Ai de nós! A desgraça do aborto avança no mundo

O triunfo do demônio [o Gênio da destruição) (1878), de Mihály Zichy

UM DOS ASSUNTOS mais comentados em redes sociais nesta terça-feira (11/8/2020) foi a notícia de uma grande, imensa desgraça que se abate sobre o mundo outrora civilizado. 

A França vem preparando há meses (desde 2018) a nova versão da sua "Lei de Bioética". Na madrugada do último dia 1º de agosto, sua Assembleia Nacional aprovou, em segunda votação, a última proposta para tal lei. A votação foi polêmica, tanto pelo que foi aprovado quanto pela representatividade do Parlamento: dos 577 deputados franceses, apenas 101 votaram, dos quais 60 votos foram favoráveis à proposta, 37 contrários e 4 se abstiveram.

Segundo a nova lei, qualquer mulher francesa que queira matar seu filho ainda não nascido poderá fazê-lo simplesmente alegando "sofrimento psicossocial" – ATÉ OS NOVE MESES DE GESTAÇÃO, ISTO É, MESMO QUE FALTEM POUCOS DIAS PARA QUE NASÇA – e bastando para isso que procure um médico e manifeste tal desejo. Seres humanos saudáveis, completamente íntegros, perfeitamente prontos para nascer, ​​poderão ser legalmente assassinados fora do útero. Este é o ponto de barbárie a que chegou a civilização que uma vez foi regida a partir de princípios e valores cristãos.

Estamos diante da mais perversa e monstruosa derivação da nova legalidade dita "bioética", depois que 60 deputados da Assembleia Nacional francesa deram nova aparência ao projeto. Repetimos: apenas 37 se opuseram. A discussão sobre a nova lei mal ocupou um dia da vida dos nobres deputados.

Com a nova lei, a França também passa a favorecer a inseminação artificial de mulheres lésbicas e solteiras. Mais: a partir de agora, a criação de embriões transgênicos é legalmente possível, ou seja, a modificação genética de embriões humanos por motivos "terapêuticos".

Os bispos franceses condenaram a lei antes de ser aprovada. Após a aprovação, Dom Bernard Ginoux, o zeloso bispo de Montauban, declarou que "Esta é a forma como morrem as civilizações e se aniquila o gênio dos povos"[1].

Essas decisões, porém, não são ainda definitivas, ainda que tudo faça crer que serão inevitáveis. Agora, o projeto de lei volta para uma nova votação no Senado. Como as eleições para Senador no país ocorrem em setembro, a apreciação da matéria deve ocorrer no fim deste ano ou no começo de 2021. Uma vez aprovada, a lei deve ser sancionada pelo presidente Emmanuel Macron, que é um grande entusiasta de todas essas propostas e é publicamente favorável à sua aprovação. 

Repleto de eufemismos, os pontos mais impactantes do texto são os seguintes:

• Aprovação do aborto até nove meses, mediante diagnóstico de equipe médica que ateste “sofrimento psicossocial da gestante”;

• A possibilidade de reprodução assistida para mulheres solteiras ou "casais" de lésbicas;

• A flexibilização da doação de gametas e a autorização de sua autopreservação;

• Novas regras para pesquisas com células-tronco embrionárias (fabricação e uso);

• A retirada do anonimato de doadores de gametas para bebês nascidos em vitro;

• a flexibilização (sic) do uso de dados genéticos dos franceses.

A liberação incondicional do aborto, até os 9 meses de gestação(!), em caso de 'sofrimento psicossocial'!

Hoje, a lei francesa permite o aborto voluntário até a 12ª semana. O eufemismo denominado “interrupção médica da gravidez” (IMG) em vigor atualmente já não penaliza o aborto até o nono mês de gravidez em dois casos: quando o nascituro tem alguma doença incurável ou quando há risco para a saúde da mulher. 

Sobre a proposta da Lei de Bioética, de incluir o “sofrimento psicossocial” nas possibilidades de IMG, os abortistas afirmam que, como a interrupção da gravidez já é permitida em casos de risco físico, a mudança é "apenas" no sentido de deixar claro na lei a inclusão dos "riscos para a saúde mental".

Na prática, porém, caso a lei seja definitivamente aprovada como está, o aborto até os nove meses será inevitavelmente facilitado, uma vez que qualquer caso pode ser classificado como “sofrimento psicossocial”, ao depender simplesmente de como a gestante se sente – ou como alegar se sentir. Isso também significará um grande aumento da pressão (que hoje já é grande) sobre os médicos contrários ao aborto.

“O critério de sofrimento psicossocial não é verificável. Quem pode julgar o sofrimento de uma mulher?", disse Tugdual Derville, presidente da Alliance VITA, uma organização pró-vida, em suas redes sociais. Dizendo o óbvio, completou: “É uma realidade tão íntima e subjetiva. A expressão de uma emoção não pode afirmar o direito de suprimir a vida de um ser humano!”.

O presidente da organização Alliance VITA afirma ainda os ativistas pró-aborto escondem os sofrimentos físicos e mentais causados às próprias mulheres (mães) com o aborto.

Ao La Croix, o médico ginecologista Gilles Grangé afirmou ainda que a medida pode aumentar o número de solicitações de aborto sem motivo. “Corremos o risco de ver pacientes reivindicando o direito ao aborto seja qual for o termo, e se nos opormos seremos chamados de reacionários”, lamentou.

Nas redes sociais francesas, não faltaram reações contra a medida. Mas, infelizmente, esta é a única via e o único instrumento que restou às pessoas de bem (por enquanto).

Itália segue o tenebroso exemplo francês: governo italiano facilitará a prática do 'aborto livre' pelo uso de fármacos

Em tempos de insegurança provocada pela pandemia, a cultura da morte avança por todo o globo, sem freios: na Itália, o Ministério da Saúde acaba de definir a eliminação da internação obrigatória para a administração de pílulas abortivas, além da ampliação do prazo de prescrição para gestantes[2].

A indução de aborto químico por meio da droga RU486, que lamentavelmente já é permitida no país desde 2009, antes exigia a internação por três dias das mulheres que fossem utilizá-lo. Com a nova diretriz, será liberada a venda da substância abortiva e até mesmo o seu uso caseiro. A disseminação da prática do aborto será inevitável, e trará consequências morais e sociais catastróficas.

"Não é 'menos aborto' por não ser realizado com instrumentos cirúrgicos”, disse a presidente do Movimento per la Vita, Marina Casini, ao Vatican News, assinalando ainda que existem riscos significativos para a saúde associados aos abortos químicos: "A Itália está diante de uma propaganda a favo da droga abortiva".

Casini frisou ainda que as mudanças propostas se baseiam na ideologia e na tentativa de convencer as pessoas de que o aborto é algo banal, “para nos fazer esquecer que está em causa a destruição de um ser humano na etapa pré-natal”.

O RU486 "funciona" de modo especialmente cruel: é feita a administração de dois medicamentos com vários dias de diferença: o primeiro impede que o corpo da mãe de alimente o feto; o segundo provoca violentas contrações e expulsa a criança e a placenta do corpo da mãe.

Atualmente, apenas dois em cada 10 abortos que acontecem na Itália são abortos químicos. Acredita-se que com a grande facilitação (remover a exigência de hospitalização) levará a um aumento exponencial dos abortos praticados no país, com cada vez mais mulheres italianas optando por um aborto químico em vez de cirúrgico. “É muito mais barato dar esse produto para a mulher e dizer a ela: faça você mesma, faça sozinha. Economizam leitos, anestesia e, inclusive, investimento humano em médicos e profissionais de saúde”, Concluiu Casini.

O aborto foi legalizado na Itália em 1978 com a lei 194, que permite o aborto por qualquer motivo nos primeiros 90 dias de gravidez, e depois por certos motivos com o encaminhamento de um médico.

Desde a sua legalização, estima-se que mais de seis milhões de crianças foram abortadas na Itália.


 *   *   *

Fiéis católicos, estamos diante de um pecado tão grave, tão extremamente grave, que leva a crer que o fim dos tempos deve estar verdadeiramente próximo. Nunca houve nada parecido com o que estamos presenciando em toda a história da humanidade. Mesmo as culturas bárbaras sempre consideraram a concepção, a gravidez e o nascimento de uma nova vida como uma benção dos céus. Hoje, a imensa maioria não imagina que tipo de holocausto resultará da aprovação de leis como estas. Serão literalmente bilhões de vidas ceifadas impiedosamente, vítimas daquelas que deveriam estar dispostas a a todos os sacrifícios para protegê-las: suas próprias mães.

Desgraça absoluta. Preparemo-nos para as dores que vêm por aí. Atrocidades de tal magnitude não passarão incólumes, nem ficarão sem o devido castigo. 


O Emmánuel! Rex et Légifer noster, Exspectátio gentium et Salvator earum!
Veni ad salvandum nos, Domine Deus noster!


__________________________
Lembre-se de nos acompanhar também nas redes sociais:

** Facebook

*** Instagram (@ofielcatolico)

**** Youtube.


____
[1] Para a Gaudium Press.

[2] O Ministério da Saúde da Itália aguarda a aprovação da proposta, que permitirá a eliminação da internação obrigatória para a administração de pílulas abortivas, além da ampliação do prazo de prescrição para gestantes.

Ref.:

InfoCatólica, 'Cualquier mujer francesa podrá abortar hasta justo antes de dar a luz', em: https://www.infocatolica.com/?t=noticia&cod=38373

Denise Drechsel, Gazeta do Povo, em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/afinal-a-franca-aprovou-ou-nao-o-aborto-ate-9-meses-de-gravidez-entenda/

ACI Digital, 'Itália permitiria o uso de pílulas abortivas em casa sem atenção médica', em:
https://www.acidigital.com/noticias/italia-permitiria-o-uso-de-pilulas-abortivas-em-casa-sem-atencao-medica-84649

Acesso 11/8/2020

2 comentários:

  1. Os escritos das Pedras da Geórgia sendo levados à risca.

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente absurdo, aborto é apenas um nome mais suave para assassinato, homicídio, irresponsabilidade, insensibilidade, crueldade, egoísmo, indiferença e tudo o que pode existir de pior na prática humana. Como se pode conviver de consciência tranquila com o assassinato do filho do vizinho, do amigo, do sobrinho, ou do próprio filho?
    E não é somente uma questão de religião, de crença cristã, é a vida de um ser humano, de alma, carne e osso, que será ceifada.
    Interessante como esse pessoal favorável ao aborto, que se diz iluminado pela razão, trata a gravidez como uma doença contagiosa (passei perto de uma grávida e engravidei!) ou um evento natural do organismo, como a puberdade. A gravidez é o resultado de um ato sexual desejado. Não quer a gravidez, existem inúmeras formas de evitá-la, que não envolvem o sacrifício de um ser humano em prol do sentimento de bem estar do outro.
    Hoje em dia aquele que abandona um cachorro na rua (crueldade também) é tratado como monstro, mas quem descarta o próprio filho sai praticamente ileso, e ai do insensível, machista e misógino que criticar. E para completar, onde estão os pais, o que dizer deles? Não só as mulheres, mas os ditos homens são tão responsáveis quanto, pelo bem estar dos filhos. Acovardam-se? Deixam matar os próprios filhos sem reação?
    Li em uma reportagem anos atrás que nos EUA, desde a legalização do aborto, haviam sido registrado cerca de 40 milhões desses procedimentos homicidas. Com razão, a maioria se choca com os 10 milhões de assassinatos judeus pelos nazistas, líderes mundiais denunciam e condenam esta crueldade regularmente, mas infelizmente, parece que as vítimas silenciosas desse novo holocausto mundial são invisíveis.

    A paz de Cristo!

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Paginação numerada



Subir