Após acordo com o Vaticano, a Igreja Católica da China jura lealdade ao Partido Comunista


O VATICANO ASSINOU no último sábado (22/9/2018) um acordo que dá ao Governo chinês voz decisiva na nomeação dos bispos naquele país; a Igreja Católica da China reafirmou no domingo (23) sua lealdade ao Partido Comunista.

Com a decisão, que seria absolutamente impensável até há poucos anos, muitos (e cada vez mais) fiéis católicos entreolham-se, confusos, tentando entender o que está acontecendo com o mundo. A Igreja de Cristo pactuando com o criminoso partido comunista chinês, que torturou fiéis bispos católicos? – Jurando-lhe lealdade?

Não poucos taxam como vergonhosa essa manobra; chamam-na de venda de almas humanas aos interesses do comunismo.

São cerca de 12 milhões de católicos na China, que estavam divididos entre a Igreja que subsistia clandestinamente, jurando lealdade ao Vaticano, e à inventada "Associação Patriótica Católica", controlada pelo Estado. Agora, a Igreja Católica na China, como um só organismo, declarou em nota que “vai perseverar em seguir um caminho adequado a uma sociedade socialista sob a liderança do Partido Comunista Chinês”.

A nota diz ainda que “ama profundamente a pátria” e “sinceramente endossou” o acordo, esperando que as relações entre China e Vaticano melhorem. O Vaticano disse que o acordo, um avanço depois de anos de negociações, “não é político, mas pastoral”, e espera que isso leve à “plena comunhão de todos os católicos chineses”.

As perspectivas de tal polêmico acordo dividiram comunidades católicas em toda a China, com alguns temendo uma repressão ainda maior com o Vaticano cedendo controle a Beijing ('Pequim'). Outros creem que o esforço é válido para uma reaproximação e para evitar desacordos. Não poucos enxergam em mais esta notícia um novo sinal de que realmente chegou já o tempo da grande apostasia.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!

____
Noticiado por: Veja; Terra; G1.
www.ofielcatolico.com.br

5 comentários:

  1. O Papa Francisco sempre foi um comunista. É um lobo que nem se preocupa em usar o disfarce da pele de cordeiro.

    ResponderExcluir
  2. Não sei ainda o que pensar. Por um lado é importante para talvez os católicos chineses terem uma "liberdade".

    Porém, é o comunismo.

    ResponderExcluir
  3. Cpncordo com o Marcio:Não sei ainda o que pensar! De um lado pela Tradição e amor à Igreja aprendemos a confiar no Papa como nosso guia. Mas sinceramente estamos sem palavras. Rezemos a Deus que o ilumine. Pelo que vejo a minha volta e no mundo são pouquissimos os Catolicos que querem seguir os ensinamentos de Deus.Antigamente o Padre era a pessoa que mais respeitavamos na minha cidade e quando vinha o Bispo era uma festa. Tinhamos o nosso guia e viviamos em Paz . Agora duvidamos de todos com tantos pedofilos e protestantismo entrando na Igreja. Que Deus coloque sua mão em nossas cabeças e nos proteja.

    ResponderExcluir
  4. Uma notícia no mínimo preocupante. Se o Vaticano fez isso para evitar que sangue seja derramado, estará fazendo um serviço contrário ao dos apóstolos. Concordo com quem diz que é cedo para tirar conclusões, mas compactuar com o Comunismo é contrariar o Papa Pio XII. Rezemos pelo Papa e para que Deus haja em proteção de sua Igreja caso está esteja sendo desviada de sua função que é nos conduzir ao paraíso

    ResponderExcluir
  5. Estou chocada e decepcionada.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail