe-se que o Documento sobre fraternidade humana, pela paz mundial e pela coexistência comum, assinado em Abu Dhabi em 4 de fevereiro do ano passado, foi orgulhosamente defendido por Bergoglio com as seguintes palavras: “Do ponto de vista católico, este documento não se afasta um milímetro do Concílio Vaticano II”.


O cardeal Miguel Ayuso Guichot, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, comenta em "La Civiltà Cattolica":


O Concílio fez rachar gradualmente a barragem, que acabou rompendo. O rio do diálogo cresceu com as declarações de Nostra aetate,  sobre a relação da Igreja com os crentes de outras religiões, e a Dignitatis Humanae,  sobre a liberdade religiosa; temas e documentos que estão intimamente ligados entre si e permitiram a São João Paulo II dar vida a encontros como o Dia Mundial de Oração em Assis, em 27 de outubro de 1986, e que, vinte e cinco anos depois, Bento XVI faria ressuscitar na localidade que é o berço de São Francisco, no 'Dia de reflexão, diálogo e oração pela paz e justiça no mundo: Peregrinos da verdade, peregrinos da paz'. Portanto, o empenho da Igreja Católica no diálogo inter-religioso, que abre o caminho à paz e à fraternidade, faz parte da sua missão original e tem as suas raízes no Concílio.[9]


Mais uma vez, o câncer do Concílio se confirma como a origem da metástase bergogliana. O fio condutor que liga o Concílio ao culto da Pachamama também permeia Assis, como meu irmão Athanasius Schneider acertadamente apontou em seu recente discurso[10].


Sobre a anti-Igreja, Monsenhor Fulton Sheen descreveu o Anticristo com as seguintes palavras: “Levando em consideração que sua religião será a fraternidade, mas sem a Paternidade de Deus, ele enganará os próprios eleitos”[11]. Parece que estamos vendo a profecia do venerável Arcebispo americano cumprida diante de nossos olhos.


Não há nada de estranho, portanto, que a infame Grande Loja da Espanha, depois de felicitar calorosamente seu campeão elevado ao Trono, mais uma vez preste homenagem a Bergoglio com estas palavras:


«O grande princípio desta escola iniciática não mudou em três séculos: a construção de uma fraternidade universal onde o homem se chame de irmão para além dos seus credos específicos, das suas ideologias, da cor da sua pele, da sua extração social, sua língua, sua cultura ou sua nacionalidade. Esse sonho fraterno colidiu com o fundamentalismo religioso que, no caso da Igreja Católica, gerou textos severos condenando a tolerância da Maçonaria no século XIX. [Já a última encíclica do Papa Francisco] mostra o quão longe a atual Igreja Católica está dessas suas posições anteriores [que não podem ser mudadas ao bel-prazer de nenhum Papa]. Em Fratelli tutti, o Papa abraça a fraternidade universal, o grande princípio da Maçonaria Moderna.»[12]


O comentário do Grande Oriente da Itália segue a mesma linha: "Estes são os princípios que a Maçonaria sempre perseguiu e guardou para a elevação da humanidade"[13].


Austen Invereigh, hagiógrafa de Bergoglio, confirma com satisfação essa interpretação, que um verdadeiro católico acharia no mínimo perturbadora[14]. Lembro que desde o século 19, nos documentos maçônicos da Alta Vendita, uma infiltração maçônica da Igreja já estava planejada:


«Você também vai pegar amigos e levá-los aos pés da Sé Apostólica. Vais pregar a Revolução com a tiara e a capa magna, avançando sob a Cruz e os estandartes, numa revolução que não precisará de muita ajuda para incendiar o mundo.»[15]


9. CAUSA E EFEITO


A filosofia nos ensina que algum efeito sempre corresponde a toda causa. Vimos que o que se fez com o Concílio teve o efeito desejado e deu forma concreta àquele momento antropologicamente decisivo que hoje conduz à apostasia da anti-Igreja e ao eclipse da verdadeira Igreja de Cristo. Portanto, devemos entender que se queremos anular os efeitos nocivos que vemos diante de nós, é necessário e indispensável eliminar os fatores que os originaram. Se esse é o nosso objetivo, é claro que aceitar – mesmo que apenas parcialmente – esses princípios revolucionários, isso tornaria os nossos esforços inúteis e contraproducentes. Portanto, devemos estabelecer claramente os objetivos que pretendemos alcançar, direcionando nossas ações a esses objetivos. Mas devemos também todos estar cientes de que nesta obra de restauração não há a menor exceção aos princípios, justamente porque se eles não forem bem estabelecidos, qualquer possibilidade de sucesso ficaria inviável.


Portanto, abandonemos de uma vez por todas as vãs distinções, deixemos de uma vez de supor que existam aspectos bons nesse Concílio, de tal modo que haja uma separação entre o desejo dos bispos que ali se reuniram e o que daí se sucedeu, ou entre a letra e "o espírito" do Vaticano II, ou que exista uma distinção entre o magistério ali apresentado e as práticas que vieram depois, ou ainda entre a hermenêutica da continuidade em oposição àquela da ruptura. A anti-Igreja tem justamente usado o rótulo de "Concílio ecumênico" para atribuir autoridade e força legal ao seu programa revolucionário, da mesma forma que Bergoglio chama de carta-encíclica ao seu manifesto político de fidelidade à Nova Ordem Mundial.

A astúcia do inimigo soube isolar a parte ainda sã da Igreja, que se divide entre ter que reconhecer a natureza subversiva dos documentos conciliares, sendo obrigada a excluí-los do corpus magisterial, e ter que negar a simples realidade, declarando-os apoditicamente ortodoxos, a fim de salvaguardar a infalibilidade do Magistério. O episódio das Dubia supôs uma humilhação para aqueles príncipes da Igreja, mas não pôde desfazer os nós doutrinários que foram dados a conhecer ao Romano Pontífice.

Bergoglio não responde, justamente porque não quer negar ou confirmar os erros implícitos, correndo o risco de ser declarado herege e perder o pontificado: este é o mesmo método do Concílio, no qual a ambiguidade e o uso de terminologias imprecisas impedem a condenação do erro implicado. Mas qualquer jurista sabe bem que além da violação flagrante da lei, também é possível cometer um crime apoderando-se indevidamente da lei e usando-a para maus fins: Contra legem fit, quod in fraudem legis fit  (o que escapa à lei é contrário a ela).



10. CONCLUSÃO


A única maneira de vencer essa batalha é voltar a fazer o que a Igreja sempre fez e parar de fazer o que a anti-Igreja nos pede hoje, que é aquilo que a Igreja sempre condenou. Coloquemos mais uma vez Nosso Senhor Jesus Cristo no centro da vida da Igreja; e, antes disso, coloquemo-Lo de volta no centro da vida da nossa cidade, da nossa família, no centro de nós próprios. Devolvamos a coroa à Nossa Senhora, Maria Santíssima, Rainha e Mãe da Igreja.


Celebremos mais uma vez a tradicional liturgia sagrada com dignidade, e rezemos com as palavras dos santos, não com os circunlóquios dos modernistas e hereges. Vamos saborear mais uma vez os escritos dos Padres da Igreja e místicos, e rejeitar as obras impregnadas de modernismo e sentimentalismo imanente. Apoiemos com oração e ajudemos materialmente os muitos bons sacerdotes que permanecem fiéis à verdadeira Fé, e retiremos todo o apoio de quem tem compromisso com o mundo e suas mentiras.


E sobretudo – peço-o em nome de Deus! – abandonemos esse complexo de inferioridade que os nossos adversários nos habituaram a aceitar; na guerra do Senhor eles não nos humilham (a não ser a humilhação pelos nossos pecados pessoais). Não! Eles humilham a Majestade de Deus e a Noiva imaculada do Cordeiro. A verdade que abraçamos não é nossa, mas de Deus! Permitir que se negue a Verdade ou aceitar que a Verdade conviva com as heresias e erros da anti-Igreja não é um ato de humildade, mas de covardia e fraqueza. Sejamos motivados pelo exemplo dos santos mártires macabeus, diante de um novo Antíoco que nos pede para sacrificar aos ídolos e abandonar ao Deus verdadeiro. Respondamos com as suas palavras, rezando ao Senhor: «Manda também agora, ó Soberano dos Céus, o teu bom Anjo adiante de nós, para dar a conhecer a força do teu Braço terrível e tremendo; para que os que blasfemam contra o teu povo santo, e que se encham de terror!”(2Mc 15,23).


Vou terminar esta palestra com uma memória pessoal. Quando eu era Núncio Apostólico na Nigéria, descobri uma tradição preciosa que surgiu na terrível guerra em Biafra e continua até hoje. Participei pessoalmente durante uma visita pastoral à Arquidiocese de Onitsha e me marcou profundamente. Chama-se rosário das crianças do bairro  e consiste em reunir milhares de crianças (mesmo as mais pequenas) de cada cidade e bairro para rezar o Santo Rosário implorando a paz. Cada criança carrega nas mãos um pedaço de madeira, como um altar em miniatura, com a imagem de Nosso Senhor e uma vela acesa.


Nos dias que antecedem o dia 3 de novembro, convido todos vocês a participarem da Cruzada do Rosário, uma espécie de cerco a Jericó, mas não com sete trombetas feitas de chifres de carneiro e tocadas por padres, e sim com a Ave Maria dos pequeninos e inocentes para derrubar as paredes do deep state e da deep church.


Participemos, como os filhos do Rosário, dos filhos do bairro, implorando à Senhora vestida de Sol que se restaure o Reino de Nossa Senhora e nossa Mãe, e que se abrevie este eclipse que nos aflige.


Que Deus abençoe essas santas intenções.




_____________________

[1]  Padre Antonio Spadaro SJ,  Fratelli Tutti, a risposta di Francesco alla crisi nostro tempo , em  Formiche , 4 de outubro de2020 ( aqui í ).


[2]  “O pontificado de Francisco é como uma bandeira erguida perante os fundamentalistas católicos e aqueles que igualam continuidade material e tradição; A doutrina católica não está apenas se desenvolvendo. Às vezes muda muito. Por exemplo, em relação à pena de morte e guerra »


https://twitter.com/Johnthemadmonk/status/1313616541385134080/photo/1


https://twitter.com/massimofaggioli/status/1313569449065222145?s=21


[3]  “ Devemos evitar cair nessas quatro atitudes perversas, que certamente não contribuem para uma investigação objetiva e um diálogo sincero e produtivo para a construção do futuro de nosso planeta: negação, indiferença, resignação e confiança em soluções inadequadas ”.


cfr. https://www.avvenire.it/papa/pagine/papa-su-clima-basta-negazionismi-su-riscaldamento-globale


[4]  «Religio, id est cultus Dei, qui homo fieri voluit, atque religio - talis enim est aestimanda - id est cultus hominis, qui fieri vult Deus, inter se congressae sunt. Acidente de Quid Tamen? Concurso, proelium, anátema? Id sane haberi potuerat, sed plane non accidit. Vetus illa de bono Samaritano narratio excmplum fuit atque norma, ad quam Concilii nostri spiritualis ratio directo est. Etenim, immensus quidam erga homines love Concilium penitus pervasit. Perspectae et iterum considetae hominum necessitates, quae e o irritante fiunt, quo magis huius terrae filius crescit, totum nostrae huius Synodi studium detinuerunt. Hanc saltem laudem Concilio tribuite, vos, nostra hac aetate cultores humanitatis, qui veritates rerum naturam transcendental renuitis, iidemque novum nostrum humanitatis studium agnoscite: nam nos etiam, immo nos prae ceteris,». Paulo VI, Discurso na última sessão do Concílio Ecumênico Vaticano II, 7 de dezembro de 1965,


cfr. http://www.vatican.va/content/paul-vi/it/speeches/1965/documents/hf_p-vi_spe_19651207_epilogo-concilio.html


[5]  https://twitter.com/i/status/1312837860442210304


[6]  Cf. www.educationglobalcompact.org


[7]  Congregazione per l'Educazione Cattolica,  Lettera Circolare alle scuole, università e istituzioni educative , 10 de setembro de 2020, cfr. http://www.educatio.va/content/dam/cec/Documenti/2020-09/IT-CONGREGATIO-LETTERA-COVID.pdf


[8]  https://www.lastampa.it/cronaca/2020/10/03/news/green-blue-la-nuova-voce-dell-economia-sostenibile-via-con-il-papa-e-bill -gates-1.39375988


https://remnantnewspaper.com/web/index.php/articles/item/2990-the-vatican-un-alliance-architects-of-death-and-doom


[9]  Card. Miguel Ángel Ayuso Guixot,  Il document sulla Fraternità umana nel solco do Concílio Vaticano II , 3 de fevereiro de 2020. Cf. https://www.laciviltacattolica.it/news/il-documento-sulla-fratellanza-umana-nel-solco -of-the-vatican-Council-ii /


[10]  https://www.cfnews.org.uk/bishop-schneider-pachamama-worship-in-rome-was-prepared-by-assisi-meetings/


[11]  Dom Fulton Sheen, discípulo de rádio de 26 de janeiro de 1947. Cf. https://www.tempi.it/fulton-sheen-e-linganno-del-grande-umanitario/


[12]  https://www.infocatolica.com/?t=noticia&cod=38792


[13] https://twitter.com/grandeorienteit/status/1312991358886514688


[14]  https://youtu.be/s8v-O_VH1xw


[15]  « Vous amènerez des amis autour de la Chaire apostolique. Vous aurez preché une révolution en tiare et en chape, negociantes com o croix et la bannière, uma revolução qui n'aura besoin que d'être a tout petit peu aiguillonnée pour mettre le feu aux quatre coins du monde ». Cf. Jacques Cretineau-Joly,  L'Église romaine en face de la Révolution , Paris, Henri Plon, 1859 ( aqui ).

Um comentário:

  1. DOM VIGANÒ TEM PLENA RAZÃO - INCONTESTÁVEIS SEUS LEGÍTIMOS RECLAMES CONTRA DESPROCEDIMENTOS DESDE O TOPO DO VATICAO II ADIANTE!
    A maçonaria vem recorrentemente infiltrando seus maus elementos dentro da Igreja católica há mais de 100 anos de forma oficial sob os auspícios de pessoais desde o exterminador e carniceiro comuno-marxista Lênin!
    A Igreja católica começou a ser infiltrada desde a década de 20, sob cuidados pessoais de Lênin-maçonaria e isso remonta aos planos dos carbonários Vindice e Nubius no séc XIX de destruir a Igreja a partir de dentro, pois esse tipo de ação seria muito mais garantido e teria de redundar num maior proveito, segundo as leis de Gramsci o de subverter as mentes para o relativismo!
    Assim denunciaram os arrependidos comunistas de servirem os martelo e foice russos, como Bella Dodd(ela garante ter infiltrado mais de 1000 elementos dentro da Igreja) além de Yuri Bezmenov e Mihail Pacepa que mudaram de idéia e resolveram denunciar os erros dentro da Igreja, os quais não provinham dela em si dos seus excelentes membros, mas de infiltrados nela para a denegrirem e a desacreditarem, entretanto esses anti cristãos pertenciam à maçonaria, travestidos de clérigos ou incluindo-se até de bispos e de cardeais!
    A TL, por ex., é obra d KGB russa, de um falso cristianismo humano-fraternalista, parecido pela remodelagem "católica" bem dissimuladas ao passar pelos laboratótios de engenharia social das diabólicas esquerdas!
    A Igreja nunca teve, que se saiba, um serviço de contra-espionagem para notar qualquer tipo de infiltração de sacerdotes e mesmo de alguns prelados suspeitos de serem comandados desde fora por forças estranhas, desde o Vaticano II adiante, em particular, infiltrando-se até nos seminários, centros de formação de religiosas, conventos, mosteiros etc., promovendo todos os tipos de maus comportamentos, claramente de infiltrados, assim como nas Universidades Católicas e a Igreja se dispusesse desse serviço, poderia despachar esses intrometidos anti cristãos e maus elementos para fora da Igreja!
    Lembra daquele "diálogo" com N Senhor Jesus Cristo em que o diabo em 1888 lhe pedia 100 anos para tentar destruir a Igreja e lhe teria sido permitido por N Senhor Jesus Cristo? O fato foi presenciado pelo papa Leão XIII, depois do qual instituiu a Oração Leonina - extinta no V II, porque desinteressava à NOM, mas, deixar o povo sem proteção celestial, porém, à sanha dos espíritos malignos nos ares - preces que eram direcionadas dirigidas ao Príncipe da Milícia Celeste, S Miguel Arcanjo, para nos livrar das infernais ciladas do demônio e de suas falanges diabólica-Satã-NOM?
    URGENTEMENTE NECESSITMOS: "Revesti-vos da armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do demônio. Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares". Ef 6 11-12.
    "

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Paginação numerada



Subir