Do amor de Deus


QUANTO NOS AMA DEUS? Considere, num exercício de imaginação, que você pudesse descer, por livre escolha, pelo bem de outro, da sua condição de ser humano para a condição de um verme ou algum outro ser realmente desprezível, como uma barata.

Terrível, não? Você seria capaz disso? Deixar de ser homem para ser verme ou barata, mesmo que isso não lhe fosse necessário, apenas por puro amor?

Pois isso ainda não basta para fazer entender o milagre do Amor de Deus; foi coisa ainda infinitamente maior que fez, por amor de nós, Nosso Senhor Jesus Cristo, Ele que, sendo Deus infinitamente poderoso, Ser absoluto e autossuficiente, de Natureza infinita e vivendo na plenitude da felicidade celeste, despiu-de de todo seu poder e glória e fez-se carne mortal, e carne de seus traidores – nós, seres humanos decaídos – pelo nosso bem, sem mérito nenhum de nossa parte.

A comparação é de Santo Afonso Maria de Ligório e faz refletir, de modo especial, sobre a dimensão da nossa inacreditável ingratidão para com esse Deus todo amoroso. Reflita sobre isso e procure retribuir a Deus ao menos no amor pelo próximo e na oração, todos os dias.

____
Do editorial da revista O FIEL CATÓLICO n.30.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$13,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail